terça-feira, 22 de novembro de 2016

Pré-requisitos da incursão armada


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja 

A surpresa do adversário é essencial ao êxito da incursão. Um ato de surpresa em sucedido pode também, num caso real, compensar, até certo ponto, uma inferioridade de efetivo ou de armamento, o que, contudo, não deve ser superestimado.  A incursão que o inimigo espera falhará qualquer que seja a razão porque ele a opera:porque soube da intenção dos guerrilheiros através de delação ou porque suspeitou dela através em razão de seu próprio e correto estudo da situação e do terreno.

A surpresa é obtida, segundo o adágio do soldado: “atacar quando o inimigo estiver menos preparado, por exemplo; quando está escuro, nebuloso, quando está nevando ou chovendo forte ou desencadear o ataque de uma posição menos esperada. Tal situação é facilitada mediante uma abordagem através de terreno difícil ou a partir da retaguarda do inimigo.

Para Marighella, a surpresa no combate subterrâneo depende de quatro condições: a primeira é que os atacantes tenham conhecimento preciso da situação de quem sofre o ataque e que este ignore a situação do atacante. A segunda condição de Marighella está relacionada de perto com a primeira: o atacante deve conhecer o poder de combate do atacado, enquanto o seu próprio deverá permanecer pouco nítido. Isso capacita o atacante – e essa é a terceira condição de surpresa, no sentido que Marighella lhe dá – usar com parcimônia o seu poder de combate, opção que um surpreendido inimigo atacado não possui.

A última condição de surpresa consiste em o atacante explorar as possibilidades inerentes à sua determinação do tempo, do espaço, do objetivo do ataque. Essas quatro pré-condições de que fala Marighella significam fundamentalmente nada mais do que o atacante ter completa liberdade de ação. A ação do adversário atacado, por outro lado, será regida pelo ataque.

Com as quatro acima citadas pré-condições de surpresa, Marighela exige – sem explicitamente mencioná-lo – que a guerrilha disponha de um quadro completo da situação política e militar do inimigo. O reconhecimento cuidadoso, por observação própria e por avaliação dos menores detalhes de todas as informações que a liderança da guerrilha recebe de terceiras pessoas – é a pé condição para conseguir uma surpresa bem sucedida.

Esse reconhecimento cuidadoso é também necessário, mais ainda, quando suplementando a surpresa, o segundo elemento de sucesso de uma incursão armada em combate subterrâneo possa ser obtido. Como vimos antes, a incursão deve sempre ser dirigida a um ponto relativamente fraco do inimigo.  Uma grande superioridade de poder do adversário de combate – seja em efetivo ou amamento utilizado – não pode geralmente ser compensada pelos guerrilheiros através da surpresa bem-sucedida e nem mediante uma maior coragem. Uma incursão de guerrilheiros a um adversário desproporcionalmente mais forte em seus pontos de concentração de forças fracassará, a não ser que o adversário cometa erros graves em sua defesa. Mas, ao formular um plano de ataque, ninguém pode contar com erros desse tipo. 

Para uma incursão, portanto, é crucial determinar os pontos fracos do adversário tão precisamente quanto possível.

A vulnerabilidade do inimigo pode se apresentar sob a forma de quartéis dispersos, de grupos pequenos e expostos, de falta de segurança local ou procedimentos muito rígidos e rotinizados por parte dos contingentes de segurança. Em outras ocasiões consistirá em um fluxo de suprimentos e comunicações com segurança precária ou regular demais. A debilidade do adversário pode, finalmente, consistir em vulnerabilidades na organização interna das unidades, falta de disciplina, moral baixo e falta de vontade de combater. Identificar com precisão se um ou outro desses problemas se aplica ao caso do adversário a ser atacado por uma incursão, e onde é exatamente o ponto fraco desse adversário, é tarefa da chefia que planeja a incursão. Essa é uma pré-condição do êxito: golpear o adversário em seu ponto mais fraco e mais vulnerável.

Se as informações revelarem a primeira evidência de vulnerabilidade do adversário, o que o expõe, aí começa o reconhecimento de um terreno adequado para a incursão. “O terreno”, lê-se em Marighella, é o melhor aliado do guerrilheiro. Ele deve conhecê-lo como a palma da sua mão, como o forro do seu bolso... ruas sem saídas e com áreas estreitas, estradas em construção e pontos de controle policial, zonas militares e estradas bloqueadas, entradas e saídas de túneis, opções para as barreiras da polícia, ponto quer se pode ultrapassar, intersecções  guardadas ou patrulhadas, sinais de trânsito – tudo isso deve ser exaustivamente estudado e conhecido para evitar erros fatais.

O reconhecimento e a observação são fundamentais para o planejamento de uma incursão. A primeira tarefa é escolher o alvo específico, fixar o local, o tempo de incursão e definir o poder de combate do grupo que vai entrar em ação. Geralmente o grupo de ação designado para cada incursão será para esse fim específico, reunido pela chefia. Ele é constituído por diversos pequenos grupos com missões diferentes, fixadas com precisão. Não deve ser mais forte do que a chefia julga indispensável ao cumprimento da missão. Um grupo de ação que deve conduzir uma incursão necessita, além da chefia, de uma força de ataque que realize a missão em jogo, um elemento de apoio e um de segurança. Exemplo da composição de um grupo de ação que tenha por missão destruir uma instalação inimiga: uma combinação de cinco elementos, uma tropa de choque que conquista o objetivo, uma tropa de demolição que o destrói, uma tropa de apoio que proporciona o fogo de proteção, o grupo de barreiras e a tropa de combate aproximado para eliminação silenciosa dos guardas postos.

Se necessário, atiradores de escol são designados para integrar um ou outro elemento. A segurança do material inimigo capturado, particularmente armas e munições, pode ser atribuída a um ou outro elemento que já tenha cumprido uma missão semelhante. Contudo, elementos especiais podem também ser designados para essa tarefa.

Embora desenvolvido em todos os detalhes, o plano de operações da incursão deve ser simples, flexível e não dependente de muitas circunstâncias. O dispositivo da tropa e o plano de operações devem garantir um cumprimento rápido e tranqüilo da missão. Um plano de evasão deve ser previsto, caso alguma circunstância inopinada  torne impossível o cumprimento da missão. 

Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

7 comentários:

Loumari disse...

Assunto: Migrantes islâmicos

Hijra - O Cavalo de Tróia Moderno, dá que pensar...

E se for realmente como suspeitamos?
É precisamente a pergunta que eu faço a mim próprio... Eu não consigo pôr um Euro de lado, nem ao menos para passear por aqui perto. Pergunto-me: como é que, então, um refugiado que tem que pagar US$ 3.000,00 a um passador, sabendo este que ele precisa de vários anos para chegar a ter US$ 1.000,00?
Além disso, quando eles são enviados de volta, alguns regressam de imediato. Então, eu penso que serão, provavelmente, terroristas misturados com refugiados "pobres".
Em teoria, não é tão improvável quanto isso! De onde vem este dinheiro todo?
O Hijra: Um "cavalo de Tróia" moderno... Ou a doutrina islâmica de imigração? A estratégia de reconquista... Com 14 séculos de idade?
Quem são os migrantes que aportaram à Itália, à Grécia e a mais países europeus?
Dizem-se "refugiados" que perderam tudo. Os relatórios seguem, uns a seguir aos outros, para descrever as suas condições de vida terríveis.Eles têm, apenas, o suficiente para comer, mas, assim que chegam, logo vemos pegarem nos telemóveis e falarem... Para quem? Reclamam que não têm Internet e WI-if...
Metade dos 22 milhões de Sírios vivem com menos de US$ 2,00 por dia, desde há mais de 2 anos, devido à guerra.
Então, como arranjam entre US$ 3.000,00 a US$ 5.000,00 para pagarem aos contrabandistas?
E, se alguém estiver a financiar a viagem a jihadistas disfarçados de refugiados?
Quem são os mais perseguidos na Síria e no Iraque? São cristãos, Yezidis, mulheres, velhos, crianças.
Há algum cristão em navios de carga que chegam às costas italiana e grega? Não!São,essencialmente, muçulmanos.
Crianças, idosos, mulheres? Não muitos, só os necessários para o espectáculo, a grande maioria são homens solteiros.
Calais é testemunha.
A ONU fala de um milhão de crianças sem um cobertor para enfrentarem o inverno, enquanto que os "traficantes" têm 2 ou 3 milhões de dólares para comprarem cargueiros e depois abandoná-Los, como acontece regularmente.
E esses contrabandistas passaram a ser marinheiros, capitães, mecânicos. Eles teriam aprendido a navegar navios de carga que depois abandonam?
Sabe-se que o Estado Islâmico tem enormes recursos financeiros, bancos, poços de petróleo.
Todo mundo conhece a história, que foi o episódio final da Guerra de Tróia, e como terminou.
Como não podem retornar de forma anónima à Europa, depois de lutar pelo Estado Islâmico, os guerreiros muçulmanos entram disfarçados como refugiados e escondidos em navios que navegam no Mediterrâneo.

Continua

Loumari disse...

Chegam às costas italiana ou grega e foram (e são) recebidos como um presente dos deuses: Eles ofereceram uma nova oportunidade aos europeus para repararem os seus crimes coloniais "abjectos", abrindo os braços para os mais desfavorecidos.
Este estratagema pretende provocar a queda do "império."
Qual o politico a quem o jornalista tem a coragem de fazer esta pergunta?
Mas, perguntem à CIA se tem dúvidas! Os milicianos do Estado Islâmico vêm para a Europa disfarçados de refugiados, segundo fontes de inteligência dos EUA.
Se a invasão muçulmana da Europa continua ao ritmo actual, em poucas décadas os cemitérios são os únicos lugares onde cristãos, judeus e outros... serão a maioria.
O Qatar é um dos países muçulmanos mais extremistas... Isto é bem conhecido, assim como a Arábia Saudita.
E porque será que os países árabes não acolhem os seus irmãos?
Toda a Europa se preocupa em acolher os «migrantes» (!), mas nenhum país islâmico se prontificou a recebê-Los. Não seria isso natural? Não estariam todos bem melhor em países muçulmanos?
Para aqueles que ainda não sabem, a Embaixada do Qatar, numa das mais bonitas avenidas de Bruxelas (Avenue Franklin Roosevelt) tem previsto o financiamento da construção de uma mesquita para 6000 pessoas!
No entanto, o Ministério das Relações Exteriores não só se recusou a aprovar este financiamento, mas, também, respondeu ao Centro de Tawfiq islâmica "...que seria paradoxal aceitar esse tipo de financiamento proveniente de um país que não aceita nenhuma liberdade religiosa".
Vamos nós ser actores reais: Com apenas um envio deste mail para cinco contactos, seremos a base de, em 3 meses, 1 milhão de mails e 48 milhões em seis meses! Isso pode ajudar a abrir os olhos dos nossos próprios governantes...
O ministro das Relações Exteriores da Noruega, Jonas Gahr Støre, disse, ao jornal VG, a propósito do pedido da Arábia Saudita para a construção de uma mesquita: "Podemos, apenas, dizer NÃO. O Ministério não aprova, mas aproveitou a oportunidade para acrescentar que a aprovação seria paradoxal, sabendo que tentar estabelecer uma comunidade cristã na Arábia Saudita será considerado um crime punível por decapitação."
Porque será que os media ocidentais não difundem estas notícias?
Mas há países europeus (e são muitos) que (consciente ou inconscientemente) estão a preparar o seu suicídio.
NOTA: Outra mesquita está em construção no Court Saint-Étienne.
Eles têm o direito de destruir tudo o que é diferente do Islão (cristãos, coptas, judeus, budistas e, até mesmo, a secular, : Palmira), mas invadem países ocidentais com as suas mesquitas e minaretes.

NOTAS:

1. Por que razão recusam caixas com comida e medicamentos, somente porque têm o símbolo da “Cruz Vermelha” impresso na caixa?

2. Por que razão não vão para os países árabes?

3. Onde vão eles buscar os EUR 3.000,00, por pessoa, para pagarem aos traficantes? Só para a travessia do Mediterrâneo (estamos a falar em cerca de 3.000 migrantes, por dia, a EUR 3.000,00 cada um! ) Isto dá, nada mais nada menos, EUR 9.000.000,00 (nove milhões de Euros por dia, pagos pelo “pobres” povos sírio e árabe, para atravessarem o Mediterrâneo).

4. Além destes EUR 3.000,00, por pessoa, ainda têm de ter reservas para pagarem comboios, autocarros e outros transportes para atravessarem todos os Países, até chegarem à Alemanha, à França e à Inglaterra. Eles (os solteiros) não querem outros Países.

5. Qualquer País fora da Síria seria bom para ficarem em paz e segurança! Não... eles (os solteiros) só querem Alemanha, França e Inglaterra. Para os outros Países (como Portugal, Espanha, Itália, etc.) vão as famílias. Porquê?! A maior parte dessas famílias mostram ter menos de 25 anos.

6. DÁ QUE PENSAR, NÃO É?
EUROPEUS... Abram os olhos e vejam em que se estão a meter...
Quem estará a suportar estas DESPESAS? (Cerca de EUR 9 milhões, por dia)... Isto é exagerado, especialmente para famílias que vivem com menos de US$ 2,00 por dia!
O mínimo que podes fazer é encaminhar esta mensagem a 5 contactos. É URGENTE.....Envio tal como recebi.

Loumari disse...

Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão. (islam)
(FILIPENSES 3:2)


Eles todos virão, com violência: os seus rostos buscarão o oriente (Meca), e eles congregarão os cativos, como areia.
E escarnecerão dos reis, e dos príncipes farão zombaria: eles se rirão de todas as fortalezas, porque, amontoando terra, as tomarão.
Então passará como um vento, e pisará, e se fará culpada, atribuindo este poder ao seu deus. (ao tal de allah)
(HABACUC 1:9)


Muhammad Bin Abdul-Allah, this is the full name of the prophet of islam.
Allah in arabic means Serpent.
Satan is the Serpent.


And the devil, who deceived them, was thrown into the lake of burning sulfur, where the beast and the false prophet had been thrown. They will be tormented day and night for ever and ever.
(REVELATION 20:10)



E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e, de dia e de noite, serão atormentados, para todo o sempre.
(APOCALIPSE 20:10)


Quanto a marca da Besta na testa está patente aos nossos olhos. Vede o que estes muslims trazem na fronte de suas testas? O nome de deus deles. O tal de allah. Allah o que significa Serpente em idioma árabe.

Anônimo disse...








.

acp

Ao lado de apresentar ao povo as barbaridades dos terroristas é necessário permitir e incentivar qiue o povo se arme e se defenda.

Os terroristas precisam enfrentar um povo em armas.

acp

.






.

Anônimo disse...
















.

acp

O EB tem, ou teve, a estratégia de resistência.

Em caso de invasão de parte do pátrio território por força não-deslocável por convencionais tropas haveria utilização de reservistas e regulares para atividades de erodição de posições.

O CIGS chegou a testar armas para tal atuação. Escolheu a carabina Puma .38

acp

.






.



Anônimo disse...












.

.

acp

Falso! Inexiste tal decálogo!

Nunca houve catalogação de donos de armas. Os comunas distribuíram armas às mancheias ao povo nas revoluções. Depois, tiveram de pedir que as devolvessem, pois não sabiam quem as tinha!

Ao tempo dos bolcheviques inexistiam meios de comunicação de massa, nada de rádio ou tv.

lenin era um conservador em termos sexuais.

Nunca trataram de democracia.

Nunca desmereceram a Rússia

Greves realizaram.

Eram subversivos, não podiam evitar que os czaristas contivessem a subversão, as greves, as bagunças.

Não se puseram contra a moral. Não derrubaram a honestidade. Inexistia votação de interesse dos comunas.

acp

.


.






.

Anônimo disse...










.

acp

Escreva um seu artigo seu a desmentir o falso decalogo de lenin que desde que a internet existe engana tolos. Aquele, sobre greves, libertinagem, armas... Nem lenin nem nenhum comuna o escreveu.

Ou pesquise e publique artigo de outrem.

acp

.

.

acp

Falso! Inexiste tal decálogo!

Nunca houve catalogação de donos de armas. Os comunas distribuíram armas às mancheias ao povo nas revoluções. Depois, tiveram de pedir que as devolvessem, pois não sabiam quem as tinha!

Ao tempo dos bolcheviques inexistiam meios de comunicação de massa, nada de rádio ou tv.

lenin era um conservador em termos sexuais.

Nunca trataram de democracia.

Nunca desmereceram a Rússia

Greves realizaram.

Eram subversivos, não podiam evitar que os czaristas contivessem a subversão, as greves, as bagunças.

Não se puseram contra a moral. Não derrubaram a honestidade. Inexistia votação de interesse dos comunas.

acp

.


.

acp

Escreva um seu artigo seu a desmentir o falso decalogo de lenin que desde que a internet existe engana tolos. Aquele, sobre greves, libertinagem, armas... Nem lenin nem nenhum comuna o escreveu.

Ou pesquise e publique artigo de outrem.

acp

.




.




.



.




.




.



.




.




.




.



.




.




.



.




.




.



.




.




.




.


.




.




.