sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Cármen Lúcia vai ajudar a montar quantas pizzas no STF?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Mtnos Calil

Se questionada a respeito do acordão entre Renan e o STF, a presidentA  diria que sua transigência foi uma excepcionalidade provocada por uma gravíssima crise institucional. 

Sim, mas quem garante que outras graves crises institucionais não venham a se repetir exigindo novas concessões?  Afinal qual é o limite ético para essas concessões? Obviamente não é ético manter um corrupto como Renan na Presidência do Senado. Estamos então numa situação em que os fins da “pacificação carmenluciânica” justificam quaisquer meios, sendo um destes meios a desmoralização da suprema corte e da sua própria presidentA?  

Reproduzo abaixo um trecho do artigo  da colunista do Estadão Vera Magalhães publicado em 8/12/2016. É bom lembrar que o acordão foi costurado por Carmem Lucia com a colaboração DECISIVA do senador petista Jorge Viana, que recebeu um elogio espetacular, ao qual o petista agradeceu sensibilizado. Imagino que Lula tenha orientado Viana a articular o acordão, já que ele, Lula, deve um grande favor a Renan, que ajudou a livrá-lo do impeachment, na época do mensalão. 

Em troca da permanência de Renan na Presidência do Senado, os juízes e procuradores foram contemplados com o arquivamento ad eternum do projeto de abuso de autoridade. A mesma e abusada autoridade de que Renan se valeu para fazer o STF se submeter às suas ordens, jogando no lixo o que restava da credibilidade do nosso Poder Judiciário.  

“A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, também se desviou de tudo aquilo que prega ao longo de sua trajetória na corte. Cármen é aquela que dirige o próprio carro, recusa convites para jantares e coquetéis por não achar apropriado que magistrados confraternizem com políticos, que nas últimas semanas defendeu o Judiciário de ataques.

Como, então, referenda uma saída política para um impasse institucional? Mais: como patrocina esse entendimento por meio de conversas de bastidores que sempre condenou? Como vota de forma condescendente, admitindo o descumprimento de uma decisão do tribunal que preside pela Mesa do Senado e a agressão a um ministro da corte por parte de Renan — que afirmou que Marco Aurélio Mello dera a liminar preocupado em manter salário acima do teto?

Tendo costurado a saída fora dos “autos”, Cármen Lúcia deveria, ao menos, ter deixado de votar. Afinal, já havia maioria a favor da permanência de Renan na cadeira. Assim, ela não compactuaria com uma saída com a qual dificilmente deve concordar.” -  Vera Magalhães, no Estadão de 2/12/2016


Mtnos Calil, Psicanalista, é Coordenador do grupo Mãos Limpas Brasil. 

3 comentários:

Anônimo disse...

Para quem disse em uma decisão das células tronco embrionárias que estás eram lixo genético... nunca vou esperar nada desta senhora

Anônimo disse...

Senhor Mtnos.
Por favor, releve meu comentário sarcástico sobre seu excelente artigo, pois sou do tipo que perde o amigo mas não perde a piada.
A senhora Ministra, me parece, ficou na mesma situação daquele menininho ingênuo da escola: Deu prá um, tem que dar prá todos!
O eduardo cunha deve estar se remoendo na cela, em Curitiba, pela falta de timing: "Ah, se eu fosse denunciado agora".

Anônimo disse...

Serrão, com essa pantomina toda, vale perguntar: "E aquele artigo da Constituição da "república" (República: Segundo o Aurélio, é: Associação, agremiação, onde impera a desordem.) que diz que a Lei é para todos, é para ser cumprido???). E ainda tem um mote muito popular, que diz que "A Lei é para todos!". SERÁ??????