segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Guerra ao Terrorismo – Desmascarando cinco grandes mentiras


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

O texto abaixo foi transcrito da segunda edição do livro ”Democracia e Secretismo” - impresso em Lisboa, em 2002, pela Editora Publicações Europa-América - de autoria de Oswald Le Winter. Ele nasceu em Viena, Áustria, e foi para os EUA em 1939, como parte de um esforço para resgatar crianças judaicas das condições perigosas de Viena após a anexação da Áustria pela Alemanha nazista. O dr OSWALD LE WINTER faleceu em 2013. Na Introdução, ele escreveu:

Este livro contém uma quantidade enorme de informações provocadoras. Se está dependente da visão do mundo que tem atualmente, não continue a ler. Se sente que não pode suportar emocionalmente o que está a acontecer na realidade deste mundo, não continue a ler. Porém, se decidir continuar, tenha a certeza de que não há nada a temer. A liberdade depende do conhecimento. O secretismo é inimigo do conhecimento e, portanto, é inimigo da liberdade”. 
_____________________________
     
Quantas pessoas o leitor conhece que se afirmam cépticas, que se orgulham de sua desconfiança à autoridade, que gostam de fingir que conhecem a vida e o mundo. E depois,cada vez que há uma guerra, engolem as mentiras do Governo com toda inocência de uma criança de três anos, no colo de um Papai Noel numa loja? Não caia nessa armadilha! Aprenda a identificar e refutar as informações oficiais erradas, quando as vê. Vamos enumerar e desmascarar alguns dos equívocos sobre esta guerra.
    
Mentira 5: 
    
Nós não estamos em guerra com o povo afegão.Reparem: estamos a levar-lhe comida”,
    
 
A verdade:
    
O Afeganistão está no meio de uma seca que ameaça literalmente milhões de pessoas a morrerem de fome. Mesmo antes da ameaça de bombardeamentos pelos EUA, o Programa Alimentar Mundial (World Food Program – WFP) disse que aproximadamente 6 milhões de pessoas necessitavam de auxílio alimentar imediato. Quando a ameaça de guerra provocou movimentações maciças de refugiados e pessoas internamente deslocadas, o WFP aumentou o numero para 7,5 milhões de pessoas. Agências das Nações Unidas estavam mantendo um enorme número de pessoas vivas, mas o perigo da guerra – bem como a exigência dos EUA de que o Paquistão fechasse a fronteira com o Afeganistão -, levaram o WFP a suspender as entregas de farinha de trigo no país. Não fazemos a menor idéia de quantas pessoas já morreram como resultado dessa medida.

Entretanto, os EUA deixaram cair do céu 37 mil pacotes individuais de comida. Façam as contas. É suficiente para alimentar cerca de 37 mil pessoas durante um dia, num país onde 7 milhões e meio estão ameaçados de morrer de fome. Para além da fome, o porta-voz de uma instituição de caridade internacional ativa no Afeganistão, disse ao Independent, de Londres, que “Atirar comida ao acaso é a pior forma possível de enviar ajuda alimentar. Causa mais problemas do que aqueles que resolve” . E um dos maiores problemas é o de que o Afeganistão tem o maior numero de minas terrestres por explodir no mundo. Já ocorrem dez a quinze incidentes com minas todos os dias, e com as pessoas a correr por áreas cheias de minas para apanhar pacotes de comida espalhados, deixados cair por aviões norte-americanos, esse número vai aumentar.
    
Mentira 4:
    
Petróleo. Quem falou em petróleo?” 
    
A Verdade:
    
A região do mar Cáspio tem, potencialmente, as maiores reservas de petróleo do mundo, o que vai, provavelmente, transformar a Ásia Central no próximo Oriente Médio. O problema é extraí-lo. O Afeganistão ocupa uma posição estratégica entre o Cáspio e os mercados do subcontinente indiano que a empresa petrolífera UNOCAL – bem como o governo dos EUA – viram com bons olhos a subida do Talibã ao Poder em 1996, como uma fonte de estabilidade prometedora.

Isso revelou-se um sonho, visto por um canudo, mas pessoas, como o Comandante em Chefe dos EUA e os barões do petróleo à sua volta, nunca desistiram das tremendas possibilidades de lucro que a Ásia Central oferece. E se não pensa que estas considerações não lhes estão passando pela cabeça neste momento de crise, posso sugerir-lhes um curso de reciclagem nos Fatos da Vida?
     
Mentira 3
    
Os EUA estão tentando libertar o povo do Afeganistão da tirania dos Talibã.
    
A Verdade:
    
Os EUA têm ajudado uma violenta coligação de grupos armados, chamada Aliança do Norte. Os guerreiros da Aliança do Norte são, principalmente, oriundos de grupos de minorias étnicas do Aeganistaão,que foram perseguidos peloTalibã. Mas o seu recorde também é sangrento. Grupos como a Associação Revolucionária das Mulheres do Afeganistão – RAWA -, que lutam contra o fundamentalismo e pela democracia no Afeganistão, declararam publicamente que os bandos fundamentalistas da Aliança do Norte não são uma alternativa aceitável aos fundamentalistas fanáticos dos Talibã.

Não admira: a Human Rights Watch implica a Aliança do Norte em “bombardeios aéreos indiscriminados, ataques diretos a civis, execuções sumárias, violações, perseguições com base em religião ou etnia, recrutamento e utilização de crianças como soldados, e utilização de minas terrestres antipessoais”. Neste momento, toda a gente sabe que Osama Bin Laden estava entre os mujahideen recrutados pela CIA para combater os soviéticos no Afeganistão.
    
Mentira 2:
    
“A América está a unir-se” 
    
A Verdade:
    
Dezenas de milhares de pessoas foram despedidas só na navegação aérea. O Governo reagiu rapidamente à crise, com um pacote de subsídios às empresas, no valor de muitos milhões de dólares pa manter os lucros dos acionistas e pagar os salários dos diretores executivos. Mas quando se tratou de ajudar os milhares de trabalhadores despedidos, o congressista Dick Armey disse que isso seria contrário ao espírito americano. Talvez seja. Talvez o espírito americano seja fazer os trabalhadores pagarem uma crise e suportarem o fardo de uma guerra dispendiosa. Mas isso, seguramente, nada tem a ver com “união”.
    
E a melhor mentira de todas
    
Mentira 1:
    
É possível vencer uma guerra contra o terrorismo”. 
    
A Verdade:
    
O terrorismo é uma tática,não uma força política ou social em si e por si. Qualquer pessoa pode usá-lo, e a idéia de que ser pode travar uma “guerra” contra ele, é uma idéia tão desonesta como a que está subjacente à “Guerra às Drogas”. A utilização de comida como arma política, o bombardeio aéreo indiscriminado e o armamento de grupos violentos de fanáticos religiosos, também contam como “terrorismo” em qualquer definição razoável da palavra, e os EUA praticam tudo isso há muito tempo.

E mais: no fundo esta guerra deve-se a sórdidos interesses materiais e a Poder – ver especialmente as Mentiras 2 e 4 acima -, e em defesa desses interesses, os EUA estão preparados para trocar o rótulo de “terrorista” como lhes convém, para se aplicar a todos os tipos de movimentos políticos dissidentes, e não apenas a bandos de fanáticos, como a Al-Qaesda de bin Laden. Pelo contrário, estão dispostos a chamar os seus próprios terroristas “lutadores pela liberdade” – ver Mentira número 3 -. Talvez muitos deles sejam transformados em “terroristas” de novo, dentro de alguns anos.

É um jogo doentio e uma charada, e o governo está manipulando o próprio desgosto e ira verdadeira do povo dos EUA, após as atrocidades de 11 de setembro, para os enganar novamente. Não acreditem em nenhuma dessas mentiras por um minuto sequer.    

Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

Nenhum comentário: