sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Lava Jato é conseqüência do fim do Estado de Direito


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Milton Pires

Depois daquilo que o STF fez, ou melhor, deixou de fazer no caso do marginal e gângster de Alagoas, Renan Calheiros, estas pessoas na foto ainda devem ser consideradas "criminosas" ou "loucas"?? Ou melhor, vou mudar a pergunta deixando simplesmente a dúvida se são "loucas ou não" já que, para ser considerado criminoso, você precisa viver num país onde IMPERA A LEI. 

Existe Lei no Brasil ?? Pra quem ??

Uma vez eu já escrevi, e agora repito, que pedir e ser a favor de uma Intervenção Militar é a mesma coisa que pedir e gostar de um "tratamento de canal no dente". Disse também que uma Intervenção não é algo a ser "pedido" - é algo que vem em consequência do caos, mas isto é muito diferente de ser CONTRA e de ATACAR, publicamente, a ideia da Intervenção invocando aquilo que aconteceu depois de 1964.

Não precisamos falar em Intervenção: ela virá sozinha. O momento é de falar no CAOS provocado pelo FIM do Estado de Direito, ou alguém ainda vai querer dizer que "estamos numa Democracia e que existe o tal Estado?? Vai me acusar de, ao fazer estas perguntas, estar "instigando", "convocando" uma Intervenção Militar ??

Meus caros amigos, eu já pedi por Intervenção e já deixei isto para trás. Abandonei a ideia de discursar na frente dos quartéis quando o Comandante do Exército Brasileiro fez um vídeo debochando dos grupos de Intervenção e prestou continência para um marginal do PC do B como Aldo Rebelo. 

Isso não muda NADA. O fato de pedir ou não pelas Forças Armadas é irrelevante. A Intervenção virá. Digo apenas que parem de chamar as pessoas de "loucas" e não as expulsem mais das Manifestações como faziam em 2014. Lembrem: vocês vão passar vergonha defendendo uma solução dentro da "Lei" e da "Democracia" que NÃO existe mais !!! Regimes Democráticos podem ser parados com Revoluções mas Revoluções não podem ser paradas "democraticamente".

O Brasil vive, há décadas, uma Revolução Cultural Marxista financiada pela corrupção e pelo narcotráfico: não há solução dentro da Lei capaz de parar tal fenômeno histórico. 

"Ah, mas e todo trabalho do Dr. Sérgio Moro e da Força Tarefa da Operação Lava Jato?? Eles não são a PROVA de que ainda existe Lei funcionando no Brasil??"

NÃO, não são, não !!! Não existe "ainda um pouco de Lei e de Democracia funcionando" - ou eles EXISTEM COMPLETAMENTE,  OU NÃO !!!!

A mera presença (na verdade a emergência) da Força Tarefa da Operação Lava Jato não é a prova de que "ainda existe Estado de Direito", é a prova de que ele acabou !!! 

Numa Democracia e num verdadeiro Império da Lei e da Constituição, a Lava Jato sequer existiria - ela não seria necessária. 

No post anterior eu disse que ela, a Força Tarefa, era a "última esperança de justiça". Isso é verdade, sim, mas esperança de um "renascimento" da Justiça;  não de uma continuidade dela.


Milton Simon Pires é Médico.

4 comentários:

Cavallier Bus disse...

Perfeita análise, Milton.

E também não teríamos contrabando de nióbio.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

Dr.Milton: Para "variar",mais uma vez fecho integralmente com o raciocínio de Vossa Excelência,um dos poucos pensadores livres que têm por hábito e a coragem de colocar a "própria cabeça em risco" para escrever o que pensa. De fato o tal de "Estado-de-Direito" foi definitivamente aniquilado neste país em estado terminal. Dediquei-me a esse mesmo tema no texto "O ESTADO DE DIREITO ATROPELADO NO BRASIL",disponível aqui mesmo no blog do "Alerta Total".

Fabiano Santos disse...

Excelente texto. Este é o sentimento de todo brasileiro, que ainda tem um pingo de vergonha na cara.

Anônimo disse...

Doutor Milton.
O fake Estado de Direito subsistia no País, pois muitos acreditavam que o Poder Judiciário ainda poderia auxiliar na reabilitação da democracia.
Agora, todos podem ver o grau de submissão daquele poder aos outros dois podres poderes, demonstrando que, realmente, está tudo dominado pela Organização Criminosa Esquerdopata.
Lamentável.
Será que os entes que poderia intervir nessa bagunça não estariam, também, cooptados?