domingo, 15 de janeiro de 2017

Cármen Lúcia, Presidente


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Elio Gaspari

Havia um vazio em Brasília e ele foi ocupado pela ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal. Pudera, está no Planalto o vice de uma governante deposta, cujo futuro depende de um julgamento do TSE. Do outro lado da praça, há um Senado presidido por Renan Calheiros e uma Câmara até bem pouco tempo comandada por Eduardo Cunha.

Na teoria, a posição da ministra deriva de um rodízio gregoriano. Na prática, a mineira miúda e frugal sentou-se na cadeira com disposição para iniciativas audaciosas, cenografias batidas (depois do massacre do Compaj foi a Manaus e criou um grupo de trabalho), retórica bíblica (“Quem tem fome de justiça tem pressa”) e atitudes angelicais (no dia da Criança recebeu um grupo de meninos e meninas carentes).

Em apenas cinco meses Cármen Lúcia deu nova dimensão à presidência do tribunal. Ora com frases retumbantes: “Onde um juiz for destratado, eu também sou”. Ora com raciocínios cortantes: a questão não é se devemos bloquear celulares nos presídios, eles não podem é entrar.

Sua linguagem direta serviu para expôr privilégios salariais de magistrados: “Além do teto, tem cobertura, puxadinho e sei lá mais o quê”. Piorando o estilo com pitadas de juridiquês, também disse o contrário:
“Confundir problemas, inclusive os remuneratórios, que dispõem de meios de serem resolvidos, com o abatimento da condição legítima do juiz, é atuar contra a democracia, contra a cidadania que demanda justiça, contra o Brasil que lutamos por construir”.

Em outubro a ministra recusou-se a participar de uma reunião com Temer no Planalto. Em janeiro Temer foi à sua casa para discutir encrencas. O maior sinal de que Cármen Lúcia ocupou um poder vacante esteve no caso da falência do Rio de Janeiro e no bloqueio de suas contas pelo governo federal. A decisão do ministro Henrique Meirelles estava amparada na santidade dos contratos. A ministra, no plantão do recesso, concedeu uma liminar suspendendo o bloqueio e tirando a bola de ferro do tornozelo do governador Pezão. Criado o impasse, Meirelles topou sentar para conversar e, aos poucos, os dois lados vêm cedendo. Podiam ter feito isso antes.

O desembaraço e a exposição conseguidos pela ministra seriam apenas um asterisco se o nome dela não estivesse na lista de prováveis candidatos a presidente da República. Numa eventual eleição indireta para substituir Temer, com certeza. Na disputa de 2018, talvez.


Elio Gaspari é Jornalista. Originalmente publicado em O Globo em 15 de janeiro de 2017. 

3 comentários:

Anônimo disse...

A Ministra e, possível presidenTA, parece que vive no "soninho" da tarde. Só acorda com os "sustos" das últimas tragédias nacionais. Tanto poder em uma só pessoa que tem um tsunami de processos para avaliar e julgar, com a "eficiência" da burocracia brasileira, não vejo solução para nada. Vai ser obrigada a tomar a decisão que todos já esperam: Acionar as Forças Armadas.

Anônimo disse...

Esperar que uma ministra (comunista)... acionar as forças armadas... Acho que não, nem mesmo o "presidentinho árabe", nem mesmo os politiCUzinhos venezuelanos e cubanos (com documentação brasileira), o farão...

Mas... espere ! O Trump vai entrar e reativar a "CIA"... Sim... É claro !
Os EUA irão ativar as Forças Armadas Brasileiras...
Sim eles conseguem...

CRIArte disse...

Prezados Amigos! Vivemos as últimas horas da Igreja e de sociedade decaída pelo pecado aqui nesta terra. Não sejamos insensatos e ingênuos,quanto a solução do Brasil e do mundo. Sobretudo, porque, acredito ser impossível uma transformação social, com apenas 6% da população mundial detendo 80% de toda a riqueza do planeta. Na verdade,os desejos impossíveis brotam ainda na infância, dentro de uma lar destruído em uma família desestruturada por um estado que serve ao próprio anticristo em suas ações e práticas. Quando a Bíblia que o mundo jaz no maligno, isso não é utopia é a mais cristalina e dura realidade e verdade.
Não existe saída política e financeira para o mundo e seus sistema globalizado na pobreza e miséria, essa sim é a única democracia que podemos compartilhar e viver, porque, do contrário, porque, não democratizar a riqueza, a justiça social e o amor ao próximo? Isso não é possível, devido ao poder mundial se encontrar nas mãos de que, se opõe a Deus e aos ensinos do evangelho de Jesus Cristo. O terreno do anticristo já está pronto em sua plenitude, o que vemos e assistimos nos últimos dias são simulados da grande tribulação após o arrebatamento da igreja. Basta olharmos para os decapitados no norte do país pelas rebeliões dos presídios. Conhecemos um mestre em rebelião, ele é conhecido pela alcunha de lúcifer, que um dia foi o filho da luz e hoje é o pai da trevas.
Como para ele não há mais volta ou concerto, seu intento é destruir o que Deus mais ama, que sou EU e VOCÊ. Ainda há um refugio para o povo de Deus. " Entrega o teu caminho ao SENHOR, confie nele, e ele tudo fará! " Por mim, por você, por sua família e por toda a nossa Nação! Feliz é a nação cujo Deus é o seu Senhor e Condutor!