quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Eike deve entregar gravações de 47 políticos com quem colaborou no esquema de Cabralzinho


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Eike Batista entregou aos seus defensores, nos Estados Unidos, chips com gravações de imagens e diálogos com 47 políticos com os quais ele colaborou no esquema comandado por Sérgio Cabral Filho. Eike também tem um dossiê completo para o Ministério Público Federal. Embora seu advogado negue, Eike partirá mesmo para aquela que tem tudo para ser a colaboração premiada de maior repercussão da Lava Jato. As delações da Odebrecht e as aguardadas revelações da Queiroz Galvão e Camargo Correa tendem a ser muito mais brandas que a de Eike – que agora não tem pressa para “cumprir sua missão”.

Preso em Bangu 9, Eike prestou ontem seu primeiro depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal. A prisão dele obriga Serginho Cabral a correr com a esperada delação premiada. Se Cabral demorar, pode ser atropelado pelas revelações do super-bem-informado parceiro. Eike ainda espera tirar proveito de uma mudança de imagem: de ex-bilionário que falhou em negócios para aquele que se tornou “herói” por delatar os integrantes da maior organização criminosa brasileira. A estratégia de Eike é comandada por seu pai, Eliezer Batista, e por seu filho Thor – que tem 25 empresas com capital total de R$ 1,1 bilhão.

A quarta-feira promete... O Supremo Tribunal Federal deve definir quem será o relator da Lava Jato. O ministro Edson Fachin muda de turma e entra no sorteio que definirá quem vai segurar a bomba. No Senado, Eunício de Oliveira deve ser escolhido presidente. Renan Calheiros, por aclamação, agora é líder do PMDB. Na Câmara, todo o circo está armado para a reeleição de Rodrigo Maia na presidência. O ministro Celso de Mello não deve interferir na eleição do Legislativo, decidindo que as broncas devem ser resolvidas pelos parlamentares.

Herói do pai

Lembrança permanente



Tudo revirado



Peça Tupiniquim



Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 1º de Fevereiro de 2017

9 comentários:

Loumari disse...

França: Escândalo com candidato da direita às eleições presidenciais
François Fillon, o candidato que ganhou as primárias da direita francesa, está a ser investigado pela justiça por ter pago 600 mil euros à esposa por um emprego no parlamento onde ela nunca trabalhou.

François Fillon é um destacado político do partido de direita Les Républicains (ex-UMP e ex-RPR), desde 1981. Foi durante vários mandatos deputado, presidente de Câmara, Presidente de Conselho Regional, ministro (entre 1993 e 1997 e entre 2002 e 2007) e primeiro-ministro entre 2007 e 2012, durante a presidência de Nicolas Sarkozy. Em novembro passado, foi escolhido em primárias candidato da direita francesa às presidenciais de 2017, derrotando Alain Juppé e Nicolas Sarkozy.

Fillon cria falso emprego no parlamento para a mulher
A denúncia foi feita nesta quarta-feira pelo semanário Le Canard Enchaîné(link is external). Segundo o jornal, François Fillon deu emprego à sua mulher, a inglesa Penelope Fillon, como assessora parlamentar, durante vários anos. Segunda a denúncia ela terá recebido no total 600.000 euros, mas nunca terá tido qualquer trabalho no parlamento. O jornal sublinha que ninguém conhecia Penelope como assessora parlamentar, ou se cruzou com ela no trabalho.

O jornal refere que Penelope terá recebido um vencimento bruto de 3.900 euros mensais, entre 1998 e 2002, e 4.600, durante seis meses de 2012, como assistente parlamentar do marido, enquanto ele era deputado. Entre 2002 e 2007, Penelope receberia 7.900 euros brutos mensais como assessora do deputado Marc Joulaud, que substituiu Fillon, enquanto este era ministro.

Um porta-voz do candidato da direita às presidenciais francesas negou que o emprego de Penelope Fillon fosse fictício, posteriormente o próprio candidato negou qualquer irregularidade e acusou o jornal de misoginia. Fillon tinha feito da defesa da transparência, um elemento essencial da sua campanha.

A justiça francesa está a investigar o candidato por “uso indevido de fundos públicos”.

http://www.esquerda.net/artigo/franca-escandalo-com-candidato-da-direita-eleicoes-presidenciais/46640

Loumari disse...

Esquerda francesa vota, enquanto direita luta contra escândalo
Por Michel Rose e Marine Pennetier

PARIS (Reuters) - Um novo capítulo foi aberto na acirrada eleição presidencial da França neste domingo, quando os Socialistas votam para escolher seu representante e os conservadores lutam para manter no caminho certo sua campanha afetada por escândalos .

As urnas abriram às 6:00 (horário de Brasília) na disputa primária que coloca o ex-primeiro ministro Manuel Valls contra o legislador esquerdista mais rígido Benoit Hamon pela chapa socialista.

François Fillon - escolhido como candidato conservador ano passado pelo seu partido Republicano, mas afetado pela acusação de um jornal de que sua mulher foi paga por um trabalho não executado - realizou por sua vez um comício nos arredores de Paris.

Hamon é favorito para vencer Valls na primária socialista, apesar de o resultado ainda ser incerto porque qualquer eleitor pode participar.

Até a metade do dia, o grande comparecimento que Valls havia pedido parecia provável, com meio milhão de pessoas participando da eleição primária, de acordo com os organizadores, já acima das 400 mil do primeiro turno na semana passada.

Nenhum dos dois tem muita chance de vencer a corrida presidencial, no entanto, depois de cinco anos de um impopular governo socialista.

Até o surgimento da questão envolvendo pagamentos a sua esposa, Fillon era favorito para assumir o palácio do Eliseu. Pesquisas de opinião mostravam que ele derrotaria a líder da Frente Nacional, de extrema direita, Marine Le Pen, na votação em 7 de maio com confortável vantagem de dois terços.

Desde então as pesquisas de popularidade mostraram ligeira queda dele, embora não tenha havido pesquisa sobre intenções de voto desde o surgimento do escândalo.

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2017/01/29/esquerda-francesa-vota-enquanto-direita-luta-contra-escandalo.htm

Loumari disse...

A direita francesa à beira do colapso
O ex-presidente conservador francês enfrenta sete investigações judiciais enquanto a UMP arrasta um caminhão de dívidas, escândalos de corrupção, brigas por liderança e vazio político.

Os dias parecem contados, para o melhor ou o pior. Não se sabe quem salvará quem ou talvez quem acabará afundando o outro: se o ex-presidente Nicolas Sarcozy acabará por afundar o partido que ele mesmo fundou, a UMP, ou se a União por um Movimento Popular arrastará o ex-mandatário à ruína política. Ambos estão à beira de um colapso.

A UMP carrega um caminhão de dívidas, escândalos de corrupção, brigas por liderança e um vazio político que conduziram ao pior momento de sua história depois de ter governado o país durante muitos anos. Em meio a sete investigações judiciais em curso, uma prisão e a posterior acusação por “corrupção ativa”, “tráfico de influências” e “violação do segredo de instrução”, Sarkozy ativou o cronômetro de seu retorno ao primeiro plano após dois anos de relativa discrição. O ex-presidente sonha com a sua volta liderando a direita e ganhando as eleições presidenciais de 2017. Mas tem muitos problemas judiciais e adversários pela frente. O primeiro é seu próprio partido, a UMP, que está em falência econômica e assediada pelas investigações policiais.


O segundo, seus adversários, também estão em seu partido: o ex-primeiro-ministro e também ex-chanceler Alain Juppé, ou o ex-chefe do Executivo de Sarkozy François Fillon. Ambos disputam com Sarkozy o sonho presidencial enquanto o partido não consegue sair dessa herança de dívidas e artimanhas deixadas por Sarkozy como presente após a infrutífera campanha para sua reeleição, em 2012.

Há um clima geral de fim de etapa, um rumor de sentença final. Por um lado, o atual primeiro-ministro, Manuel Valls, adverte que “sim, a esquerda pode morrer”, por outro, a direita se desgarra entre escândalos, passivos financeiros e acerto de contas. Uma auditoria interna noticiada pela imprensa revelou que o partido sarkozista tem uma dívida de 80 milhões de euros e que, mais uma vez, não poderá fazer frente a seus compromissos bancários. O redemoinho gira em torno da mesma figura: Nicolas Sarkozy e os gastos de campanha para a sua reeleição.

Continua

Loumari disse...

No início de 2012, o banco Société Générale emprestou 55 milhões de euros para a União por um Movimento Popular. Mas Sarkozy perdeu a presidência para François Hollande. Logo depois, a comissão encarregada de verificar as contas das campanhas eleitorais recusou reembolsar os gastos (11 milhões euros) ao presidente derrotado porque havia ultrapassado os limites autorizados (23 milhões de euros contra os 21,3 milhões de euros fixados pela lei). Seu partido não recuperou o dinheiro e, ainda por cima, está-se descobrindo que a multa de 363.615 euros que o Estado cobra de Sarkozy pelos gastos excessivos de sua campanha foi abonada pela UMP, coisa que a lei não permite. Foi o primeiro ato.

Segundo as contas publicadas pelo portal Mediapart, Sarkozy gastou 39 milhões de euros. O segundo apareceu há algumas semanas, quando se descobriu que, pare financiar a luxuosa campanha eleitoral de Sarkozy além do permitido, a UMP recorreu a um sistema de faturas faltas e prestações inexistentes, montado por meio da empresa Bygmalion e a suas filiais. Um total de cerca de 20 milhões de euros a mais assumidos pelo partido mediante uma bateria de contratos de corte
duvidoso.

Segundo o jornal Libération, Sarkozy gastou 1200 euros na instalação de um banheiro privado durante um comício na localidade de Burdeos, e outros 3400 na montagem de um camarim pessoal. Outras cifras alucinantes: 3400 euros mensais pela simples hospedagem de um portal de internet (isso custa, em geral, entre 5 e 40 euros; 172.415 euros pagos à Bygmalion pelo envio mensal de um boletim de informações via internet; 680 mil euros abonados pelo grupo UMP na Assembleia Nacional pela concepção e manutenção do portal de internet. A isso se somam salários de executivos, passagens de avião da esposa do ex-chefe da UMP Jean-François Copé e um sem-número de contratos pactuados com a empresa Bygmalion, cujos dirigentes são ligados a Copé (o dirigente teve que renunciar devido a esse escândalo).

Um enorme buraco negro se estende ao campo político. A UMP carece de chefe, de ideias, de plataforma e de credibilidade. Conserva seus militantes, convencidos de que as tribulações judiciais de Nicolas Sarkozy são o resultado de um complô orquestrado por juízes vermelhos e socialistas vingativos. Logo depois de ficar detido durante quinze horas e de ser acusado, o ex-presidente se apresentou na televisão para lançar às telas este argumento: o de uma vítima inocente que caiu
nas garras da “instrumentalização política de uma parte da Justiça”.

Continua

Loumari disse...

Seus eleitores acreditaram. Marc Lazar, historiador e professor de Ciências Políticas, comentou no semanário Le Nouvel Observateur que o ex-chefe de Estado “transforma as ações judiciais contra ele em um recurso político”. Muito hábil. O mesmo foi feito por Silvio Berlusconi na Itália. No entanto, o que sai dos tribunais é um prontuário denso: sete casos que vão desde irregularidades no financiamento de sua campanha eleitoral de 2007 e 2012, passando por contratos suspeitos com empresas que fazem pesquisas de opinião, até o suposto arranjo privado que obrigou o Estado a indenizar o empresário Bernard Tapie com 400 milhões de euros.

O que lhe custou a acusação por “corrupção ativa”, “tráfico de influência” e “violação do segredo de instrução” foi o caso dos fundos com os quais o falecido líder líbio Muammar Khadafi havia contribuído para sua campanha em 2007. Nas investigações sobre esse dossiê, a Justiça interceptou as comunicações telefônicas de Sarkozy. A polícia tem a certeza de que o advogado de Sarkozy, Thierry Herzog, montou uma rede de gargantas profundas nos tribunais para obter informação em primeira mão sobre a evolução das causas em que o dirigente político estava sendo investigado.

Mas nada parece deter as ambições deste homem veloz. Seus argumentos sobre uma conspiração contra ele caíram como palavras santas nos ouvidos de parte do eleitorado. De acusado pela Justiça, ele saiu com a aura de vítima, empenhado em reconquistar o trono perdido. Pode ser ilusório ou uma aventura fantástica em um teatro que se presta a tudo: um partido que Sarkozy deixou em ruínas, sem rumo ideológico; a Justiça farejando seus passos; uma esquerda que desaparece e uma ultradireita que cresce com a brisa da crise de confiança sobre os partidos e as instituições; e o desemprego e o medo que sempre acompanham esses momentos de fim de jogo.

Tradução: Daniella Cambaúva

http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/A-direita-francesa-a-beira-do-colapso/6/31349

Loumari disse...

117117E    EMBRAER/LAM BRIBE: INVESTIGATIONS “AT AN ADVANCED STAGE”

Maputo, 31 Jan (AIM) – Mozambique’s Central Office for the Fight Against Corruption (GCCC) on Tuesday announced that it has requested from Brazil the documents concerning the bribe paid by the Brazilian aircraft manufacturer Embraer in 2009 to Mozambican officials to secure the purchase of Embraer aircraft  by Mozambique Airlines (LAM).

The spokesperson for the GCCC, Eduardo Sumana, told reporters “we should mention that the facts in question occurred in four countries, Right now we are at an advanced stage and the countries have responded positively to our requests”.

The four countries concerned must be Brazil and the United States, where Embraer confessed to paying bribes and was fined 225 million US dollars, Sao Tome and Principe, where a shell company was set up to handle the bribe, and Portugal where this company had an account where the money was paid.

According to the documents from the Brazilian Federal Prosecutor’s office, the bribe was demanded by the then chairperson of the LAM board, Jose Viegas, and Mateus Zimba, then the Mozambique representative of the South African petrochemical company Sasol, was the intermediary who set up the shell company, named Xihevele and registered in Sao Tome, that handled the 800,000 dollar bribe.

Xihevele sent Embraer two invoices for 400,000 dollars each, and the money was paid into the Xihevele account in Portugal. From Embraer’s viewpoint the bribe appeared successful, since it resulted in LAM acquiring two Embraer-190 planes, for 32 million dollars each.

Sumana said the GCCC is now investigating all the staff employed by LAM in 2008-2009, and third parties involved in the acquisition of the Embraer aircraft.

This goes beyond the 800,000 dollar bribe paid by Embraer. Sumana said there are suspicions of criminal mismanagement of the payments made by LAM in the expansion of its fleet of aircraft.

As for the second scandal involving a Brazilian company, Sumana said the GCCC expects to obtain from the Brazilian authorities the names of the Mozambican officials who took a bribe of 900,000 dollars from the construction company Odebrecht.  “We believe that by May we will have the identities of the people involved”, he said.

As in the Embraer case, it was the US authorities who first investigated Odebrecht, establishing that the company had paid bribes to guarantee contracts for over 100 projects in a dozen countries (Mozambique, Angola, Argentina, Brazil, Colombia, Dominican Republic, Ecuador, Guatemala, Mexico, Panama, Peru and Venezuela).

The 900,000 dollar bribe paid to as yet unnamed Mozambicans, during the period of the government of President Armando Guebuza, appears to have been connected with the construction of an international airport at Nacala, on the northern coast. The conversion of the old Nacala air base into an international airport cost 200 million dollars – and appears to have been a spectacular waste, since the only airline flying to Nacala is LAM.

It was hoped that Nacala would be a hub, linking southern Africa and the Middle East, but to date no international airlines have shown any interest in Nacala.

The bribery scandal could break Odebrecht. The company must pay fines of at least 2.6 billion dollars. Two of the countries where Odebrect paid bribes – Peru and Panama – have put Odebrecht on a black list of companies barred from taking part in tenders, and others might follow.
(AIM)
Ht/pf (552)

Anônimo disse...

EM ATO DE MONSTRUOSIDADE MORAL, LULA USA AVC DA PRÓPRIA MULHER PARA PROSELITISMO POLÍTICO.
AQUI:
HTTP://RODRIGOCONSTANTINO.COM/ARTIGOS/EM-ATO-DE-MONSTRUOSIDADE-MORAL-LULA-USA-AVC-DA-PROPRIA-MULHER-PARA-PROSELITISMO-POLITICO/

Anônimo disse...

Conversinha pra boi dormir, nada cairá nas costas de Weike, essa historinha vem de longe e é igualzinha do Herminio de Moraes, Exploram os minérios, não, são testas de ferro da máfia, com articulações das FFAA, Politicos, Judiciario e maçonaria estão nesta roubalheira desde 1959, e a cagada foi a rasteira que Weite quis aplicar na máfia, mas igualzinho seu pai vai sair dessa como santo... Enfiaram a Valle do Rio Doce no cú e a Petrobras não enfiaram por em quanto... O plano de que os trabalhadores terão seus direitos exterminados está prestes a ser executado, mas os integrantes da máfia ficarão cada vez mas intocáveis... Sem a modificação na lei da magistratura e sem uma policia especializada para findar com essa máfia esse estelionato nunca acabara...

Anônimo disse...

O PMDB, mexe, remexe e continua PMDB. Os mesmos. Esse "barco" vai afundar igual ao PTinic. Quero ver a correria para o INCOR quando as útimas delações não forem mais secretas.