segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Raiva ou Compaixão


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Renato Sant’Ana

Nada proíbe Lula e seus pares de virem a ter manifestações dignas. Mas não há como negar o que já fizeram. Tão logo foi diagnosticado o AVC que acometeu Marisa Letícia, petistas ensaiaram a mais impudente e populista demagogia: tentaram transformar a doente em vítima de imaginárias articulações escusas; o PT, em perseguido; e a equipe da Lava Jato, em ação arbitrária.

O híbrido de capanga e Sancho Pança Paulo Okamoto teve o peito de alardear que a causa do AVC foi Marisa Letícia "Ter o marido e os filhos perseguidos injustamente" na Lava Jato (Okamoto também é réu). Nas "redes sociais", militantes seguiram no mesmo tom. E Lula não teve compostura nem no velório da esposa. Eles não respeitam nem o rito da
morte.

O abuso petista torna imperioso evocar esclarecimentos para impedir que a mentira ganhe foro de verdade, quando o ideal seria fazer o silêncio introspectivo necessário a que enxerguemos o lado humano de pessoas a quem se fazem tantas restrições.

Breves esclarecimentos

Moro julgará com a lei ou com a testa? Em 16/01/2017, levantamento da Folha de S. Paulo (pasquim bolivariano) informou que, de 83 condenações sentenciadas por Sergio Moro, houve 23 apelações analisadas pelo Tribunal Regional Federal (TRF-4). Dos 23 recursos, oito tiveram as penas mantidas; três, as penas diminuídas; outros oito, endurecidas; e apenas quatro tiveram absolvição. Para a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) o índice de confirmação das decisões na segunda instância revela a "isenção e capacidade" de Sergio Moro.

Em 24/01/2017, matéria assinada por André de Souza em O Globo oferece detalhado levantamento de recursos julgados no STF (cheio de ministros nomeados por Lula e Dilma), mostrando que a esmagadora maioria das decisões de Moro são confirmadas. Somam 59 os habeas corpus e recursos em habeas corpus julgados: 48 foram rejeitados; seis, rejeitados em parte; e cinco estão tramitando. Os pedidos mais comuns são para revogar prisão e suspender investigações conduzidas por Moro que, como se vê, tem o seu trabalho reconhecido nas instâncias superiores. (Há outros números, TODOS a favor de Moro.)

Fará sentido culpar o sistema penal pelo infausto acontecimento? Há mais de uma década, Marisa Letícia, que já era HIPERTENSA, teve diagnosticado o aneurisma. Nem assim, ela abandonou o cigarro, o que, associado ao seu sedentarismo, deve ter antecipado o colapso. Mas isso é a vida privada, ninguém tem nada que ver.

Os sentimentos da pessoa

Naturalmente, é plausível supor que estivesse muito abalada com o fato de ser, ela mesma, acusada em ação judicial, ver o marido figurando como réu em cinco processos e saber que os filhos também estão na mira da justiça. Ainda assim, é por demais desonesto e nada inteligente o que petistas fizeram: inventar culpados para o AVC e tentar obter dividendos partidários com a morte.

Resposta civilizada

É previsível que alguém, tendo, a um só tempo, "esclarecimento" e "boa-fé", repudie o "modus operandi" do petismo. Mas é improvável que, reunindo tais qualidades, alguém ignore este preceito basilar da civilização: não cabe, em nenhuma hipótese, celebrar o sofrimento alheio. Faça-se, pois, uma autocrítica: será que vamos permitir que a beligerante atitude petista contamine a nossa espiritualidade?

Admitiremos que nos afetem a capacidade de sentir compaixão? Será razoável ter uma postura (embora em oposição) semelhante àquela que repudiamos? Aceitaremos tornar-nos tributários de um "regime do ódio"? Que sociedade e que tipo de ser humano idealizamos?

Claro, a tentativa de produzir um mito, fazendo de dona Marisa mártir e heroína ao mesmo tempo (versão brasileira de Evita Perón) chega a ser ofensiva, encenação que não colou: para a grande maioria dos brasileiros, já "caiu a ficha" em relação à esquerda dogmática. Mas tudo isso enseja, acima de tudo, pôr-se em prática aquilo que não existe nos movimentos revolucionários (no petismo inclusive): a compaixão pelo sofrimento alheio, assim como tantos outros valores elevados e inegociáveis que consolidam um padrão ético de convivência. Resta-nos, pois, escolher: abraçar nossos valores e avançar no processo civilizatório ou, o que seria lamentável, permitir nossa própria degradação espiritual.

Renato Sant'Ana é Psicólogo e Bacharel em Direito.

Nenhum comentário: