sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Registros Históricos

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

São registros históricos que comprovam a veracidade do que dizemos quase que diariamente. Quem diz o contrário é ignorante, por não ter nascido naquela época e não haver estudado a História verdadeira (com agá maiúsculo), ou por ser mal intencionado mesmo, como sói ser a camarilha do PT, instalada nos governos durante 13 anos!  
 
Via Blog da BR História

Depois da revelação de que o governo norte-americano patrocinou, com armas e dólares, a implantação da ditadura de 1964, um pesquisador se deu ao trabalho de coletar e divulgar na internet uma lista das manchetes e editoriais dos principais jornais brasileiros a partir de 1º de abril de 1964. Confira:

De Norte a Sul vivas ao golpe (contra-golpe)

“Desde ontem se instalou no País a verdadeira legalidade [...] Legalidade que o caudilho não quis preservar, violando-a no que de mais fundamental ela tem: a disciplina e a hierarquia militares. A legalidade está conosco e não com o caudilho aliado dos comunistas.”

Editorial do Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 1º de abril de 1964


“Multidões em júbilo na Praça da Liberdade. Ovacionados o governador do Estado e chefes militares. O ponto culminante das comemorações que ontem fizeram em Belo Horizonte, pela vitória do movimento pela paz e pela democracia foi, sem dúvida, a concentração popular defronte ao Palácio da Liberdade. Toda área localizada em frente à sede do governo mineiro foi totalmente tomada por enorme multidão, que ali acorreu para festejar o êxito da campanha deflagrada em Minas [...], formando uma das maiores massas humanas já vistas na cidade.”

O Estado de Minas – Belo Horizonte – 2 de abril de 1964


Os bravos militares

“Salvos da comunização que celeremente se preparava, os brasileiros devem agradecer aos bravos militares que os protegeram de seus inimigos [...] Este não foi um movimento partidário. Dele participaram todos os setores conscientes da vida política brasileira, pois a ninguém escapava o significado das manobras presidenciais.”

O Globo – Rio de Janeiro – 2 de abril de 1964


Carnaval nas ruas

“A população de Copacabana saiu às ruas, em verdadeiro carnaval, saudando as tropas do Exército. Chuvas de papéis picados caíam das janelas dos edifícios enquanto o povo dava vazão, nas ruas, ao seu contentamento.”

O Dia – Rio de Janeiro – 2 de abril de 1964


Escorraçado

“Escorraçado, amordaçado e acovardado, deixou o poder como imperativo de legítima vontade popular o senhor João Belchior Marques Goulart, infame líder dos comuno-carreiristas-negocistas-sindicalistas. Um dos maiores gatunos que a história brasileira já registrou, o senhor João Goulart passa outra vez à história, agora também como um dos grandes covardes que ela já conheceu.”

Tribuna da Imprensa – Rio de Janeiro – 2 de abril de 1964


A paz alcançada

“A vitória da causa democrática abre o País a perspectiva de trabalhar em paz e de vencer as graves dificuldades atuais. Não se pode, evidentemente, aceitar que essa perspectiva seja toldada, que os ânimos sejam postos a fogo. Assim o querem as Forças Armadas, assim o quer o povo brasileiro e assim deverá ser, pelo bem do Brasil.”

Editorial de O Povo – Fortaleza – 3 de abril de 1964


Ressurge a Democracia!

“Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente das vinculações políticas simpáticas ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é de essencial: a democracia, a lei e a ordem. Graças à decisão e ao heroísmo das Forças Armadas que, obedientes a seus chefes, demonstraram a falta de visão dos que tentavam destruir a hierarquia e a disciplina, o Brasil livrou-se do governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições [...]. Como dizíamos, no editorial de anteontem, a legalidade não poderia ter a garantia da subversão, a âncora dos agitadores, o anteparo da desordem. Em nome da legalidade não seria legítimo admitir o assassínio das instituições, como se vinha fazendo, diante da Nação horrorizada.”

O Globo – Rio de Janeiro – 4 de abril de 1964


“Milhares de pessoas compareceram, ontem, às solenidades que marcaram a posse do marechal Humberto Castelo Branco na Presidência da República [...]. O ato de posse do presidente Castelo Branco revestiu-se do mais alto sentido democrático, tal o apoio que obteve.”

Correio Braziliense – Brasília – 16 de abril de 1964


“Vibrante manifestação sem precedentes na história de Santa Maria para homenagear as Forças Armadas. Cerca de 50 pessoas na Marcha Cívica do Agradecimento.”

A Razão – Santa Maria – Rio Grande do Sul – 17 de abril de 1964


“Vive o País, há nove anos, um desses períodos férteis em programas e inspirações, graças à transposição do desejo para a vontade de crescer e afirmar-se. [...] Negue-se tudo a essa revolução brasileira, menos que ela não moveu o País, com o apoio de todas as classes representativas, numa direção que já a destaca entre as nações com parcela maior de responsabilidades.”

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 31 de março de 1973


“Sabíamos todos que estávamos na lista negra dos apátridas – que se eles consumassem os seus planos, seriamos mortos. Sobre os democratas brasileiros não pairava a mais leve esperança, se vencidos. Uma razzia de sangue vermelha como eles, atravessaria o Brasil de ponta a ponta, liquidando os últimos soldados da democracia, os últimos paisanos da liberdade”

O Cruzeiro Extra – 10 de abril de 1964 – Edição Histórica da Revolução – “Saber  Ganhar” – David Nasser


“Golpe? É crime só punível pela deposição pura e simples do Presidente. Atentar contra a Federação é crime de lesa-pátria. Aqui acusamos o senhor João Goulart de crime de lesa-pátria. Jogou-nos na luta fratricida, desordem social e corrupção generalizada”.

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 1º de abril de 1964


“Participamos da Revolução de 1964 identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, ameaçadas pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada”.( Editorial do jornalista Roberto Marinho, publicado no jornal).

O Globo – Rio de Janeiro – 7 de outubro de 1984, sob o título: “Julgamento da Revolução”


“[...] cuja subversão além de bloquear os dispositivos de segurança de todo o hemisfério, lançaria nas garras do totalitarismo vermelho, a maior população latina do mundo [...]”

Folha da Tarde – São Paulo – 31 de março de 1964 – Do editorial: A grande Ameaça


“O Brasil já sofreu demasiado com o governo atual. Agora, basta!”

Correio da Manhã – São Paulo – 31 de março de 1964 – Do editorial: Basta!


“Quem quisesse preparar um Brasil nitidamente comunista não agiria de maneira tão fulminante quanto a do senhor João Goulart a partir do comício de 13 de março [...]”

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 31 de março de 1964


“Só há uma coisa a dizer ao senhor João Goulart: Saia!”

Correio da Manhã – São Paulo – 1º de abril de 1964 – Do editorial: Fora!


“Minas desta vez está conosco [...] dentro de poucas horas, essas forças não serão mais do que uma parcela mínima da incontável legião de brasileiros que anseiam por demonstrar definitivamente ao caudilho que a nação jamais se vergará às suas imposições.”

O Estado de S.Paulo – São Paulo – 1º de abril de 1964, sob o título “São Paulo Repete 32”


“[...] atendendo aos anseios nacionais de paz, tranqüilidade e progresso… As Forças Armadas chamaram a si a tarefa de restaurar a Nação na integridade de seus direitos, livrando-a do amargo fim que lhe estava reservado pelos vermelhos que haviam envolvido o Executivo Federal.”

O Globo – Rio de Janeiro – 2 de abril de 1964, sob o título “Fugiu Goulart e a democracia está sendo restaurada”


“Lacerda anuncia volta do país à democracia.”

Correio da Manhã – São Paulo – 2 de abril de 1964


“A Revolução democrática antecedeu em um mês a revolução comunista.”

O Globo – Rio de Janeiro – 5 de abril de 1964


“Feliz a nação que pode contar com corporações militares de tão altos índices cívicos. Os militares não deverão ensarilhar suas armas antes que emudeçam as vozes da corrupção e da traição à pátria.”

O Estado de Minas – Minas Gerais – 5 de abril de 1964


“Pontes de Miranda diz que Forças Armadas violaram a Constituição para poder salvá-la!”

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 6 de abril de 1964


“Congresso concorda em aprovar Ato Institucional”.

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 9 de abril de 1964


“Partidos asseguram a eleição do general Castelo Branco”.

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 10 de abril de 1964


“Rio festeja a posse de Castelo”.

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 16 de abril de 1964


“Castelo garante o funcionamento da Justiça.”

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 18 de abril de 1964


“Castelo diminui nível de aumento aos militares”. Corte propõe aumento aos militares com 50% menos do que tabela anterior”.

Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 21 de abril de 1964

“[...] Sem o povo não haveria revolução, mas apenas um “pronunciamento” ou “golpe” com o qual não estaríamos solidários. [...] nos meses dramáticos de 1968 em que a intensificação dos atos de terrorismo provocou a implantação do AI-5. [...] na expansão econômica de 1969 a 1972, quando o produto nacional bruto cresceu à taxa média anual de 10% [...] naquele primeiro decênio revolucionário, a inflação decrescerá de 96% para 12% ao ano, elevando-se as exportações anuais de 1 bilhão e 300 mil dólares para mais de 12 bilhões de dólares. [...] elevando a produção de petróleo de 175 mil para 500 mil barris diários e a de álcool de 680 milhões para 8 bilhões de litros, e simultaneamente aumentar a fabricação industrial em 85%, expandir a área plantada para produção de alimentos com 90 milhões de hectares a mais, criar 13 milhões de novos empregos, assegurar a presença de mais de 10 milhões de estudantes nos bancos escolares, ampliar a população economicamente ativa de 25 milhões para 45 milhões elevando as exportações anuais de 12 bilhões para 22 bilhões de dólares. [...] há que se reconhecer um avanço impressionante: em 1964 éramos a quadragésima nona economia mundial, com uma população de 80 milhões de pessoas e renda per capita de 900 dólares; somos hoje a oitava, com uma população de 130 milhões de pessoas, e uma renda média per capita de 2500 dólares. [...] Não há memória de que haja ocorrido aqui, ou em qualquer outro país, que um regime de força consolidado há mais de dez anos, se tenha utilizado do seu próprio arbítrio para se auto limitar, extinguindo-se os poderes de exceção, anistiando adversários, ensejando novos quadros partidários, em plena liberdade de imprensa. É esse, indubitavelmente, o maior feito da Revolução de 1964”.


O Globo – Rio de Janeiro – 7 de outubro de 1984 – Do editorial: Julgamento da Revolução

Rio, 20 de março de 1964

Do Gen. Ex Humberto de Alencar Castello Branco, Chefe do Estado-Maior do Exército

Aos Exmos Generais e demais militares do Estado-Maior do Exército e das organizações subordinadas

Compreendendo a intranquilidade e as indagações de meus subordinados nos dias subsequentes ao comício de 13 do corrente mês. Sei que não se expressam somente no Estado-Maior do Exército e nos setores que lhe são dependentes, mas também na tropa, nas demais organizações e nas duas outras corporações militares. Delas participo e elas já foram motivo de uma conferência minha com o Excelentíssimo Senhor Ministro da Guerra.
São evidentes duas ameaças: o advento de uma constituinte como caminho para a consecução das reformas de base e o desencadeamento em maior escala de agitações generalizadas do ilegal poder do CGT. As Forças Armadas são invocadas em apoio a tais propósitos.

Para o entendimento do assunto, há necessidade de algumas considerações preliminares.

Os meios militares nacionais e permanentes não são propriamente para defender programas de Governo, muito menos a sua propaganda, mas para garantir os poderes constitucionais, o seu funcionamento e a aplicação da lei.

Não estão instituídos para declararem solidariedade a este ou àquele poder.

Se lhes fosse permitida a faculdade de solidarizarem-se com programas, movimentos políticos ou detentores de altos cargos, haveria, necessariamente, o direito de também se oporem a uns e a outros.

Relativamente à doutrina que admite o seu emprego como força de pressão contra um dos poderes, é lógico que também seria admissível voltá-la contra qualquer um deles.

Não sendo milícia, as Forças Armadas não são armas para empreendimentos antidemocráticos. Destinam-se a garantir os poderes constitucionais e a sua coexistência.

A ambicionada constituinte é um objetivo revolucionário pela violência com o fechamento do atual Congresso e a instituição de uma ditadura.

A insurreição é um recurso legítimo de um povo. Pode-se perguntar: o povo brasileiro está pedindo ditadura militar ou civil e constituinte? Parece que ainda não.

Entrarem as Forças Armadas numa revolução para entregar o Brasil a um grupo que quer dominá-lo para mandar e desmandar e mesmo para gozar o poder? Para garantir a plenitude do grupamento pseudo-sindical, cuja cúpula vive na agitação subversiva cada vez mais onerosa aos cofres públicos? Para talvez submeter à Nação ao comunismo de Moscou? Isto, sim, é que seria anti-pátria, anti-nação e anti-povo.
 
Não. As Forças Armadas não podem atraiçoar o Brasil. Defender privilégios de classes ricas está na mesma linha anti-democrática de servir a ditaduras fascistas ou síndico-comunistas.

O CGT anuncia que vai promover a paralisação do País no quadro do esquema revolucionário. Estará configurada provavelmente uma calamidade pública. E há quem deseje que as Forças Armadas fiquem omissas ou caudatárias do comando da subversão.

Parece que nem uma coisa nem outra. E, sim, garantir a aplicação da lei, que não permite, por ilegal, movimento de tamanha gravidade para a vida da nação.

Tratei da situação política somente para caracterizar a nossa conduta militar. Os quadros das Forças Armadas têm tido um comportamento, além de legal, de elevada compreensão em face das dificuldades e desvios próprios do estágio atual da evolução do Brasil. E mantidos, como é de seu dever, fieis à vida profissional, à sua destinação e com continuado respeito a seus chefes e à autoridade do Presidente da República.

É preciso aí perseverar, sempre "dentro dos limites da lei". Estar prontos para a defesa da legalidade, a saber, pelo funcionamento integral dos três Poderes constitucionais e pela aplicação das leis, inclusive as que asseguram o processo eleitoral, e contra a revolução para a ditadura e a Constituinte, contra a calamidade pública, a ser promovida pelo CGT, e contra o desvirtuamento do papel histórico das Forças Armadas. O Excelentíssimo Senhor Ministro da Guerra tem declarado que assegurará o respeito ao Congresso, às eleições e à posse do candidato eleito. E já declarou também que não haverá documentos dos ministros militares de pressão sobre o Congresso Nacional.

É o que eu tenho a dizer em consideração à intranqüilidade e indagações oriundas da atual situação política e a respeito da decorrente conduta militar.”

General-de-Exército Humberto de Alencar Castelo Branco, Chefe do Estado-Maior do Exército.

Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

2 comentários:

Anônimo disse...

UM DITADOR ASSASSINO E COVARDE DEU INICIO UMA ERA ONDE O POVO FOI REPREMIDO ESCRAVIZADO, TORTURADO, ASSASSINADO, DESALÇOS, DESDENTADOS, DESNUTRIDOS, DESCAMIZADOS FOMOS ROUBADOS E JOGADOS A SORTE TIVEMOS NOSSOS DIREITOS CAÇADOS E PRESENCIAMOS A FORMAÇÃO DE UMA MAFIA ONDE ATÉ HOJE AGE LIVREMENTE EM TODO TERRITÓRIO, ESSA MÁFIA CRIOU O PT, E TEM O JUDICIARIO, POLITICOS E FFAA NO BOLSO, CAPACHOS DOS AMERICANOS ORQUESTRAM TODO TIPO DE PATIFARIA E O SEU PRAZER É VER O POVO NA MÉRDA, DEGRADAÇÃO PELOS VICIOS, CONTRABANDO,NARCOTRAFICO,JOGOS ILEGAIS EM TODOS OS MUNICIPIOS DOS ESTADOS E EM TRCA PERMITEM SALARIOS E PREVIL´EGIOS MILIONARIOS PARA SEUS INTEGRANTES... MOSTREM A HISTÓRIA VERDADEIRA DIVULGUEM OS SALARIOS E FAÇAM AS CONTAS CONTINUAM O ROUBO NA CARA DURA ATÉ OS DIAS DE HOJE E OS REFORMADOS SÃO OS QUE ROUBAM MAIS POIS SÃO OS MAIS FDP...

JD Rocha disse...

Tem algum documentário que retrata essa época da História do Brasil?