segunda-feira, 6 de março de 2017

A Matemática é muito mais fácil que parece!


2a Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

O Brasil não precisa apenas acertar as contas com a politicagem que promove a hegemonia do Crime Institucionalizado. Também temos de recuperar o tempo perdido com o destruidor atraso no sistema Educacional (Família + Escola). Temos de recuperar e garantir a qualidade do ensino da língua portuguesa e da matemática – fundamentais para permitir a assimilação facilitada da filosofia, ciência e tecnologia.  

Há vários anos, apoiado em trabalhos realizados pelo professor universitário de Matemática e Raciocínio Lógico João Vinhosa, o Alerta Total vem publicando artigos sobre um tema da maior importância para a Educação no país: a facilitação do ensino da Matemática. Pode-se afirmar, com certeza absoluta, que a matemática (terror dos alunos) é mais fácil que parece.

Falhas no ensino da Matemática – que, entre nós, podem ser facilmente constatadas pelo nível de conhecimento dos adolescentes – também preocupam países desenvolvidos. Vale chamar a atenção para o trabalho do professor canadense John Mighton, fundador da JUMP (Junior Undiscovered Math Prodigies), instituição de caridade cujo objetivo é educar os alunos com dificuldades em Matemática. Sediada no Canadá, a JUMP tem atuado em outros países, como nos Estados Unidos e na Espanha, conforme se vê no endereço www.jumpmath.org

A principal novidade do programa JUMP é a sua dinâmica. Ele começa dando um pequeno passo, e vai progredindo aos poucos, até chegar a um patamar mais elevado num período de tempo relativamente curto. Assim, a
confiança daquelas crianças que estavam convencidas que nunca conseguiriam entender a Matemática aumenta tanto que elas se tornam capazes não só de entender o assunto que lhes está sendo ensinado como também de enfrentar novos desafios.

Mighton acredita que é indispensável a modificação da maneira de se ensinar a Matemática. Para ele, o professor tem que usar as palavras e os exemplos adequados, a fim de que o aluno consiga acompanhar o seu raciocínio. Caso contrário, o aluno se frustra e se convence que não tem capacidade para entender a matéria.

Mighton é categórico. Sua mais forte convicção é que, entre as pessoas que não aprenderam Matemática, a maioria chegou a essa situação porque não houve um professor que tivesse dedicado seu tempo para lhes mostrar como aprender adequadamente. Em outras palavras, ele afirma que a maioria das pessoas não tem a oportunidade de ser bem sucedida em Matemática, porque não recebe ensinamentos de acordo com seu potencial.

Mais: o professor canadense argumenta que, quando uma criança se convence que é incapaz de entender a Matemática, ela passa a não prestar atenção na aula, e perde o estímulo para ter bom desempenho. E, nessas circunstâncias, quanto mais a criança se esforça mais reforçada fica sua convicção de incapacidade, e menos ela aprende. Por outro lado, um sucesso inicial no assunto motiva o aluno e o leva a praticar mais, sendo capaz de desenvolver habilidades que pensava que não tinha.

Concluindo a breve descrição sobre o pensamento de Mighton, merece destaque a analogia por ele feita entre o aprendizado da Matemática  e a subida de uma escada: se faltar um degrau, será difícil continuar, e as consequências poderão ser desastrosas.

Explicadas as ideias centrais do professor canadense, vamos recordar, a seguir, como tem se manifestado o professor João Vinhosa sobre esses mesmos aspectos do problema. Fica evidente a semelhança das posições de ambos no que se refere à necessidade de mudanças na maneira de ser ensinada a Matemática.

Vinhosa acredita que, em primeiro lugar, as coisas óbvias não podem ser negligenciadas. Ele enfatiza, por exemplo, que, para que se entenda determinada parte da Matemática, é indispensável que se conheça outras partes a ela interligadas. Para exemplificar isso, ele cita um fato que é absolutamente incontestável: é impossível uma pessoa entender equação de segundo grau sem entender raiz quadrada, que, por sua vez, depende do entendimento de potências.

Outra obviedade enfatizada por Vinhosa é que a interligação também existe entre os diversos níveis de uma mesma parte da matéria, o que torna necessário que um determinado assunto seja gradativamente estudado a partir de seus conceitos mais elementares. E, para não deixar dúvidas sobre o que afirma, questiona: Afinal, como um aluno poderá entender que “dois terços é maior que cinco nonos”, se ele não dominar os conceitos fundamentais de frações ordinárias?

Interligações como as acima citadas permitem concluir que, se um elo da corrente estiver danificado, todo o raciocínio ficará arruinado (o que é o equivalente à falta de um degrau na “escada de Mighton”). E, por causa dessas interligações, à medida que o tempo passa, o aluno despreparado se torna mais traumatizado com a matéria, criando um abismo cada vez mais difícil de ser transposto.

Sobre a necessidade de um choque de motivação, Vinhosa afirma que é preciso convencer o aluno, logo nos primeiros minutos, que ele é capaz de entender coisas que, no seu julgamento, eram incompreensíveis. É importante convencê-lo logo nos primeiros instantes para que sua atenção seja atraída. Ou seja, o aluno despreparado tem que ser conquistado de imediato. Só aí ele ficará motivado. E a motivação traz o sucesso, que, por sua vez, provoca mais motivação, e, em consequência mais sucesso, formando assim um autêntico círculo virtuoso.

Resumidamente, para o sucesso da recuperação de um aluno despreparado, é de todo necessário que, antes de tudo, o mesmo seja convencido que é capaz de entender tudo aquilo que, um dia – erradamente – lhe colocaram na cabeça que só era possível ser compreendido por pessoas dotadas de “maior inteligência”. Depois, então, o aluno deverá ser levado a entender os conceitos do assunto que a ele esteja sendo apresentado. O segredo é começar sempre pelos conceitos mais elementares.

O melhor exemplo do que foi dito acima pode ser visto no trabalho “Álgebra Dominada”, no qual Vinhosa demonstra o resultado prático de uma recomendação que deveria orientar todo o ensinamento da matéria, qual seja: “o professor deve se colocar ao nível do aluno, e vir raciocinando junto com ele até chegar ao ponto desejado”.

No referido trabalho, fica demonstrada uma coisa inimaginável para a grande maioria das pessoas: em menos de quinze minutos, uma pessoa que só domina as quatro operações elementares pode ser levada a entender (frise-se bem, “entender”) a resolução do seguinte problema: “Calcular dois números que somados dão 50, sabendo que o triplo do primeiro número menos o segundo número dá para resultado 10”.

E, depois de o aluno entender a resolução do problema, lhe é informado que ele acabou de ser apresentado à Álgebra, parte da Matemática composta de incógnitas e equações – nomes que o teriam apavorado, se não tivessem sido adequadamente apresentados.

Para que se constate o que está dito acima, basta solicitar parte do trabalho “Álgebra Dominada” por meio do e-mail indicado ao final. O encaminhamento será feito com a maior satisfação, já que seu único objetivo é demonstrar que a Matemática é muito mais fácil que parece.

Finalizando, deve ser informado que o trabalho “Álgebra Dominada” já foi editado em linguagem Braille (pelo Instituto Paranaense de Cegos), e tem sido utilizado em cursos de Matemática Básica, aplicados em escolas de engenharia (curso de capacitação de monitores e curso de nivelamento de Matemática).

E-mail do autor do trabalho “Álgebra Dominada”:

Confira um “aulão” do João no YouTube e confirme como a Matemática se torna mais fácil que parece, quando ensinada corretamente. Link: https://youtu.be/U-2r-aLtRKc


Releia a primeira edição desta segunda-feira: Dória Presidente em 2018? É ejaculação precoce!


Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 6 de Março de 2017.

6 comentários:

Anônimo disse...

Um dos casos identificados no levantamento é o do ex-presidente José Sarney, que recebe mensalmente 59.507,18, em valores brutos. Desse total, R$ 29.036,18 são da aposentadoria de ex-senador. Os outros R$ 30.471 são de uma pensão por ter sido governador do Maranhão. Dá pra acreditar?



Saiba mais:http://libertatum.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

http://g1.globo.com/politica/noticia/acumulo-de-ganhos-garante-ate-r-64-mil-mensais-a-30-ex-e-atuais-parlamentares.ghtml
Acúmulo de ganhos garante até R$ 64 mil mensais a 30 ex e atuais parlamentares
12 deputados e senadores que votarão reforma da Previdência recebem salário e pensão, aponta levantamento do G1; 18 ex-parlamentares têm aposentadoria e pensão. Acúmulo não é ilegal.
Enquanto o Congresso se prepara para debater a proposta do governo de reforma da Previdência, que, se aprovada, estabelecerá uma idade mínima de 65 anos para a aposentadoria e exigirá 49 anos de contribuição para alguém receber o teto (R$ 5,5 mil) pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), pelo menos 30 políticos aposentados e com mandato acumulam ganhos que, em valores brutos, garantem a eles renda mensal de até R$ 64 mil.
Leia também: Estados gastam R$ 35,8 milhões por ano com pensões de ex-governadores e viúvas.
O G1 fez um levantamento sobre o pagamento de pensões a ex-governadores e de aposentadoria a ex-deputados e ex-senadores e cruzou as informações. Descobriu, por exemplo, que pelo menos 11 políticos acumulam ganhos por terem sido governadores e senadores e outros sete por terem sido governadores e deputados federais. Também identificou 12 políticos com mandato no Congresso (oito senadores e quatro deputados federais) que acumulam, além do salário como parlamentar, pensão como ex-governador (leia as manifestações dos beneficiários ao final desta reportagem). continua....

Anônimo disse...

http://g1.globo.com/politica/noticia/acumulo-de-ganhos-garante-ate-r-64-mil-mensais-a-30-ex-e-atuais-parlamentares.ghtml continua II

O acúmulo de pensões e aposentadorias (ou de salários e pensões) não é ilegal. Mas se aprovada da forma como foi enviada ao Congresso, a proposta de reforma da Previdência extinguirá o sistema de aposentadoria dos parlamentares, e eles terão de passar a contribuir para o INSS e a ficar sujeitos às mesmas regras e benefícios dos trabalhadores do setor privado. Se aprovada, essa regra valerá para os deputados e senadores eleitos após a reforma. Os atuais parlamentares e ex-parlamentares continuariam a receber em razão do chamado "direito adquirido". Além disso, a reforma não impedirá o acúmulo de aposentadorias e pensões porque as pensões são consideradas gratificações por exercício de função e não têm caráter previdenciário.
Para chegar ao resultado obtido no levantamento, o G1 consultou as informações sobre parlamentares aposentados (ou viúvas e demais dependentes) disponíveis nos sites do Senado e da Câmara e solicitou aos governos estaduais a relação dos ex-governadores e dependentes que recebem pensão. De todas as unidades da federação, somente o governo da Bahia não respondeu.
Um dos casos identificados no levantamento é o do ex-presidente José Sarney, que recebe mensalmente 59.507,18, em valores brutos. Desse total, R$ 29.036,18 são da aposentadoria de ex-senador. Os outros R$ 30.471 são de uma pensão por ter sido governador do Maranhão. continua....

Anônimo disse...

http://g1.globo.com/politica/noticia/acumulo-de-ganhos-garante-ate-r-64-mil-mensais-a-30-ex-e-atuais-parlamentares.ghtml continua III e termina
Ex-senador e ex-governador do Rio Grande do Sul, Pedro Simon recebe todos os meses R$ 48.027,87 brutos, dos quais R$ 17,5 mil do Senado e R$ 30,4 mil do governo do Rio Grande do Sul. É beneficiário de renda no mesmo valor o ex-senador e ex-governador do Sergipe Albano Franco.
Alceu Colares, ex-deputado federal e ex-governador do Rio Grande do Sul, recebe um total de R$ 51.355,94 mensais. Wilson Leite Braga, ex-governador da Paraíba e ex-deputado federal, acumula ganhos de R$ 45.649,35. Os valores também são brutos.
Ação tramita no Supremo
No Supremo Tribunal Federal (STF) há uma ação que discute a legalidade do acúmulo de aposentadoria e pensão.
A ação foi proposta pela União e, em 2010, o STF reconheceu a chamada "repercussão geral" do julgamento.
Isso significa que a decisão a ser tomada pelo plenário do Supremo terá que ser seguida por todos os demais tribunais. Mas o tema ainda não foi levado ao plenário pelo relator, o ministro Marco Aurélio Mello.

Anônimo disse...

http://libertatum.blogspot.com.br/

"Não temos um Supremo, temos 11. E cada ministro decide no tempo que quiser"
Brasil 06.03.17

No mesmo evento do qual participou Carlos Ayres Britto, registra o Estadão, o professor e diretor da FGV Direito Rio, Joaquim Falcão, criticou "o ativismo de cada ministro" do STF.

Segundo o especialista, 90% das decisões da Suprema Corte são tomadas por ministros individualmente.

"Não temos um Supremo, temos 11. E cada ministro decide no tempo que quiser. O juiz profere uma sentença e viaja; pede vista e viaja. Nós como sociedade gostaríamos que o Supremo respeitasse os prazos."

Falcão atacou, ainda, os encontros de juízes com réus.

"Passa noção de parcialidade. E a imparcialidade é um dever do ministro e direito do réu."

Publicado por Ivan Lima às 4:00 PM

Anônimo disse...

segunda-feira, 6 de março de 2017

ALEXANDRE GARCIA COMENTA A REAÇÃO CONTRA A LAVA JATO E O DESESPERO EM BRASÍLIA COM A LISTA DO JANOT
https://youtu.be/uB7Q9E48esc