domingo, 12 de março de 2017

Jogo criminoso das autoridades e dos políticos


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Laércio Laurelli

Para que se entenda melhor a realidade brasileira, temos que avançar e buscar na evidência dos fatos, o conhecimento da estratégia utilizada no jogo criminoso das autoridades e dos políticos do Brasil.

Jungir os valores desta formação hedionda não é a mesma coisa que separar o bom do mau, o verdadeiro do falso, mas, exibir à sociedade em virtude de exame e analise dos acontecimentos e da prática, a base das atividades espúrias do comando da nação, com anuência da mídia forte alinhada na intenção modificativa, de memorável lição doutrinária desaguando no sofrimento do povo.

Diferentes combinações de jogadas são convencionadas para expor e arriscar através de empreendimentos escusos a permanência no poder envolvendo nessa garantia as peças em harmonia desta jubilação pela farsa, mentira, embuste, engodo, e demais convenções indefinidas da fraqueza e paixões com seus parceiros do poder, que refletem negativamente a imagem do homem.

Todos se abstêm de tocarem nas coisas sagradas do Estado, tal como chamar a si os ideais em benefício da pátria e a valoração da conquista da retomada dos princípios e regras soberanas das escrituras de um governo consolidado no justo e na esperança. 

Todos fazem parte de uma só entidade tipo convenção, desde o chefe do poder até o mordomo que serve o café. Todos, na plenitude de suas consciências, passam a jornadear e contaminar a natureza da retidão, por influência e ordem superior, mesmo, se preciso for, uma execução capital.

Esta é uma roda desvairada da elite criminosa do país, com jogadas predeterminadas arriscando a vida da sociedade brasileira pela escravização da corrupção do senso moral e dignidade, que impedem a liberdade e energia para cumprirem os deveres e obrigações atinentes à solidificação da ordem e independência da pátria.

Pensem nisto! 

Enquanto isso se pode invocar Edward De Vere, conhecido como o notável dramaturgo William Shakespeare (1.550/1.604) e, exclamar consoante a indignação de Hamlet:

- Oh! Vilania! Fechem bem as portas! Traição! Ah! Procuremos os culpados!!!  HÁ ALGO DE PODRE NO REINO DA DINAMARCA.

Laercio Laurelli – Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ( art. 59 do RITJESP) – Professor de Direito Penal e Processo Penal – Jurista – Articulista – Idealizador, diretor e apresentador do programa de T.V. “Direito e Justiça em Foco”  - Patriota.

Um comentário:

Anônimo disse...

Para entender a melhor realidade brasileira basta ver a forma como o Estado trata os bandidos da toga: ao invés de perda do cargo e uma boa temporada na cadeia recebem um boa APOSENTADORIA COMPULSÓRIA. Essa magistratura brasileira não passa de um bando canalhas!