sábado, 18 de março de 2017

Marvada Carne


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

Em tempos de quaresma sinalizar sobre a marvada da carne parece conspirar contra a fragilidade humana, reclamando jejum, oração e esmola, mas ao contrário o Brasil vive talvez um dos seus piores momentos nos cenários econômico, político e principalmente cultural da globalização massacrante e da falta de escrúpulos das macroempresas.

Com efeito, quando um setor da economia de escala é pilhado mediante práticas irregulares, anômalas, causando repercussão internacional os efeitos são deletérios, e quem perde somos todos nós, o conjunto da sociedade e a primariedade do lucro fácil e da propina para os agentes públicos facilitarem a desabrida corrupção.

Condutas dessa natureza,de venda e comercialização de produto vencido com rótulos adulterados e embalagens reaproveitadas deveriam conduzir
a longos anos de solitária e o pagamento de um multa milionária a fim de que os empresários se conscientizassem do que fizeram. E no momento conturbado da vida do País notícias desse jaez provocam desconfiança da população que passa a consumir menos ou nenhuma carne e ficará de olho em grandes frigoríficos que até agora não emitiram qualquer nota de esclarecimentos à população.

Recentemente alguns estados da federação voltaram a tributar a carne para o consumidor final, o que provocou um aumento inelástico do preço em razão da própria demanda. E a partir do novo padrão de comportamento todos perdemos, o pecuarista, o exportador, o importador, o consumidor final, fornecedores e toda a cadeia que levará algum tempo para se recuperar e consolidar dentro dos perfis de moralidade e ética que guarnecem qualquer atividade considerada séria.

Qual a diferença do fato no Brasil e por que não acontece em países desenvolvidos? Fácil pressupor que os agentes públicos padecem de dois graves defeitos, ao menos,o primeiro tem indicação política os cargos de direção e os que ganham menos se submetem ao vexam incogitável da propina,se caso assim acontecesse em Nações do primeiro mundo, o primeiro ministro e até o presidente da república poderiam cair, renunciar e sofrer represálias internas e externas.

Mas no País jabuticaba quando se espera que o acontecimento não mais cresça, o que assistimos e vemos perplexos e estarrecidos é que a República não se faz em prol da cidadania e a Federação consome mediante impostos a paciência e a resilência da soberania nacional. E a crise nos abalada frontalmente, pois que sempre adotamos práticas comerciais censuráveis e buscamos no lucro a causa única e exclusiva, mesmo maquiavélica,dos comportamentos ilícitos.

Tempos atrás algumas dessas empresas apostaram em derivativos e conseguiram destruir a atividade produtiva, ou foram apoiadas por bancos públicos ou se viram necessitadas de processos societários a fim de se evitar a debacle. Pouco mais a frente e não resistindo à marvada da carne se conduzem marginalmente, adulterando o produto e colocando em risco a saúde do consumidor.

A longa tradição do Brasil em megaescandalos preocupa e chama a atenção, concentrações de oligopólio e monopólio e a falta completa de qualquer medo ou temor pela repressão ou o papel da Justiça na condenação desses maus cidadãos. A lição que se extrair parece muito semelhante as demais, sempre o público se relacionando com o privado numa promiscuidade crescente e falta de impessoalidade, já que visam a finalidade específica do dinheiro fácil,mediante o suborno e facilidades muitas geradas para que a vida desses grandes conglomerados não seja, em qualquer tempo, cravada de insucessos.

Demoramos anos a fio para a abertura do mercado para Países e Nações importantes e agora com essa desastrosa notícias aumentam e muito as chances de não termos compras de grandes parceiros comerciais. Muito cedo ainda para se conhecer o impacto da operação carne fraca mas de uma coisa podemos estar absolutamente certos, a influência do Estado,o dinheiro emprestado pelo BNDES e a leniência da fiscalização tudo isso motivaram comportamentos que agora devem ser rigorosamente apurados e severamente punidos.

A maldade vai a tal ponto de serem utilizadas substâncias químicas com o escopo de impedir o funcionamento regular do paladar e com grande probabilidade do agente cancerígeno espalhado pelo organismo. Enquanto não prezarmos por um capitalismo de vanguarda e de um lucro justo e não abusivo e procurarmos as facilidades que compram as dificuldades navegaremos entre o subdesenvolvimento marginal e a intolerância generalizada.

O centro nervoso de tudo indica que a corrupção metamorfoseou o País em grandes doses de metástases espalhadas pelo tecido produtivo,financeiro em movimentos constantes e permanentes. Dizem os leigos de plantão que operações rigorosas e de espetacularização desse viès podem levar as empresas à quebra,então é preferível que alojemos da cadeia produtiva setores que agem às escuras do que comprometamos a saúde da população.

Chegou o tempo de darmos um basta na corrupção, nas maracutaias e
refrearmos os desejos inconfesssáveis da marvada da carne, sob pena de nos transformarmos, em pleno tempo da quaresma, em contumazes pecadores da podre luxuria,e do avarento lucro pecador e de sabores que contagiam e contaminam a saúde de qualquer Nação que pretende ser desenvolvida.


Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laercio Laurelli (aposentado) são desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Um comentário:

Anônimo disse...

NOSSA QUANTO ESPANTO... APENAS UM SER QUE VIVE BRINDADO EM SUA TOGA PARA ESCREVER UMA MÉRDA DESSAS... O DESEMBARGADOR ASSIM COMO TODOS OS BRASILEIROS DESDE CRIANÇA JÁ OUVIA OS ADULTOS PASSANDO AS RECEITAS DA MORTADELA,DA SALSICHA,LINGUIÇA E DA CARNE SECA, QUANDO NASCI A RECEITA JÁ ERA A MESMA NOS EMBUTIDOS MISTURAVAM JORNAL, PAPELÃO E BERONHAS, CARNE DE CABEÇA, CARNE DE CAVALO... LENDAS URBANAS IGUAL A DO CARA QUE SE DESOLVEU NO TANQUE DA COCA COLA A CAMA DE FRANGO E OUTRAS NOJEIRAS NÃO CHEGAM NEM AOS PÉS DO QUE O JUDICIARIO VEM ARMANDO CONTRA O POVO, ENTÃO ALGUNS COM SUA AUTORIDADE DEVERIAM TOMAR A FRENTE E ACABAR COM ESSAS PATIFARIAS JÁ QUE O POVO NÃO TEM PARA QUEM RECLAMAR E SE ALGUÉM TENTAR ACABARA NO MEIO DESSA MISTURA MACABRA COM QUASE CEM ANOS E SÓ AGORA VEIO A TONA, DENUNCIE TAMBÉM O NAROTRAFICO, CONTRABANDO, JOGOS ILEGAIS E TODO O TIPO DE CRIMES QUE O JUDICIARIO VEM COMANDANDO E PROMOVENDO NO BRASIL...