sábado, 11 de março de 2017

Perseveronça


“País Canalha é o que não paga precatórios”.

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Estamos como Don Quixote.

À mercê do vencedor que lhe exigia reconhecer em Dulcinéia uma simples rameira e não princesa, exclamou:

Mate-me, não posso viver sem minhas ilusões!

Perseveraremos na crença de que uma atitude patriótica e salvadora será tomada.

Não podemos nem mesmo imaginar um abastardamento da felina.

O pior estrago do anticristo e sua caterva foi o mau exemplo.

Em todos os níveis da máquina pública e da empresa privada parece prevalecer o bordão: ”Sou, mas quem não é?”

O efeito multiplicador do exemplo funciona para o bem ou para o mal.

Depois da primeira penduradinha no poste de um cãorrupto, o resto da matilha comportar-se-á ou fugirá.

No império otomano o chefe do serralho era um eunuco. Desde o início; uma vez que não seria passível de sedução por uma das vigiadas.

Somos duzentos milhões tiranizados por cerca de mil.

É muito provável que entre os decaídos encontremos anjos e judas.

O que levava a luz (Lúcifer) decerto operou (opera ?) nas estatais elétricas.

Veremos monstros marinhos e leviatãs tercermundistas?

Enquanto um ascensorista ganhar mais que um senhor da guerra, que futuro nos espera?

A iníqua reforma do (im)previdência é apenas vingança contra o povo que se rebela.

Serve também de cortina de fumaça para esconder felonias maiores.

Será o estopim para a explosão que porá fim ao pseudo querubim (ou serafim?)?


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um comentário:

HeberPai disse...

Perfeito.