domingo, 23 de abril de 2017

Nobel da Corrupção – Classe Política Brasileira


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

O Brasil nunca conquistou um premio nobel, em razão do pouco investimento em pesquisa e por causa de uma classe política marginal que só enxerga o próprio umbigo. No entanto, em termos de corrupção, os megaesquemas que estão sendo revelados nos animam a considerar
que se houvesse uma estatueta dedicada ao campo minado, teríamos uma centena de candidatos de primeira linha, e não são poucos.

Eis que a habilidade dos nossos políticos somada aos empresários que coonestam em troca de favores, todos esses ingredientes fizeram
sucumbir a economia e petrificar o crescimento do Brasil. Em flagrante caça às bruxas reage nosso Parlamento e o Senado Federal não deixa por menos que aprovar o retrocesso do retrocesso: a lei de abuso de autoridade.

A pretexto de mudar uma vetusta legislação, seu intuito, pelas mãos ardilosas de alguns senadores, muitos deles investigados, traduz uma ação deliberada, adrede e de fins pouco ético e desmoralizante de coarctar a investigação e fazer sangrar responsáveis pela increpação dos cometimentos de centena de ilícitos perpetrados à luz do dia e com desvio de bilhões de dólares dos cofres públicos.

Completamente dissociada da sociedade,em conflito com a própria sobrevivência política e na proximidade das eleições de 2018 que se avizinha,nossos parlamentares falam em espírito corporativo, mas
esse estado d’alma reflete o medo, a paúra e o pânico que se abateu sobre os investigados, os quais, temerosos de serem punidos e colocados fora dos momentos de desvios de recursos públicos, tentam intimidar a investigação e menoscabar a figura da justiça.

A serviço de quem estariam esses maus políticos? Evidentemente deles próprios eis que atabalhoados e aturdidos legislam em causa própria como se fosse possível na prorrogação da partida e com a maioria dos jogadores expulsos por violação das regras,querer expulsar arbitro e mandar em cana os banderinhas.

Triste e fransciscano retrato de uma Nação desossada pela corrupção, esmigalhada pela falta de representação política e desassossegada pelo infortúnio de uma economia em frangalhos. A saída é de ordem política, mas não com essa classe política que teima em insistir por caminhos das trevas e querer virar o jogo no tapetão.

Aprendam, senhores senadores, que a população já acordou,a sociedade civil está esperta e se fizerem o descalabro dessa ordem em poucos segundos as notícias circularão mundo afora, e nosso conceito que já é péssimo no exterior se tornará inclassificável. As associações de classe devem agir preventiva e imediatamente com mandados de segurança no Supremo Tribunal Federal, uma espécie de controle de precaução da norma constitucional.

Eis que afronta com o papel da justiça,amedronta ao servidor e coloca uma verdadeira tornozeleira cerebral no pensamento da máquina judiciária. Nada mais deprimente e inadmissível na atual conjuntura. Ao invés de tomarem medidas que forcem ao crescimento e otimizem desenvolvimento
para criação de empregos, nosso glorioso Senado conta com um projeto originário do Senador Renan Calheiros e traz como Relator Roberto Requião, espezinhando a dignidade da atividade investigativa e amesquinhando os verdadeiros e soberanos valores da República Democrática.

A persistir a contramão entre o querer da sociedade e a minoria não representativa de poucos parlamentares o entrechoque instaurado será de tal modo a provocar um incendio de tamanhas proporções a minar o desbaratamento da maior quadrilha da história surgida, gerada e
criada no seio da federação brasileira, pelas mãos sujas de políticos irresponsáveis e de uma facção criminosa que se alimentou à base de corrupção em profusão.

Atentos aos próximos passos em véspera de feriado e na proximidade do dia trabalhador, é hora de se dar um basta ao trabalho marcado pela desfaçatez e espírito corporativo protetivo da classe política, a qual não passará ilesa das eleições do ano de 2018.A radicalização amparada na intolerância geram descrédito e sepultam definitivamente o sonho da sociedade ávida por justiça e o fim da roubalheira generalizada.

Vejamos o exemplo pífio e revoltante da cidade maravilhosa, na qual de maravilhosa somente a natureza,eis que seus governantes acumpliciados e conluiados provocaram o maior rombo das finanças expondo a cruedade da crise, da violência e do senso da irresponsabilidade priorizando o socorro da União e bloqueios de contas para pagamento das despesas e da própria folha.


As reformas são urgentes mas a primeira e a mãe de todas é aquela política e de natureza partidária sepultando os profissionais que
transformaram nossa política numa tragédia anunciada, com o apoio de você anônimo que é sem duvida alguma o maior cara de pau da critica sem igual e um verdadeiro verme que somente critica e não põe, por medo, paúra e vergonha, a cara na berlinda com medo de ser encarcerado na primeira batida que se fizer pois que da tua laia não participamos hoje e nunca.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Um comentário:

Anônimo disse...

A PARTICIPAÇÃO DE DESEMBARGADORES, JUIZES E PROMOTORES EM TODO TIPO DE ATIVIDADES ILICITAS É QUE FAZ QUALQUER UM SENDO ANONIMO OU NÃO SE CALAR DIANTE DESSA MAFIA MALDITA QUE É O JUDICIARIO NO PAIS... DESEMBARGADOR QUE ATÉ O MOMENTO PARECE NÃO FAZER PARTE DEVERIA SER O PRIMEIRO A DENUNCIAR E CORRER DE ATRÁZ DOS BANDIDOS DE TOGA E NÃO AMEAÇAR QUEM TEM CORAGEM DE LEVANTAR ESSA LEBRE ONDE PAZEM POLITICOS PARECEREM SANTOS... BANDIDO É BANDIDO E NO JUDICIARIO É O QUE MAIS TEM BASTA INVESTIGAREM E QUALQUER TIPO DE ABUSO DEVE SER PUNIDO MESMO INDA MAIS VINDO DE QUEM SÓ FAZ MÉRDA... SALARIOS E PREVILÉGIOS MILIONARIOS FORA O ENVELOPE JÁ DEVERIA SER MOTIVO DE VERGONHA,JÁ INCOMPETENCIA E CORRUPÇÃO NÃO DA PRA AQUENTAR...