quarta-feira, 5 de abril de 2017

O Rio de Janeiro sob ameaça


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gilberto Pimentel

Fica muito difícil, sequer, pensar numa saída para este sofrido Rio de Janeiro. Levado à falência por dirigentes corruptos, tem sua rotina, se não paralisada, completamente prejudicada em aspectos essenciais à dignidade da população contribuinte: saúde, educação e segurança pública, em especial, estão em frangalhos. A gente já beira o estado de revolta pelo não cumprimento dos mais comezinhos deveres do governo, incluído os salários do funcionalismo público.

Do assalto aos cofres públicos, agora se sabe, participaram em conluio os órgãos que deveriam constituir os pilares da administração estadual: o Executivo, a Assembleia Legislativa e o Tribunal de Contas, por lei o órgão fiscalizador da aplicação do dinheiro do contribuinte. Apenas por lei, pois juntaram-se todos e formaram uma só quadrilha para roubar esses recursos. E fala-se, ainda, de uma longa lista, envolvendo figuras do judiciário por conta de delação do ex-governador preso. No exercício do poder, hoje, encontra-se seu afilhado político cassado já por decisão de duas instâncias. Algo jamais visto!

As razões para uma intervenção federal estão mais do que justificadas. Entretanto, não virá pelo simples fato de que significaria a interrupção de projetos do governo federal, como a reforma da previdência, que mexem com a Constituição Federal e ela é inalterável enquanto haja unidade da federação sob intervenção.

Esperar que esses políticos, dublê de bandidos, tenham um gesto de grandeza e renunciem, abrindo espaço para um novo tempo, nem pensar. Cínicos e desprovidos de quaisquer resquícios de caráter vão permanecer pendurados nos seus cargos, amparados pelos privilégios que um foro repugnante lhes concede. E vão impunes em busca da reeleição em 2018. Covardes é o que são! Esse o Brasil dos absurdos! Como poderá reagir um povo sem esperanças, indignado e explorado pelo sistema político a que está submetido?

Como poderá, então, reagir o cidadão que não tem segurança pública, social ou econômica e que convive com um atendimento de saúde caótico, acesso restrito à educação, mas que paga impostos cada vez mais escorchantes?

O governo central e a Justiça precisam encontrar respostas urgentes para essas questões, pois a desobediência civil é uma forma de protesto de gravíssimas consequências de que pode vir a se valer uma sociedade em desespero, rebelando-se contra o cumprimento de ordens de autoridades vistas como desonestas, sendo essa uma hipótese que não pode mais deixar de ser considerada no nosso estado.


Gilberto Pimentel, General, é Presidente do Clube Militar.

3 comentários:

Anônimo disse...

Mas General, o maior culpado e a própria população e eleitores do Rio de Janeiro,que sempre elegeu tranqueiras, de Brizola,Garotinho,juruna ,Piciannis a Pezão, o que queriam, se os eleitores aprenderem a votar, eliminam todos, o Carioca sempre se preocupou com Carnaval e Praia, agora estão pagando a conta e ela veio muito cara.

Jorge Silva Juntos no Caminho disse...

Correto

Israel de farias disse...

E deveríamos eleger quem, afinal tds aparecem com a cara de santo e outro detalhe é que a planta na testa é "honesto" e TDS usam, agora com o advento das redes sociais as maracutaias aparecem, na verdade perfurados de uma revolta popular, dele TDS estes que aí estão.