domingo, 30 de abril de 2017

Trump e o Beijo de Morte no Dinheiro Vivo

“País Canalha é o que não paga precatórios”.


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Há três coisas irrecuperáveis: a flecha disparada, a palavra dita e a confiança perdida.

Na Índia, dias atrás, um “ditadorzinho” de merda decretou a perda de validade das notas de 500 e 1.000 rúpias (cerca de 25 e 50 reais).

Da noite para o dia quebrou-se a credibilidade do emissor; o governo indiano.

O povo condenado a morrer de sede, morrerá também de tristeza.
A medida é um teste e uma tentativa.

Põe à prova a paciência do povo e busca bancarizar a economia, primeiro passo para a implantação da moeda eletrônica e a consequente supressão do papel-moeda.

Um bilhão de pessoas “escravizadas” instantaneamente.

O teste anterior foi na Escandinávia. Países de alto nível cultural e pouco populosos, já declararam sua intenção de ingressar na era da “cashless society”.

Os implantadores da Nova Ordem Mundial agora temem que o novo governo dos Estados Unidos da América, retome o poder de emitir moeda que lhe foi usurpado em 1913 por banqueiros privados que fingem ser uma agência governamental: o Federal Reserve Bank.

Até agora, após 100 dias de Trump, nenhuma novidade neste sentido...

Na Índia surrupiaram-se rúpias; na América, os direitos dos cidadãos.

“Make America Great Again” tem de se realizar antes do “Keep América Great” (slogan registrado para 2020).

O topetudo ainda tem tempo de mostrar a que veio.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Nenhum comentário: