domingo, 11 de junho de 2017

A Verdade sobre a Sociedade Fabiana


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

A Sociedade Fabiana tem como propósito o avanço do Socialismo

A verdadeira origem, intenção e propósito do Socialismo

O texto abaixo foi transcrito da página
 Marxismo Cultural.

A subversão ideológica da Civilização Ocidental

-------------------------------

Poucos Britânicos estão cientes da existência da Sociedade Fabiana e menos ainda estão familiarizados com a sua ideologia, os seus objetivos, a sua influência e o seu poder. Tal como os seus próprios documentos revelam, a Sociedade sempre teve como plano estabelecer um regime socialista controlado por ela própria. Ao contrário da mitologia (ou desinformação) política atual que afirma que o Socialismo era um movimento da classe operária, o fato é que este movimento teve as suas origens dentro das classes médias liberais capitalistas, onde a Sociedade Fabiana se sentia em casa.

As figuras principais do capitalismo liberal - homens de negócios, industriais e banqueiros - que haviam alcançado uma fortuna enorme às custas da revolução industrial, tinham como plano fortalecer a sua posição de poder e influência através de duas formas: (1) monopolizando as finanças, a economia e a política; e (2) controlando a crescente classe operária urbana.

Embora o monopólio das finanças, da economia e da política só pudesse ser atingido através da centralização do capital, dos meios de produção, etc., a classe operária só poderia ser controlada através da organização e de promessas de uma maior fatia dos recursos. Estas medidas formaram o cerne do livro de Karl Marx e de Friedrich Engels com o título de "O Manifesto do Partido Comunista" (1848). Ambos os autores eram da classe média, e Engels, o financiador de Marx, era um abastado industrial do ramo têxtil.

A conexão entre a Sociedade Fabiana e os interesses financeiros subversivos.

Os fundadores, os líderes e os financiadores da Sociedade Fabiana estavam intimamente ligados com os mesmos interesses:

 Hubert Bland, um empregado bancário convertido em jornalista, trabalhou para o Sunday Chronicle (Londres), jornal cujo dono era o magnata do mundo jornalístico Edward Hulton, que havia pertencido ao Liberal Manchester Guardian. Bland foi um dos co-fundadores da Sociedade Fabiana em 1884 e tornou-se membro do seu executivo e tesoureiro de longa data. Foi também ele que recrutou o colega jornalista Bernard Shaw.

 Bernard Shaw trabalhava para o Pall Mall Gazette de Londres, onde o Liberal renomeado William T. Stead ocupava a posição de editor e Alfred (mais tarde Lorde) Milner era o seu assistente. Tanto Stead como Milner tinham relações próximas com o magnata dos diamantes e associado dos Rothschild, Cecil Rhodes, e ambos estiveram envolvidos na formação da organização secreta influente com o nome de "Grupo Milner". Havendo sido recrutado para a Sociedade Fabiana pelo seu amigo Hubert Bland, Shaw recrutou em 1885, e em 1886, Annie Besant e os seus amigos Sidney Webb, Sydney Olivier e Graham Wallas.

Para além da sua intriga política, os Fabianos trabalhavam também formas de assegurar uma posição social e financeira mais elevada para si próprios. O amigo e companheiro de Shaw, e líder da Sociedade Fabiana, Sidney Webb, casou-se com Beatrice, filha de Richard Potter, um financista rico, com conhecimentos internacionais e que foi presidente da "Great Western" e "Grand Trunk Railways of England and Canada". Beatrice era também amiga próxima de Arthur Balfour, associado dos Rothschild e Primeiro Ministro do Partido Conservador.

O próprio Shaw casou-se com Charlotte, filha de Horace Payne-Townshend, um rico investidor da Bolsa de Valores. Ele foi contratado pelo milionário William Waldorf (mais tarde Lorde) Astor, dono do Pall Mall Gazette, e tornou-se amigo próximo de filho deste último (e líder do Grupo Milner) bem como da sua esposa Nancy. Entrevistas a Shaw e a Webb (provavelmente escritas pelo próprio Shaw) foram publicadas pelo Pall Malle pelo St. James’s Gazettes.

Á medida que Shaw, Webb, Olivier e Wallas se transformaram no dominante "Big Four" dentro da Sociedade Fabiana, ficou claro que a Sociedade era uma organização privada. dirigida por elementos no emprego de meios de comunicação representando os interesses dos capitalistas liberais. De fato, na lista de financiadores da Sociedade estavam nomes como John Passmore Edwards - associado de Richard Cobden, fabricante têxtil e líder da Liberal “Escola de Manchester”. Disto se deduz que tanto Karl Marx como a Sociedade Fabiana foram financiados por interesses industriais com ligações à esquerdista Escola de Manchester e ao mundo dos média.

Estes interesses, já de si poderosos, eram aliados do Grupo Rothschild, que tinha ligações duvidosas não só com os média e a indústria esquerdista de Manchester, mas também ao mundo da finanças da mesma cidade; o primeiro porto de escala dos Rothschild na Inglaterra foi em Manchester, onde o patriarca do grupo Nathan Meyer Rothschild deu início à sua carreira de comerciante têxtil.

A Sociedade Fabiana estava em contacto permanente com os Rothschild, mas usava também intermediários como Lorde Arthur Balfour. Os Balfours encontravam-se entre os principais representantes do poder financeiro da Grã-Brtanha, e estiveram envolvidos na criação de organizações que avançavam com os interesses dos poderosos financeiros, desde a Liga Anglo-Americana e a Sociedade dos Peregrinos, até à Liga das Nações. Ao mesmo tempo que o seu irmão era o Presidente do 
"Board of Trade",  Arthur Balfour serviu como o Presidente do "Local Government Board" e mais tarde como Primeiro Ministro e  Ministro dos Negócios Estrangeiros. Enquanto se encontrava nestas posições, ele estava em comunicação regular tanto com Lorde Rothschild como também com a Sociedade Fabiana, e usou a sua posição para avançar com os interesses de ambos.

A Sociedade Fabiana também ficou próxima dos 
Rockefellers, que são Socialistas Fabianos dissimulados. David Rockefeller escreveu uma tese simpática ao Socialismo Fabiano quando se encontrava em Harvard, e estudou economia esquerdista na Fabiana "London School of Economics". Sem surpresa alguma, desde os anos 20 que os Rockefellers têm financiado inúmeros projetos Fabianos, incluindo a "London School of Economics".

A Sociedade Fabiana continua a ser financiada por entidades tais como a Comissão Européia e a
"Foundation for European Progressive Studies" (FEPS), uma operação levada a cabo por toda a União Européia por parte do Parlamento Europeu, que trabalha para a Europa Socialista. E isto ocorre em parceria com companhias globais tais como a Pearson, uma associada de longa data da Lazard e dos Rothschild (desde o início do século 20 que Pearson tem sido um acionista principal no banco Lazard, que faz parte dos Grupo Milner, e é, juntamente com os Rothschilds, co-proprietário do "The Economist Group").

A Sociedade Fabiana, o Partido Trabalhista, e o controle Fabiano da classe operária

Os Rothschild, os Rockefeller e uma aliança de interesses, foram as forças motoras por trás de iniciativas "liberais" (isto é, esquerdistas) tais como "comércio livre", "paz mundial", "fraternidade universal", e "organização mundial", o que inexoravelmente leva à abolição da soberania nacional e à imposição do governo mundial. Eles estiverem também por trás do Socialismo como forma de subornar e controlar a classe operária através de operações tais como a Sociedade Fabiana e o Grupo Milner.

Que a classe operária britânica não iria 
"correr de braços abertos para o Socialismo" era algo que a liderança da Sociedade Fabiana já havia descoberto - tal como o admitiu de forma cândida o Secretário da Sociedade Fabiana, Edward R. Pease. Devido a isto, o primeiro passo para a Sociedade era conquistar a classe operária para os seus próprios fins. Um passo rumo a isto foi a formação do Partido Trabalhista Independente ("Independent Labour Party" - ILP).

O ILP foi fundado durante uma conferência Fabiana em 1893, e foi formado com a união de 70 sociedades Fabianas locais, e liderado pelo Fabiano 
Keir Hardie, que antes disso tinha co-fundado a Segunda Internacional com Friedrich Engels. O propósito do ILP de controlar o movimento laboral e socialista para os seus próprios fins é algo evidente a partir do livro de Beatrice Webb com o título de "Diary", bem como outros documentos Fabianos (Ratiu, 2012).

Outra organização política que tem em vista o mesmo propósito Fabiano é o Partido Trabalhista.
 Criado em 1900 por Keir Hardie e por outros socialistas, durante os primeiros dois anos da sua existência o Partido Trabalhista foi conhecido como o 
“Labour Representation Committee”.

Que este partido não representava os trabalhadores é evidente, pelo número de Fabianos da classe média envolvidos na sua formação - que iam desde Bernard Shaw, Sidney Webb, até Edward R. Pease. Desde o princípio, Pease, como um dos fundadores da Sociedade Fabiana, instalou-se como o Executivo do Partido Trabalhista, seguido de Sidney Webb e outros.

Desde então, a Sociedade Fabiana mantém o controle sobre o Partido Trabalhista: a constituição deste Partido, bem como o manifesto e a política do mesmo, foram todos escritos por vários Fabianos tais como Arthur Henderson e Sidney Webb; todos os governos Trabalhistas desde 1924 a 1997-2000 eram compostos quase exclusivamente por membros da Sociedade Fabiana; isto também se aplica aos Primeiros-Ministros do Partido Trabalhista, com a única exceção de Ramsay MacDonald (que se demitiu da Sociedade em 1900 devido a discórdias em torno da Guerra Boer; mas mesmo assim, permaneceu como colaborador próximo e nomeou colegas Fabianos para posições importantes dos seus governos).

A Sociedade Fabiana e o seu controle da sociedade moderna

O impulso dos Fabianos para o controle total não se limitou à classe operária. O propósito declarado da Sociedade era o de conquistar e controlar os cidadãos britânicos, 
"para lucro seu, e para o seu próprio bem"(Fabian News, Setembro de 1897). Tendo em vista este propósito, e para não só falar de política, a Sociedade determinou-se a controlar a educação, a cultura, a economia, o sistema legal e até a medicina e a religião. Isto foi realizado através de uma vasta gama de organizações, sociedades e movimentos interligados:

Educação: sociedades universitárias e escolas tais como a "London School of Economics"

Cultura: o movimento Nova Era, a "Central School of Arts and Crafts", a "Leeds Arts Club", o "Fabian Arts Group" e a "Stage Society"

Economia: a "London School of Economics" e a "Royal Economic Society"

Sistema Legal: a Sociedade Haldane

Medicina: a Liga Médica Socialista

Religião: o movimento de Igrejas Trabalhistas (mais tarde, Socialistas), a "Christian Socialist Crusade", a"Christian Socialist League" e a "Christian Socialist Movement", etc.

A Sociedade Fabiana e a Ditadura

Apesar de todo o seu discurso hipócrita em torno da "democracia", as intenções ditatoriais da Sociedade Fabiana foram reveladas bastante cedo através de declarações e ações da sua liderança. No ano de 1927, o líder Fabiano Bernard Shaw declarou abertamente que os Fabianos têm que libertar o movimento socialista 
"das suas antiquadas amarras democráticas", e que eles "não tinham qualquer tipo de relação com a liberdade", que a democracia era "incompatível com o Socialismo" - tal como provado pelo Stalinismo, uma sub-corrente do Socialismo muito admirada pela liderança Fabiana.

Os Webbs e os Shaws, juntamente com os Astors, visitaram a Rússia Soviética no início dos anos 30 e voltaram cheios de elogios para com Stalin e para com o seu regime assassino. Os Webbs escreveram um enorme documento de propaganda, listando as "conquistas" do Comunismo Russo, com o título de  
"Soviet Communism: A New Civilization". Em 1948, dois anos antes da sua morte, Shaw disse que "Stalin era um bom Fabiano."

A Sociedade Fabiana e o Governo Mundial

Fora da Grã-Bretanha, o objetivo final da Sociedade Fabiana - que é buscado através do Partido Trabalhista e através de outras organizações de fachada, tais como a Internacional Socialista e as Nações Unidas - tem sido o de estabelecer um 
Governo Mundial Socialista.


As Nações Unidas foram criadas em 1944 como sucessora da Liga das Nações, e com o envolvimento dos Fabianos Socialistas Rockefellers e o seu
"Council on Foreign Relations" (CFR); desde o princípio que a organização Nações Unidas viu-se dominada por socialistas com ligações com a Internacional Socialista, tais como Paul-Henri Spaak, Trygve Lie, Dag Hammarskjold e muitos outros. A própria Internacional Socialista foi criada em 1951, pela Sociedade Fabiana Londrina. como sucessora da Primeira Internacional de Karl Marx. A sua função principal tem sido a de coordenar o Movimento Socialista por todo o mundo, tendo em vista o estabelecimento do governo mundial e promovendo as Nações Unidas como um instrumento central para que isso seja levado a cabo.

O objetivo final dos partidos da Internacional Socialista é nada menos que um governo mundial. Como passo inicial rumo a isto, buscam formas de fortalecer as Nações Unidas de modo que isto se torne cada vez mais eficaz .... A adesão às Nações Unidas tem que ser tornada universal.

Isto foi repetido pelos partidos (e governos) socialistas por todo o mundo, tendo o Partido Trabalhista Britânico estado na linha da frente:

O Partido Trabalhista permanece fiel à sua crença, a longo prazo, de estabelecimento de uma cooperação Este-Oeste como base para que uma reforçada Nações Unidas se desenvolva rumo ao governo mundial ... Para nós, o governo mundial é o objetivo final e as Nações Unidas são o instrumento escolhido....  (Labour Party Manifesto 1964).

A Sociedade Fabiana e o Grupo de Bilderberg

É interessante ressaltar o que os membros mais importantes do Grupo Bilderberg disseram acerca do Grupo. David Rockefeller escreveu que,

“.... as reuniões Bilderberg têm que induzir visões apocalípticas de banqueiros internacionais onipotentes, conspirando com oficiais governamentais sem escrúpulos, para impor esquemas ardilosos sobre um mundo desconhecedor e confiante.” (Rockefeller, pp. 410-1).

Denis Healey escreveu:

Nos EUA eles [os membros do Grupo Bilderberg] foram atacados como um esquema esquerdista criado para subverter os EUA, mas na Europa eles foram atacados como um esquema capitalista feito para fragilizar o socialismo.  (Healey, p. 196)

Na verdade, ambas as declarações estão corretas, excetuando a estranha idéia - sem dúvida, criada pelos socialistas como manobra de diversão - de que as atividades do Grupo iriam, de alguma forma, 
"fragilizar o Socialismo". A realidade dos fatos é que o Grupo Bilderberg tem sido uma operação socialista desde a sua criação. Levando em conta tudo o que se sabe, o Grupo Bilderberg é uma idéia do socialista polaco Joseph Retinger, que era um colaborador próximo da Sociedade Fabiana.

Sediado em Londres, Retinger havia sido responsável pela co-ordenação de vários ministros europeus que se encontravam no exílio durante a guerra. Depois da guerra, ele foi nomeado como secretário-geral de várias organizações que promoviam projetos socialistas tais como a 
"Independent League for European Co-operation"(ILEC) e a "European League for Economic Co-operation" (ELEC). Estas organizações foram financiadas por David Astor, e por interesses associados, e tornaram-se a força motora por trás do movimento por uma Europa unida.

O envolvimento de figuras de topo do mundo financeiro revela que o Grupo Bilderberg foi de fato uma criação de interesses financeiros. A diferença é que esses interesses não eram "capitalistas", mas 
socialistas. David Astor, que se tornou membro, era um dos líderes do pró-socialista Grupo Milner.

Outras figuras do mundo financeiro que participaram nos encontros Bilderberg desde a primeira conferência (1954) eram Socialistas Fabianos de longa data, tais como 
David e Nelson RockefellerJoseph E. Johnson, presidente do "Council on Foreign Relations" (CFR), criado pelos Rockefellers, e presidente do "Carnegie Endowment for International Peace", também controlado pelos Rockefellers; e Dean Rusk, diretor do CFR, diretor da Fundação Rockefeller, co-presidente do Grupo Bilderberg e (começando em 1961) Secretário de Estado Democrata, dos EUA.

A única pessoa mais ou menos capitalista presente era o presidente do Grupo, o Príncipe Bernhard da Holanda. No entanto, ele era controlado por Retinger que, como um antigo membro dos serviços secretos, tinha na sua posse informação relativa à vida pessoal de Bernhard, e claramente o tinha escolhido para esconder a trilha socialista.

O lado político era também dominado por socialistas, tais como Denis Healey e Hugh Gaitskell do Comité Executivo da Sociedade Fabiana. Healey era também membro e mais tarde presidente do 
"Fabian International Bureau Advisory Committee" bem como conselheiro do "Chatham House" (RIIA). O seu colega "Conservador", no comitê de liderança, era Reginald (“Reggie”) Maudling, Secretário do Tesouro de Churchill, e alguém que havia sido um apoiador-chave do programa de nacionalização do Partido Trabalhista. Membros franceses incluíam pessoas como Guy Mollet, Vice-Presidente da Internacional Socialista, controlada pela Sociedade Fabiana, líder da Seção Francesa do Partido Internacional (mais tarde, Socialista) dos Trabalhadores (SFIO), e alguém que depois se tornou Primeiro Ministro de França, e o seu assistente Jacques Piettem, do Comitê Executivo do SFIO.

A Sociedade Fabiana ocupou uma posição dominante na cena Socialista Internacional não apenas devido às suas ligações com os Rockefellers e com outros aliados poderosos americanos, mas também graças ao fato de ter sido uma das poucas organizações socialistas na Europa que permaneceu intacta durante a ocupação alemã.  Esta posição única permitiu que ela desse início à Internacional Socialista depois da guerra, e isso claramente se refletiu dentro do Grupo Bilderberg.
Igualmente clara é a relação entre os líderes Socialistas Fabianos e os interesses financeiros envolvidos. Enquanto que Retinger era subsidiado por David Astor, tal como já foi dito, Healey e Gaitskell desfrutavam de favores tais como incursões ao estrangeiro pagas por organizações controladas pelos Rockefeller (associado de longa data dos Astors), nomeadamente, a Fundação Ford, a Fundação Rockefeller, e a CIA.

Os interesses dos Rothschild também não estavam ausentes do comitê de liderança do Grupo Bilderberg. Eles têm sido fortemente representados por figuras tais como 
Sir Evelyn de Rothschild, da "N. M. Rothschild & Sons", e o seu primo Edmond de Rothschild, líder do grupo bancário privado "Edmond de Rothschild Group", com filiais em Paris e em Genebra.

David Rockefeller alega que o Grupo Bilderberg discute assuntos importantes "sem atingir qualquer tipo de consenso". Healey, que qualificou as conferências Bilderberg  de "muito valiosas", explica que o valor real de tais encontros está "nos contatos pessoais fora das salas de conferência".

De fato, estes contatos levam as coisas para outro lado, onde o consenso é de fato atingido. Foi num dos encontros Bilderberg que David Rockefeller se encontrou com o presidente do 
"Royal Dutch Petroleum", John Loudon, a quem ele nomeou presidente do "Chase Bank International Advisory Committee" (IAC) nos finais dos anos 60.

Oportunidades para se atingir consensos são também disponibilizadas pelos encontros anuais da
 Comissão Trilateral, outra operação Rothschild-Rockefeller que, para alegria expressa de Rockefeller, é um "vigoroso e eficaz colaborador na cena mundial".

Isto leva-nos a inferir, então, que a função principal de Grupo Bilderberg é o de servir de fórum preliminar para os encontros da Comissão Trilateral e eventos relacionados. Mas isto não quer dizer que as conferências Bilderberg são só conversa. Elas já produziram projetos favorecidos pelos interesses financeiros internacionais, tais como o Tratado de Roma de 1957, que criou a Comunidade Econômica Européia (CEE), isto é, "mercado comum",  e continua a ser um ponto de encontro importante onde projetos similares (que levam ao governo mundial) são discutidos sem a participação ou conhecimento do público em geral.

O papel do Grupo Bilderberg nos esforços feitos rumo ao governo mundial foi confirmado pelo importante fabiano Healey, co-fundador da Internacional Socialista e do Grupo Bilderberg, que admitiu que o grupo tem como propósito atingir 
“um governo mundial unido” .

À luz dos fatos acima mencionados, a identidade e os objetivos da Sociedade Fabiana. representados pela Internacional Socialista e por partidos tais como o Partido Trabalhista, por um lado, e os objetivos e interesses financeiros internacionais, representados pelas Nações Unidas e pelo Grupo Bilderberg, por outro lado, tornam-se indisputáveis.

Referências: "The truth about the Fabian Society" http://bit.ly/SKpx0x

Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

3 comentários:

Italo Salomão disse...

Um Governo Mundial com apoio irrestrito de Roma. Tudo em nome da paz no mundo. Domingo da família, Ecumenismo e Ecomenisno. E a humanidade caminha rumo ao precipício. As Escrituras Sagradas e suas profecias falam detalhadamente acerca de tudo isso.

Anônimo disse...

O Socialismo Fabiano é mais insidioso para o Brasil que o Comunismo representado pelo PT, porque seus métodos pacíficos conquistam mais os brasileiros que a baderna e método violento

Anônimo disse...

O socialismo fabiano é mais insidioso que o comunismo, preconizado pelo PT, pelos seus métodos pacíficos, que conquistam mais os brasileiros que baderna e método violento, e porque parece uma maneira razoável de humanizar o capitalismo.