segunda-feira, 3 de julho de 2017

Foi-se o Martelo (2)


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

As piadas sobre o comunismo são o mais estranho, engraçado e talvez até o mais significativo dos legados daqueles oitenta anos de experimentação política, na Rússia e no Leste Europeu. Ben Lewis, em seu livro “Foi-se o Martelo”, conta o que realmente aconteceu nesse período por meio das piadas e das histórias das pessoas que as contavam – muitas delas acabaram no Gulag, embora outras tenham desfrutado de altos cargos ou se tornaram estrelas do teatro e do cinema.
    
Culturalmente significativa, esta é a história de um sistema político que deixou, além das piadas, muitas perguntas sem respostas.
    
O comunismo foi uma teoria para a criação de uma utopia nacional, colocada em prática por algumas das maiores figuras históricas do século XX e imposta às populações em grande e pequena escala. Produziu a maior luta ideológica do século XX. Existem dezenas de livros sobre o assunto. Mesmo assim, dá-se pouca atenção a um de seus produtos 

-----------------------------------------------

- Um novo prisioneiro chega ao campo, onde os amedrontados prisioneiros criaram um sistema de contar piadas simplesmente dizendo um número. O recém-chegado junta-se a um grupo no alojamento.  “Quarenta e três”, diz um deles. E todo mundo morre de rir.  “Cinqüenta e sete”, diz outro, e há uma explosão de gargalhadas. O novo prisioneiro entra na conversa: ”Trinta e dois”, diz ele. Silêncio. Ninguém ri. “Trinta e três”, ele experimenta. “Trina e quatro”, “trinta e cinco”. Continua o silêncio. Então ele olha para os novos companheiros: “O que eu fiz de errado? Porque vocês não riem?” “Não é nada contra você”, diz um deles. “É o jeito que você conta”.
    
- Um novo prisioneiro chega ao campo. Os internos começam a perguntar de quantos anos é a sua sentença.      “Vinte e cinco anos”, respondeu o novato. “Pelo que”?”      “Nada. Não fiz nada. Sou inocente”.  “Não me venha com essa história. Os inocentes pegam só 5 anos”.
    
- Um operário é sentenciado a 15 anos de prisão por chamar o Secretário local do Partido de idiota. Depois da leitura da sentença, o advogado deles protesta, dizendo que o Código Penal prevê o máximo de 5 anos por ofensas desse tipo. O Juiz o corrige: “Nós não condenamos o réu por ofender o Secretário, mas por divulgar um segredo de Estado”.
     
- Qual a diferença entre Stalin e Roosevelt? Roosevelt coleciona as piadas que as pessoas contam sobre ele. Stalin coleciona as pessoas que contam piadas sobre ele.
        
- Na Alemanha nazista, um auxiliar de Goering invade o gabinete e informa que há uma emergência no prédio. “Um cano estourou no Ministério da Aeronáutica!” Goering responde: “Rápido! Tragam meu uniforme de Almirante”. E colocou uma seta na frente do uniforme, sob todas as medalhas, que dizia: “Continua no verso”.
        
- Ainda haverá uma força policial quando alcançarmos o comunismo pleno? Não. Até lá as pessoas terão aprendido a prender a si mesmas.
        
- Quem descobriu o barbeador elétrico? Ivan Petrovich Sidorov ... no lixo da embaixada americana.
        
- Há dois retratos na parece do museu: um do cientista Ivanov, que inventou a locomotiva, o barco a vapor e o avião, e outro do cientista Petrov, que inventou o cientista Ivanov.
       
- Em algum lugar da Sibéria, três prisioneiros estão conversando e chegam ao porquê de suas deportações. “Estou aqui porque sempre chegava à fábrica cinco minutos atrasado. Por isso me acusaram de sabotagem, diz o primeiro. “Estranho  “, diz o segundo. “Estou aqui porque sempre chegava à fábrica cinco minutos adiantado, e por isso me acusam de espionagem”. “Não me digam”, diz o terceiro surpreso. “Estou aqui porque chegava à fábrica pontualmente, todo dia. Por isso descobriram que eu tinha um relógio fabricado no Ocidente”.
      
-  Dois amigos estão andando pela rua. “O que você acha de Stalin?”, o primeiro pergunta ao segundo. “Não posso dizer aqui. Precisamos ir a algum local privado”. Ele conduz o amigo a uma rua escondida. “Aqui você pode me falar”, diz o primeiro. “Não. Não é seguro. Siga-me”. Eles entram no pátio central de um prédio de apartamentos. “Certo. Aqui então”. “Não. É público demais. Siga-me”. E os dois amigos descem uma escada até o escuro porão do prédio. “Aqui ninguém vai nos ouvir. Pode falar o que você acha realmente de Stalin”. “Está bem. Na verdade eu gosto muito dele”.
      
- Um Secretário do Partido ouve risos atrás da porta de um tribunal. Ele abre a porta e vê um Juiz sentado à mesa, sobre o tablado, se contorcendo em risos. “Qual é a graça?” pergunta o Secretário. “Acabei de ouvir a melhor piada de toda a minha vida”, diz o Juiz. “Conte”. “Não posso”. “Porque não?” “Porque acabei de condenar uma pessoa a 5 anos de trabalhos forçados por fazer isso’.
      
- Só no fim d guerra traços de desprezo e amargura s insinuam nas piadas sobre o nazismo. Quando os aliados arrasaram suas cidades, os alemães brincaram: ”Diga-me, o que você vai fazer depois da guerra” “Vou voltar para a grande Alemanha”. “E o que vai fazer à tarde?”
      
- Dois judeus têm um plano paa assassinar Hitler. Descobriram que ele passam, de carro, tidos os dias por uma cera esquina e ficam lá, esperando, com armas bem escondidas. Exatamente ao meio-dia estão prontos para atirar, mas não há sinal de Hitler. Cinco minutos depois, nada. Mais cinco minutos se passam e Hitler não aparece. Às 12:15 eles começam a perder as esperanças. ‘Meu Deus!” diz um dos homens, “Espero que não tenha acontecido nada com ele”
      
-  Um dia, quando o Fuhrer visita uma cidade, um grupo de garotinhas vem cumprimentá-lo com buquês de flores. Uma delas oferece um buquê de junco muito verdes. “O que eu faço com isso?” perguntou Hitler. “Coma”, diz a garotinha. “As pessoas dizem que os bons tempos só vão voltar quando o Fuhrer estiver comendo grama pela raiz”.
      
- Em 1945, os noruegueses perguntaram: “Por que Rommel foi chamado de volta para defender Berlim?” Porque ele é um especialista em batalhas no deserto.
       
- Um tcheco diz a um amigo: ”Você sabe o que aconteceu comigo ontem à noite? Eu cheguei em casa e encontrei minha mulher na cama com um Oficial russo”. “E o que você fez?” perguntou o amigo. “Saí na ponta dos pés. Por sorte não me viu”.
      
- Um trabalhador conta a um colega que ele foi a um prédio do governo à procura do Departamento que lhe daria um aumento de salário, por merecimento. Quando entrou no saguão, deparou-se com duas portas. Em uma estava escrito “alemães”. E na segunda, “outros”. Ele entrou na segunda e, além dela mais duas portas. Uma com uma placa de “casados”. E outra de “solteiros”. Ele entrou na primeira, mas depois apareceram mais portas. Uma marcada com “um filho”, e outra com “dois filhos”. E assim por diante. Ele entrou nas portas apropriadas e a aventura continuou. “E depois, o que aconteceu?” perguntou o colega. “Nada! Mas isso é o que chamo de organização!”
      
- Walter Ulbricht, o primeiro líder comunista da Alemanha Oriental, está num restaurante. Uma das garçonetes flerta com ele. Ulbricht se encanta e diz: ”Vou realizar um desejo seu”. Ela pensa e diz: “Abra os portões do Muro por um dia”. Ulbricht pisca para ela: “Quer ficar sozinha comigo, hein?”
     
- Um Secretário do Partido, conversando um agricultor, pergunta: “Eu soube que você vai à Igreja todos os dias”. “Sim. Isso mesmo”, diz o agricultor. “Faço isso desde a infância”. “Me disseram”, continua o Secretário, “que todas as vezes você se ajoelha  em frente a cruz e beija os pés de Jesus”. “Isso mesmo, é um ritual católico”, diz o agricultor. “Mas você é um membro do Partido. Você beijaria os pés do líder do nosso Partido?” “Sim. Contanto que estivesse pregado em uma cruz”.
      
- Os poloneses tinham uma piada especial para o fim da guerra: “Um alemão, um russo e um polonês estão sentados, tomando chá. De repente, um gênio sai de um bule. “Vou conceder um desejo a cada um”, diz ele. “Quero que a União Soviética seja totalmente varrida do mapa”, diz o alemão. “Quero que a Alemanha seja arrasada”, diz o russo. Ambos olham para o polonês, que suspira: “E eu queria uma boa xícara de café”.
      
- Um estrangeiro chega a Soroksar e vê que imensos pedestais de estátuas estão sendo reunidos. Ele pergunta a um morador local: “Diga-me, que estátuas serão colocadas em cima desses pedestais?” “Bem. O Primeiro terá Rakosi; o segundo Stalin; o terceiro Mindzensty; e o quarto Eisenhower”. “Que estranha seleção!”. “Sim, mas as estátuas estão sendo erguidas com dinheiro público, e o povo quis que, em vez do nome, uma frase da oração do Pai-Nosso fosse escrita em cada pedestal, de tal modo que, se alguém não reconhecesse essas pessoas pelo rosto, saberia, mesmo assim, a quem as estátuas representam”. “Mas, como é possível?” “Em baixo de Rakosi nós escrevemos: “Pai Nosso”. Em baixo de Stalin: “Que estais no céu”. Em baixo de Mindzensty: “Santificado seja o vosso nome”; e em baixo de Eisenhower: “Venha a nós o vosso reino”.
      
- Há um novo fenômeno na praça: até os secretários e funcionários do Partido estão contando piadas reacionárias. Sabe por quê? Por que? Porque querem ficar perto das massas”.
      
- Um cara está atravessando a Praça Vermelha num pé só. ? ”Ei”, grita um amigo. “Perdeu um sapato?” “Não. Encontrei um”.
      
- Por que não é possível controlar o índice de natalidade nos países do Bloco soviético?” Porque os meios de produção ainda continuam nas mãos da iniciativa privada.
      
- O marxismo-leninismo é uma ciência? Não. Se fosse teriam testado em animais primeiro.
      
- Quais os componentes fundamentais do Programa Espacial Soviético? Tecnologia alemã, urânio tcheco e um cachorro russo.
      
- Qual a piada mais longa do mundo? O discurso de Kruschev no XXII Congresso do Partido sobre a alta do padrão de vida.

Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

2 comentários:

samuel disse...

O campeão: ...do museu: um do cientista Ivanov, que inventou a locomotiva, o barco a vapor e o avião, e outro do cientista Petrov, que inventou o cientista Ivanov.

samuel disse...

2o. melhor: Um cara está atravessando a Praça Vermelha num pé só. ? ”Ei”, grita um amigo. “Perdeu um sapato?” “Não. Encontrei um”.