quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Paradoxo


“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Um homem brilhantíssimo, perguntou-me recentemente: por que dona Onça conversa com um grupo de patriotas? - que ele considera ser formado por loucos.

Respondi que é melhor falar com loucos e não, com idiotas.

Algumas ideias de aparência extravagante, pela dinâmica da degradação nacional, tornam-se exequíveis.

Urge uma intervenção moralizadora.

Não é possível assistir bovinamente haver dinheiro para campanhas e faltar para as forças armadas.

Os acontecimentos externos talvez nos forcem a resolver manu militari a crise na Venezuela. Nosso país está sendo invadido por milhares de pessoas desesperadas em busca de comida e segurança pessoal.

Nosso desgoverno bostífero é covarde. Não tem coragem nem de acabar com a “bolsa bandido” enquanto falta tudo em nossos hospitais.

Pela incomensurável bondade de Deus, podemos nos emendar com providências violentas pontuais.

Alguns fuzilamentos de traidores, cadeia pros ladrões e borrachadas para idiotas que expõem nas redes sociais sua condição abjeta.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

3 comentários:

jomabastos disse...

"Nosso desgoverno bostífero é covarde. Não tem coragem nem de acabar com a “bolsa bandido” enquanto falta tudo em nossos hospitais."

"Bolsa Bandido"? Defina esta dupla de palavras.

Se falta tudo nos hospitais, como todo mundo pode confirmar, porque não cortar nos salários e mordomias dos políticos. Que tal colocar o salário dos políticos igual ou inferior aos dos professores universitários? Que tal acabar com as exageradas mordomias dos políticos e seus assessores? Que tal cortar na quantidade de deputados federais, estaduais e vereadores municipais?

Anônimo disse...

Urgência, urgentíssima.

O livre pensador C.M. Mantiqueira expressa com elegância e argumentos sensíveis por que se deve trilhar este caminho. O apoio dos leitores é manifesto e irrestrito. Mas, só de apoios não se vive. Propósitos têm que ser acompanhados das ações a tomar.

Já passou da hora do prezado Editor Titular avançar e indicar como se fará, como se mobilizar, como atuar. Tudo, claro, dentro do regulamento existente deste jogo que se está jogando. A repetição diária da urgência, sem indicação das etapas tem sido cansativa.

Não bastam os artigos e esforços do presidente do Clube Nacional ou a militância bem humorada do J.M.C. Alves. Para usar expressão moderna que não me agrada: é preciso "mais proatividade".

Ronaldo Fonseca disse...


Concordo com Urgência, urgentíssima. Mas, quem organizará a proatividade ?

Estou cansado de muita "virtualidade". fonseca.!!!.