segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Não Rio do Rio


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

A degradação de vida dos usos e costumes chegou a tal ponto no Estado do Rio de Janeiro que da alienação da copa, das olímpiadas, e do festival de rock, passa-se à corrupção e por via direta ao sistema que assusta a todos os brasileiros e principalmente estrangeiros. Com a queda brutal de receitas,e redução dos empregos, as favelas fazem parte de um estado paralelo que por mais de meio século comanda as linhas mestras da macrocriminalidade, em particular comércio de drogas.

Mas como um Estado abençoado pela natureza e rico de paisagens belas pode se desconfigurar a ponto de ter mortes diárias, tiroteios e apoio logístico das forças armadas. Não haverá solução se não existir o combate à causa do problema e não suas consequencias que irradiam violência, insegurança e a fuga em massa de cariocas para outros estados e até
mesmo para o exterior.

Calcula-se sem medo de se cometer equivoco que nos últimos vinte anos mais de um milhão de cariocas deixaram o estado do rio de janeiro, fortemente pela insegurança, pelo abandono e a forma de se comportar do governo que prejudicou milhões de fluminenses, deixando de pagar em dia salários de servidores, não abastecendo hospitais, pronto socorro, ou dando condições de estudos nas escolas.

Não se discute que a situação dos morros e favelas é fruto de uma omissão reiterada, cuja política da polícia pacificadora foi mais uma estória para inglês ver, uma forma de alienação, já que hoje prevalece tiro, fuzil e granadas jogadas durante o dia,agregando menores e crianças que vislumbram no poderio do trafico uma chance de vida profissional de futuro.

Em primeiro lugar o Estado precisa ser honesto e entrar de cabeça num programa de terminar as favelas e construir casas populares, oxala um plano minha casa minha vida que deslocasse a maioria da população e findasse o acesso aos inóspitos locais. Em segundo mapear os criminosos que se cercam dos locais para dominar e obter pelo cometimento de ilícito fortunas incalculáveis. Por fim prender e colocar em presídio de segurança máxima e de ordem federal proibindo qualquer contato via celular.

Enquanto a bandidagem transmitir ordens para queimar ônibus e incendiar casas e eliminar policiais, o Estado mostrará sua fragilidade, debilidade e acerto de contas que precisa fazer imediatamente com a sociedade. Assim é porque eu não rio do Rio de Janeiro que chegou ao caos, ao estado falimentar e em breve com suas contas públicas dilapidadas pelos assaltos aos cofres públicos terá que renegociar sua dívida e pô-la em ordem em alguns anos para parar de pagar a dívida junto à União.

Ao que tudo indica o Rio ficará sob permanente monitoramento e fiscalização pela União. Os governos que por ali passaram foram cruéis não olharam à população e se deram ao luxo de roubar em grandes escalas. Qualquer prognóstico para consertar o Rio é mero exercício de futurologia. Lembro que na década de 1990 do exterior lia a violência no Rio nos jornais estrangeiros e conversava com especialistas os quais nos adiantavam que a  situação era excepcional, passageira e transitória.

No entanto, nada disso, bem longe dessa circunstância o que observamos no dia a dia é uma cidade sem serviço público, sem escolas e qualquer boa cidadania em atenção ao eleitor que fora dezena de vezes enganado e
tornado refém da criminalidade organizada em duplo perfil, do governo e também dos que se situam numa estrutura a mais perversa que trazem drogas, fuzis, aliciam policiais, subvertem a ordem e ridicularizam a cidadania.

O Estado carioca se tornou impotente e incapaz de gerar força segurança à altura do crime organizado. Assim, a União deveria decretar o estado de emergência, criar uma força tarefa por 90 dias e derrubar de uma vez por todas as raízes do crime que atinge favelas, morros e muitos setores, afugenta turistas, fecha hotéis, restaurantes e reduz dia a dia o número de estabelecimentos comerciais.


O plano a ser feito é esse não há outro. Caberá ao governo federal assumir as rédeas da situação, implodir o crime organizado, vigiar as estradas federais, manter ocupação nos morros e favelas, com as forças nacionais.
O custo será sim elevado, mas permanentemente findará uma das mais dantescas e surrealistas circunstancia que nos ridicularizam no Brasil e lá fora.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

2 comentários:

Anônimo disse...

A MÉRDA NÃO É APENAS NO RIO... A DIFICULDADE DE ENCONTRAR UM JUIZ OU DESEMBARGADOR QUE NÃO ESTEJA PROTEGENDO ESSES BANDIDOS É ENORME E ACONTECE NO PAIS INTEIRO... SE VOCÊ TRABALHOU E NÃO RECEBEU ISTO É TRABALHO ESCRAVO, A LEI NO CASO DEVERIA SER INTERPRETADA E APLICADA IGUALMENTE DAS PENSÕES ALIMENTICIAS, DESPROVIDOS DE ALIMENTOS O TRABALHADOR TEM DIREITO A DANOS MORAIS POR CONSTRANGIMENTO, POIS ESTAVA TRABAALHANDO E NÃO PEDINDO ESMOLAS... EM TODOS OS MUNICIPIOS DOS ESTADOS O JUDICIARIO SABE, MAS AGE DO TIPO DE QUANTO PIOR MELHOR... AI DE QUEM TIVÉR CÚ PARA DENUNCIAR ESSES CAMBALACHOS... SEM PRESSA ALGUMA ESSES GOLPES QUE RENDEM BILHÕES CHEGAM A DURAREM ATÉ 30 ANOS, MAS COMO UM CIRCULO VICIOSO,TODOS OS DIAS FAZEM AQUELA FESTA... NO RIO OS FAMOSOS BICHEIROS SEMPRE FORAM IDOLATRADOS E NA ÉPOCA OS BARRACOS FORMAVAM FAVELAS, DEPOIS QUE O NARCOTRAFICO ASSUMIU A BRONCA ESSAS FAVELAS SE TRANSFORMARAM EM GRANDES CIDADES COM CASAS DE LUXO, MAS A COISA É ASSIM,CEGO, SURDO E MUDO, A LEI DO MORRO É BARRA PESADA SE VACILOU LEVOU RAXADA...

Anônimo disse...

O RIO DE JANEIRO ESTÃ SERVINDO DE ALERTA PARA O QUE REALMENTE AS AUTORIDADES ESTÃO TRAMANDO, ESSAS ATIVIDADES ILICITAS OCORREM EM TODO O TERRITÓRIO, NÃO EXISTE BANDIDO QUE VENÇA AS POLICIAS, O PROBLEMA É QUE O JUDICIARIO AMARRA AS MÃOS DAS POLICIAS E PROMOTORES QUE AINDA NÃO ESTÃO CONTAMINADO POR ESSA MAFIA... NO ESTADO DE SÃO PAULO ELES ESTÃO COM OUTRO GOLPE PERPETUADO POR MAIS DE TRINTA ANOS, ALÉM DO, NARCOTRAFICO, CONTRABANDO E OS JOGOS ILEGAIS O USUCAPIÃO DE AREAS DE DOMINIO PUBLICO ESTÃO ENCHENDO A BURRA DE POLITICOS, PROMOTORES, JUIZES, DESEMBARGADORES E OUTROS FUNCIONARIOS PUBLICOS... PARA QUEM DENUNCIAR??? ALGUÉM AI SE HABILITA TOMAR AS DORES E OUVIR 2 OU 3 EXEMPLOS COM NOMES, ENDEREÇOS E ATÉ TELEFONE???