terça-feira, 3 de outubro de 2017

Eleitor também é culpado


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Hélio Duque

As pesquisas que vêm sendo divulgadas nessa antevéspera da eleição presidencial de 2018 demonstram que escrúpulo, ética, caráter, honestidade, integridade e decência têm pouco valor para muitos brasileiros. Vivem em um mundo onde as pessoas pensam no seu próprio egoísmo, negando a capacidade de se somarem aos grandes valores democráticos.

É um caminho seguro para enveredar por rota autodestrutiva, ignorando a realidade, onde o clientelismo e a corrupção estatal e privada transformaram as eleições, os governos e os partidos políticos em instrumentos de enriquecimento dos grupos oligárquicos e corporativos detentores influentes no poder.

Em 1898, nos primeiros anos da República, o escritor e poeta Olavo Bilac já alertava que a mentira na política teria vida longa. Afirmava: “É preciso antes de tudo ter força de saber mentir e transigir. Diante do eleitorado, que poderia eu dizer? A verdade? Mas o eleitorado, aceso em justa cólera, me correria a pedradas”.

No Brasil, após a redemocratização de 1985, o diagnostico do ilustre brasileiro tem grande atualidade. Nas eleições brasileiras, o embuste refletido nos programas hollywoodianos, produzido pelos marqueteiros e o dinheiro abundante anestesiando o eleitorado gerou a realidade da corrupção sistêmica.
                  
Quase um século depois de Bilac, o advogado Joaquim Falcão, diretor da Faculdade de Direito da Fundação Getúlio Vargas, no Rio, radiografa: “Existe quase um consenso sobre o culpado pela corrupção, pela ineficiência da administração pública, pelos déficits, pelos maus serviços públicos, pela violência. O culpado é o governo. Qualquer que seja. São os políticos. Alguns podem até ser. Mas apenas eles? Afinal, quem os coloca lá são os eleitores. Podem os eleitores lavar as mãos?”
                  
A proliferação das organizações corruptas na vida política nacional não tem, pelo visto, um único responsável. A sociedade através segmentos das elites política, empresariais, intelectuais, religiosas e setores populares são agentes ativos no enfraquecimento do Estado democrático. Fato agravado nesse cenário de atraso, pela urgência de um novo tipo de populismo.

É o neopopulismo da fé, renegando todos os fundamentos iluministas, em nome da religião. Seitas criam partidos políticos, inundando a vida pública, com inegável êxito. E mais: uma elite burocrática e corporativa, nos três poderes, garantidor dos interesses dos servidores do Estado tem valor absoluto na consolidação dos seus privilégios.
                  
Em uma sociedade claramente despolitizada, o populismo emerge alicerçado na demagogia. Ideologicamente pode ser de direito ou de esquerda, oferecendo sempre soluções fáceis para problemas complexos. Disso decorre ser fundamental eleger sempre um inimigo para afirmar-se dialeticamente como valente defensor do povo e dos excluídos. Populismo e demagogia são irmãos siameses. O demagogo populista não tem adversários nos embates políticos, tem inimigos que devem ser abatidos. A grande vítima é o Estado democrático.
                  
É oportuno relembrar o estadista inglês Winston Churchill, intransigente defensor da democracia, celebrizando que é a melhor forma de governo, apesar das imperfeições. Pouco conhecida e divulgada é a sua observação de que o melhor argumento contra a democracia é uma conversa de cinco minutos com um eleitor normal. O que levou o escritor português João Pereira Coutinho a sintetizar: “Convém não canonizar o eleitor como poço de sabedoria ou tolerância.”

Hélio Duque é doutor em Ciências, área econômica, pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Foi Deputado Federal (1978-1991). É autor de vários livros sobre a economia brasileira.

3 comentários:

Anônimo disse...

Se o eleitor for enganado e eleger um bandido as autoridades competentes tem o dever de o caçar e o colocar na cadeia... porque não o fazem??? O acumulo de salários e de privilégios milionários é o que fazem essa porra empacar... Quantas aposentadorias HELIO Duque e família recebem??? O bandido do passado é pior do que o de agora...

Anônimo disse...

Me desculpem a franqueza... mais ou você é alienado ou mal caráter mesmo... ninguém escolhe POLÍTICO algum... as eleições são FRAUDADAS... as institutos de pesquisa servem pra dar legitimidade a fraude eleitoral... Esses institutos nem disfarçam mais... a FRAUDE ESTÁ ESCANCARADA... Pense mais antes de ofender o povo, que já está de saco cheio... QUEREMOS INTERVENÇÃO MILITAR E NÃO ELEIÇÕES FRAUDADAS

Loumari disse...

O que nos faz falta é: "O MACLA. O que significa agrupamento cristalino de dois os mais indivíduos da mesma substância, com orientação reciproca bem definida",

Como expressa a palavra de Deus na Sagrada Bíblia:

Mas isto lhes ordenei, dizendo: Dai ouvidos a minha voz, e eu serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo; e andai em todo o caminho que eu vos mandar, para que vos vá bem.
Mas não ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos, mas andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração malvado; andam para trás e não para diante.
Desde o dia em que vossos pais saíram da terra do Egipto, até hoje, enviei-vos todos os meus servos, os profetas, todos os dias, madrugando e enviando-os;
Mas não me deram ouvidos, nem inclinaram os seus ouvidos, mas endureceram a sua cerviz, e fizeram pior do que seus pais.
Dir-lhes-ás, pois, todas estas palavras, mas não te darão ouvidos; chamá-los-ás, mas não te responderão.
E lhes dirás: Uma gente é esta que não dá ouvidos a voz do Senhor, seu Deus, e não aceita a correcção: já pereceu a verdade, e se arrancou da sua boca.
(JEREMIAS 7:23)


Mas eles todos se embruteceram e se tornaram loucos: ensino de vaidades é o madeiro. (JEREMIAS 10:8)


Antes, andaram após o propósito do seu coração, e após os baalins (BRUXOS), que lhes ensinaram os seus pais.
Portanto, assim diz o SENHOR DOS EXÉRCITOS, DEUS DE ISRAEL: Eis que darei de comer alosna a este povo, e lhe darei a beber água de fel.
(JEREMIAS 9:14)


A tua perversidade e as tuas abominações tu levarás, diz o Senhor.
Porque assim diz o Senhor JEOVÁ: Eu te farei como fizeste, que desprezaste o juramento, quebrantando o concerto.
(EZEQUIEL 16:58)