terça-feira, 3 de outubro de 2017

STF acabará com cartório Partidário?


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Quarta-feira pode ser um dia decisivo para o futuro político brasiliano. O Supremo Tribunal Federal decidirá se temos direito a uma participação política sem um partido político como intermediário indevido e ilegítimo. A candidatura avulsa, sem a obrigatória filiação partidária, é legítima. Basta considerar o primado do indivíduo sobre os “cartórios” estatais. Isto acontece em países civilizados e democráticos. Precisa também valer no Brasil de duvidosa segurança do Direito.

Apenas países com cultura autoritária, estadodependentes, proíbem o direito de o cidadão se candidatar livremente. Ninguém deveria ser obrigado a se filiar aos cartórios políticos para exercer o dever e o direito de atuar diretamente na Política. O artigo 5º, XX, da Constituição deixa claro que ninguém pode ser obrigado a se associar para exercer seus direitos e garantias fundamentais. Portanto, o STF nem tem muito que interpretar para libertar o cidadão da cartorial ditadura partidária.

A Constituição só considera cláusula pétrea – que não pode ser alterada - o voto secreto, secreto, universal e periódico. O texto constitucional (feito para regular tudo) esqueceu de considerar imutável a obrigatoriedade de filiação partidária para disputar uma eleição. A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, chamou a atenção para isso quando enviou ao Supremo um parecer favorável à constitucionalidade das candidaturas avulsas (sem filiação partidária). O relator da questão, Luis Roberto Barroso, já cansou de declarar que a Carta de 1988 não contempla a “Democracia dos Partidos”...

O supremo debate sobre a liberdade política vai abrir uma outra discussão, também profunda, sobre a adesão do Brasil ao Pacto de São José da Costa Rica. Também conhecido como Tratado Interamericano de Direitos Humanos, em seu artigo 23, deixa claro que não se pode condicionar a uma filiação partidária o livre direito de um cidadão votar e ser eleito. Como o Brasil aderiu ao Pacto em 1992, com anuência do Supremo, agora surge mais uma oportunidade de reafirmar ou não sua legitimidade de cumprimento.

Quem vale mais: o Pacto transnacional ou a nossa Constituição? Defensor do direito a uma candidatura avulsa, livre dos partidos, o jurista Modesto Carvalhosa, em recente artigo ao jornal O Globo (reproduzido neste Alerta Total), chama atenção para um fato objetivo: A prevalência do Pacto de São José sobre a Constituição, naquilo que for mais benéfico ao cidadão, está consolidada na Súmula Vinculante 25 do STF. Já deu para sentir que o assunto dará pano para manga da toga... Também renderá mais um debate sobre a extensão da soberania nacional – que costuma deixar nossos militares eletrizados...

Enfim, é inegável o direito à candidatura livre, sem intermediação obrigatória dos partidos políticos – com a imagem desgastada pela falta de democracia interna e acusados de práticas de corrupção, como se fossem organizações criminosas que usam e abusam da politicagem. A maioria ou unanimidade do Supremo não terá outra opção exceto repetir que vale o que está claramente exposto no artigo primeiro da sexta Constituição do Brasil. Todo poder emana do povo e pode e deve ser exercido diretamente pelo cidadão.

Se não houver embromação de algum pedido de vista do processo, a decisão do STF sai na quarta-feira e promove, na prática, a maior reforma política de todos os tempos. Tomara, também, que na mesma quarta, a maioria suprema reafirme a amplitude da Lei da Ficha Limpa, deixando claro que processado e condenado por corrupção não possa disputar eleição. Militantes e Militares estarão mais ligados que nunca na TV Justiça, aguardando os finalmentes dos acontecimentos no Supremo...

Independentemente da decisão do STF, quem precisa tomar vergonha na cara é o eleitor. Não adianta ser livre para continuar votando erradamente, escolhendo o pior de uma escória para representá-lo politicamente. No Brasil, devemos parar de repetir a falsa máxima de que “a voz do povo é a voz de Deus”... Após cada eleição, fica claro que estamos sacaneando o Criador...

Além disso, é hora de entrar firme em duas campanhas. A primeira pela urna eletrônica com impressão total dos votos para conferência. A segunda é o compromisso ético de reeleger ninguém em 2018.

Já passou da hora de mudar e renovar o Brasil.

Leia, abaixo, os artigos de Hélio Duque e Modesto Carvalhosa: Eleitor também é culpado e Participação Política sem Partidos

Grande Vigilância


 

Especialíssimo


 

Problema profundo


 

Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 3 de Outubro de 2017.

4 comentários:

Anônimo disse...

Bom dia.

Considerando que dos 513 deputados, apenas 38 foram eleitos (o resto entrou "puxado"), não sei até que ponto é justa a colocação que o Brasileiro reelege, discordo, o Brasileiro renova o congresso, mas essa renovação não é permitida pelas regras do jogo.

Anônimo disse...

COM MÁQUINAS DE VOTAR SEM VOTO IMPRESSO SÓ RESTAM AS FORÇAS ARMADAS PARA SALVAR O BRASIL DA SANHA COMUNISTA.
Aqui:
http://aluizioamorim.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

Já tem um motivo para conseguir um atestado médico quando for preso. Uma crise de consciência, nem pensar!

jomabastos disse...

Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes.
Para que se viva em democracia, os representantes do povo deverão ser livremente eleitos pelo povo. O povo, por uma questão democrática, não poderá ser obrigado a eleger aqueles representantes que os partidos políticos querem e desejam impor ao povo.
Temos direito a uma participação política sem um partido político como intermediário indevido e ilegítimo.
Então, a candidatura avulsa, sem a obrigatória filiação partidária, é legítima.
A não acontecer esta liberdade de o povo escolher livremente os seus representantes, poderemos dizer que estamos a viver em uma ditadura.