terça-feira, 26 de dezembro de 2017

China compra Brasil como antes os EUA compraram o Alaska


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Todos já observaram as frequentes visitas de empresários e autoridades chinesas interessados em “negociar” com os brasileiros. E também com outros países do Continente. O Presidente chinês, Xi Jinping, por exemplo, não esconde o “carinho” que dedica às futuras “possessões” do seu país nessa região.

Mais parece que o seu intento seria tomar o lugar dos americanos no “coração” da economia sul-americana. Nesse sentido os “chinas” até já abandonaram o velho discurso marxista que condena a exploração imperialista de países ricos sobre países pobres. Mas... desde que os  exploradores passem a ser eles próprios.

O imperialismo chinês hoje é uma realidade. Seus tentáculos navegam pelo mundo. Pretendem dar um “Deixa Pra Lá” nos americanos, tomando o lugar deles.

Atento a essa realidade ameaçadora, o Deputado Federal Jair Bolsonaro alertou que “a China assume o controle de 20% do mercado de sementes de milho no Brasil” e que “O país  está perdendo o controle da sua produção primária e da sua própria segurança alimentar”.

Lembro que nos anos 60 eu cursava o “Clássico”, no Colégio Júlio de Castilhos (o “Julinho”), em Porto Alegre, época de “ouro” dos embates políticos estudantis, em que  os alunos se interessavam muito por essas questões. Havia correntes ideológicas para todos os lados, inclusive as mais radicais As discussões eram fortes. De vez em quando ”rolava-o-pau”.

Mas os “nacionalismos” da época se limitavam a criticar o domínio estrangeiro sobre o fornecimento de itens com alta tecnologia agregada.
Entretanto a realidade dos anos 60 ficou para trás. O domínio estrangeiro sobre a economia cresceu.

Não é mais somente sobre produtos de alta tecnologia. É também sobre a “baixa” tecnologia. Não escapa nem mais a produção primária e as commodities. A área de “serviços”, transportes, fornecimento de alimentos, etc.,em grande parte já passaram para os “gringos”. Portanto as acirradas discussões estudantis dos anos 60 passaram a ser brinquedo de criança perto da “entrega” total que se vive hoje.

Se as “esquerdas” do “Julinho” sonhassem com as peripécias políticas da esquerda moderna , certamente teriam grande decepção. Afinal essa nova esquerda é tão ou mais entreguista que a “direita”. A prova aí está. Deram de “mãos-beijadas” até os aeroportos.

As  “negociatas” e a corrupção correm soltas. A subavaliação dos bens privatizados continua sendo a regra. Retoma-se a política tucana entreguista e corrupta de FHC.

Ora, sabidamente quem domina a economia de um país domina o próprio país. Neste sentido Marx tinha razão: “o Governo é um comitê para gerir os negócios da classe dominante”. Essa frase foi um tiro que saiu pela culatra do pensador alemão.

Nunca ele imaginou que a “sua” esquerda iria agir igual àqueles a quem ele tanto criticava. A China ,que adotou o comunismo, hoje é “classe dominante”. Um “poder imperialista”.

Resumidamente, podemos afirmar sem medo de erro: um país PODE SER COMPRADO. No caso China-Brasil não seria uma compra direta, com “escritura pública”, ou similar. Mas está havendo uma compra indireta. Os chineses estão com muito dinheiro, num crescimento econômico espantoso. Com uma pequena fatia desse “bolo” poderá comprar o Brasil inteiro.

Basta comparar os respectivos PIBs de um e outro. Em 2016, o PIB da China foi de 11,2 trilhões USD. O do Brasil 1,7 trilhões USD. Quase 8 vezes menor. As privatizações “tupiniquins” que se anunciam, inclusive da Eletrobrás, vão ser uma festa para os “chinas”. Poderão comprar a estatal de energia com qualquer “trocadinho”.
A compra de um país por outro tem precedentes na história. Também ocorrem compras “parciais” de países, por exemplo, de uma fração do território. O caso do Alaska é típico e bom exemplo. Em 1867 o Alaska (1.600.000  Km 2), que pertencia ao Império Russo, na época com dificuldades financeiras, foi comprado pelos Estados Unidos pela “bagatela” de US$ 7.200.000,00, que corrigidos  dariam hoje cerca de 100 milhões .
Portanto a única diferença entre o que aconteceu com o Alaska de 1867 e o que está acontecendo no Brasil de hoje, em relação à China, reside em diferentes enquadramentos de rubricas contábeis. Quem domina a economia, domina o país. E quem domina o país pode ser considerado dono desse mesmo país.
Os brasileiros que se preparem para servir a seus novos donos e “senhores”: os chineses.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

4 comentários:

Eduardo disse...

So que não!
Tudo será desfeito quando da entrada dos Militares ...

jomabastos disse...


Comparar o investimento internacional num país com a compra do Alaska pelos americanos? É uma comparação sem sentido e sem fundamento. É querer ostracizar o Brasil. Esta Nação tem capacidade e potencial de ser auto-suficiente e de ser um dos maiores investidores e negociadores a nível internacional. Mas está completamente estagnada em todos os vetores, dominado pela corrupção governamental e rentista.
Quem domina as maiores praças financeiras mundiais, domina o mundo econômico. E isso já vem acontecendo há décadas. Quem domina a economia, domina economicamente e financeiramente um país? E quem domina um país pode ser considerado dono desse mesmo país? Não exageremos nem sejamos obtusos.
A América Latina é dominada essencialmente pela corrupção governamental, que por sua vez se deixa dominar pela alta finança internacional. A gestão econômica e financeira de um país, é controlada pelos seus governantes através de leis e impostos, que no caso do Brasil são políticos incompetentes e impregnados de corrupção. Basta uma muito boa governação para que esta Nação controle o investimento estrangeiro tão necessário ao Brasil. O problema é conseguirmos encontrar essa muita boa governação. Sejamos positivos!

Loumari disse...

No dia 19 de Dezembro de 2015 fiz aqui no Alerta Total no espaço dos comentários esta objectiva reflexão.
Comentei eu naquele o seguinte:

19/12/2015

Brasil ainda é país? País livre e independente?
Uma nação soberana e com moeda própria? Já nada disso é. Por que, e como, uma nação soberana se vê solvido e reduzido a condição de província de outra nação, e dependente da moeda de outra nação?
Hoje no Brasil, tudo está cotado no índice do dólar americano. No mercado mundial a moeda nacional brasileira, o real, está como dissolvido e substituído pelo dólar americano.
Em 2013 eu já tinha comentado que Brasil ia ser transformado em fonte de recurso para alimentar o FMI, BANCO MUNDIAL E O CLUB DE LONDRES.
Também tinha dito que Brasil como país está hipotecado que nem em 50 anos vai lograr liquidar a dívida.
E hoje constatamos que tudo no Brasil está cotado no índice do dólar americano, como se o Brasil fosse província de Estados Unidos.
E também há que precisar que o Banco do Brasil foi e segui sendo a Sede Central de desvios de fundos públicos, responsável de todos volúveis investimentos no estrangeiro, e é a central de lavagem de dinheiro.
Pelo que já se pode constatar, fundamentalmente, o Banco do Brasil já está em falência. E é devido a esta deficiência que o banco do Brasil tem confiscado o dinheiro dos seus clientes para manter as suas finanças a fluxo.
O Banco do Brasil está no estado de um edifício que cujas fundações já estão completamente roído pelos térmites e o desmoronamento pode ser iminente. Razão pela qual se dobrou face aos Estados Unidos para a maior gloria dos illuminatis que estão bancados no Congresso de Washington. Brasil já é um palco de jogo da Nova Ordem Mundial. Tudo o que Brasil produz é do bem dos USA. Podem nos explicar o que estão a fazer os navios da Marinha americana nas costas brasileiras?
No Brasil os árabes detêm quase toda a indústria agro-alimentar, os chineses entraram com investimentos nas indústrias mineiras e os Estados Unidos se encarregaram das transacções financeiras.
Devem prestar atenção ao detalhe que figura na carta de Fidel Castro a Hugo Chavez: o velhaco faz alusão ao povo do poder onde inclui os árabes. Sabem vocês por que os Estados Unidos foram se prostrar na cabeceira de Lá Havana?

Agora vejamos o que diz a Bíblia:

PROFECIA CONTRA MOAB (USA)

Assim diz o SENHOR JEOVÁ: como dizem Moab (USA) e Seir (Arábia): Eis que a casa de Judá é como todas as nações;
Portanto, eis que EU abrirei o lado de Moab, desde as cidades, desde as suas cidades, fora das fronteiras, a glória da terra, Beth-jesimoth, Baal-meon, e até Quiriataim.
Até aos filhos do oriente, à terra dos filhos de Amon (Brasil), a qual entregarei em possessão,
para que não haja memória dos filhos de Amon, entre as nações.
Também executarei juízos em Moab, e saberão que EU SOU O SENHOR.
(EZEQUIEL 25:8)


A zelos me provocaram com aquilo que não é Deus; com as suas vaidades me provocaram à ira;
(DEUTERONÓMIO 32:21)


OBS: Brasil Nação mais corrupta e mais corrompida e mais prostituta e mais transgressora do mundo. Com as suas igrejas que são sinagogas de Satanás, e seus pastores serpentes enganadoras. E este povo brasileiro, que gentes tão arrogantes! Eles dizem que deus é brasileiro. O seu deus brasileiro é vulgar prostituta. Foi leiloar o Brasil aos chineses e aos árabes.

Anônimo disse...

Não haveria nada de ruim nisso se não houvesse aqui um mercado tão fechado e cheio de monopólios e oligopólios.