quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

O Poder da Intervenção


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antônio José Ribas Paiva

De acordo com pesquisas isentas, mencionadas em palestra do Gen. Villas Boas, na Escola da Magistratura, 43% da população brasileira anseia pela INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL .
     
Isso significa que, tirando as crianças, 90 milhões de brasileiros adultos, a maior força política da história do Brasil, pretendem as REFORMAS INSTITUCIONAIS, que só podem ser feitas através da INTERVENÇÃO.
       
Essa força política impressionante está apavorando a classe política e os barões do serviço público, cujo Poder só pode ser mantido, se conseguirem embarcar no bote salva-vidas das eleições.
     
A POLARIZAÇÃO atual é entre os 90 milhões de intervencionistas e a insignificante e criminosa classe política.

Por tudo isso, ELEIÇÃO É GOLPE  do crime, contra o povo, que não podemos admitir!

Garante Constitucional

Qualquer regime político é mera concessão do Poder Armado.

As FFAA precisam garantir a limpeza e adequação da coisa pública, para depois ter o que garantir.

Atualmente, garantem, inadvertidamente, apenas o governo do crime.

INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL JÁ!!!


Antônio José Ribas Paiva, Jurista, é Presidente do Nacional Club.

Alucinações Petistas


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Maria Lucia Victor Barbosa

O Partido dos Trabalhadores sempre foi uma ilusão. Prometeu ser o partido mais ético do mundo, aquele que vinha para mudar o que havia de sujo na política, mas aperfeiçoou e levou a extremos nunca vistos a corrupção.

O PT criou uma figura populista, boa de lábia, adestrada em lides sindicais. A criatura foi endeusada, chamada de estadista e, simultaneamente, de pobre operário. Entretanto, Lula da Silva sempre foi uma farsa. Simulou ser de esquerda, mas deixou de lado a ideologia e enveredou pelo pragmatismo optando pelo lado de cima.  Deu migalhas aos pobres chamando isso de inclusão, enquanto convivia muito bem com empreiteiros, banqueiros, grandes empresários.

Pretendeu ser o líder da esquerda latino-americana e, para isso, cumulou os hermanos esquerdistas com recursos do BNDES, ou seja, do povo brasileiro, mas o líder da esquerda nessa parte atrasada do mundo que se destacou depois do então doente e decrepito Fidel Casto foi Hugo Chávez. Dois déspotas que, em nome da esquerda conduziram seus países à desgraça, como, aliás, Lula e o PT nos conduziram.

Lula, os companheiros petistas, os amigos do lado de cima, os políticos, que se não primavam pela virtude entraram também de modo exacerbado no roubo da coisa pública, foram longe demais. Contudo, não contavam com o fato de que as circunstâncias mudam. Sobretudo, não imaginavam o surgimento de uma novidade muito importante observado pelo jornalista Azevedo do Correio Brasiliense. Disse este, que enquanto a cúpula política não mudou e segue envelhecida mantendo os mesmos hábitos e comportamentos, uma nova elite (elite no sentido verdadeiro do termo que quer dizer produto de qualidade) surgiu no Judiciário composta por juízes, promotores, desembargadores, ministros. Acrescente-se que essa elite, nova também na idade, segue as escolas de Direito americana e inglesa, muito mais objetivas e técnicas.

Naturalmente, não se pode esquecer que permanecem no cenário jurídico os magistrados seguidores do Direito Romano, cultivadores dos discursos cheios de floreios. Eles são lentos nos julgamentos ou os protelam indefinidamente, descobrem ou criam brechas nas leis por onde a Justiça escoa.

Expoente da nova elite do Judiciário é o Juiz Sérgio Moro, que já pôs na cadeia mais de uma centena de larápios de colarinho branco e mandachuvas petistas. Com relação a esses casos nenhuma queixa do PT. Nenhum gesto de solidariedade de Lula em favor de seus fiéis companheiros ou dos amigos poderosos que interagiram com ele em falcatruas e o sustentaram nababescamente.

Mas, por ter sido condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do Tríplex do Guarujá e condenando a 9 anos e seis meses de prisão pelo o juiz Sérgio Moro, tem desqualificado, insultado, ameaçado o magistrado juntamente com os companheiros.

Para piorar a situação petista, os três desembargadores do TRF4, João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen e Victor Laus, representantes da nova elite do Judiciário, de modo eficiente, técnico, objetivo justo e legal, levaram Lula à lona ao confirmar unanimimente a sentença do Juiz Moro, com diferença do aumento da pena: 12 anos e um mês em regime fechado. Com isso, Lula e o PT ficaram mais alucinados.

A partir daí Lula fica ou deveria ficar inelegível e ser preso. Mas no Brasil existem muitos tribunais, muitos recursos, muitos jeitos de burlar a lei e, certamente, o caso chegará ao Supremo Tribunal Federal onde se tem assistidos a decisões que mudam ao sabor das circunstâncias, gambiarras judiciais para acertar certas situações, julgamentos de teor político e não legal. além da ingerência em atos que pertencem ao Executivo e ao Legislativo.

Portanto, é nessa instância mais alta do Judiciário que Lula poderá se livrar de todos seus crimes, conforme afirmou a ré senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann (Folha de S. Paulo, 29/01/2018) em que pese o ex-presidente ter chamados os ministros do STF de acovardados.

Apesar do resto de esperança, os petistas estão cada vez mais alucinados. A senadora ré fala em mortes se Lula for preso.  O senador Lindbergh quer mais da “esquerda frouxa, sonha com um milhão de pessoas nas ruas para defender seu guru, aposta na violência. E o PT afirma que levará a candidatura do Lula até ás últimas consequências.

Também se espalha o boato de que haverá convulsão social se o ex-presidente for preso.  No fundo os petistas temem mesmo é não se eleger ou reeleger dada a desmoralização da sigla. Resta esbravejar e achincalhar a Justiça, especialmente a nova elite do Judiciário. Nada além de alucinações, bravatas, farsas.


Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga - mlucia@sercomtel.com.br

Apequenamento


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Roberto Gotaç

Está certa a presidente do  Supremo Tribunal Federal (STF), ministra  Carmen Lúcia, quando afirmou que rever, na esteira dos resultados recentes do processo envolvendo Lula, a questão relativa ao início de prisão após a condenação em segunda instância, seria apequenar "muito" o Supremo. 

A declaração da ministra, no entanto, dá margem à interpretação segundo a qual a Corte talvez já esteja apequenada, pois, além de não ter até hoje condenado um só réu protegido pelo foro privilegiado, exibe decisões unilaterais  esdrúxulas como, por exemplo, a firmada por um de seus membros concedendo habeas corpus repetidas vezes a um corrupto do ramo de transportes no Rio de Janeiro.

E também a chancelada pelo então presidente do órgão máximo da justiça, o Supremo, guardião da constituição, ao fatiar, contrariamente ao estabelecido na lei magna, a pena de cassação imposta à ex-presidente Dilma, permitindo-lhe assumir cargo público. 

A presente revisão de prisão faria somente apequená-la "muito".

Paulo Roberto Gotaç Capitão de mar e guerra reformado.

Dom Bosco, rogai pelo Brasil e por todo o povo brasileiro, nesta fase de aflição


São João Bosco

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Béja

No dia de hoje, 31 de Janeiro de 2018, há 130 anos morreu o sacerdote italiano Giovanni Melchior Bosco. E foi com Dom Bosco que milhares de meninos de rua ("birichinis"), de uma Itália divida em reinos, se tornaram homens de bem. Eles assaltavam, roubavam, matavam... Até que um deles, Bartolomeu Garelli se aproximou de Dom Bosco e pediu para passar um dia perto do novel e predestinado sacerdote.

Depois vieram mais dez, mais cem... milhares. E todos foram acolhidos por Dom Bosco, primeiramente em abrigos improvisados, pois os governantes a Dom Bosco e aos "birichinis" tudo negavam. Até que surgiu a Casa Pinardi, que nada mais era do que um imenso galpão que um homem muito rico doou a Dom Bosco. Daí nasceu a Sociedade Salesiana de amparo à infância e à juventude perdidas e que os governantes hostilizavam, mandavam espancar e prender.

Às 4h45 do dia 31 de Janeiro de 1888, Dom Bosco nos deixou. Naquela hora fatal ele soltou três suspiros que mal se perceberam e morreu. Tinha 72 anos, 5 meses e 15 dias. Um grande servo de Deus acabara de voltar ao seu Senhor.

Viveu pobre e pobre morreu. Os funerais só aconteceram no dia 2 de fevereiro. O filho do povo, o benfeitor do povo, recebeu do povo nesse dia a maior prova de veneração e de amor que qualquer monarca poderia sonhar. Todas as categorias, todas as condições, todas as opiniões políticas, de todas as classes sociais figuravam no cortejo. Reis, príncipes e rainhas viajaram à Itália para prestar suas homenagens a Dom Bosco. É bem verdade que a caridade, quando se apresenta com todos os sinais do Evangelho, sem a menor contrafação humana, conquista o coração dos homens e os subjuga a todos, infalivelmente.

Dom Bosco, Dom Bosco, o senhor, que em 1858,  numa de suas muitas visões proféticas, previu, localizou e descreveu, pormenorizadamente, a cidade de Brasília... o senhor que de Brasília se tornou co-padroeiro, ao lado de Nossa Senhora Aparecida... o senhor que tanto amou a pregou a lealdade, a fé, a aversão à mentira, à corrupção... que dedicou toda a sua vida à infância perdida, abandonada, sem vez, sem voz, sem fé, tornando milhares de pequenos italianinhos em homens honrados e que fizeram a Itália o grande país que é... o senhor que fundou a Congregação Salesiana fazendo nascer, primeiro na França, depois no Brasil e até hoje pelo mundo inteiro, milhões e milhões de seguidores e devotos, de educandários que formaram gerações e mais gerações de alunos que cresceram e fizeram florir a cultura, o saber, a honradez... Dom Bosco, rogai por nós, brasileiros, porque restamos abandonados, sem rumo e tanto precisamos da sua presença.

O Brasil está envenenado, Dom Bosco. O Brasil está perdido. A sua sonhada Brasília é hoje nome de cidade que envergonha, que significa corrupção generalizada e que desonra o santo nome de Dom Bosco. Lá está a suntuosa Ermida Dom Bosco, construída em sua homenagem, em seu louvor. Mas os governantes não a conhecem. Se a conhecem, não entram lá. Se entram, não oram, não se arrependem, não se despojam das vaidades, da soberba, da ganância, da concupiscência e nem se interessam em saber a história de sua santa vida e da profecia de 1858. "E de lá, onde será construído um grande lago, após três gerações produzirá ouro, leite e mel para o mundo, certo que a primeira geração não conta e todas as gerações são de sessenta anos", como o senhor profetizou. 

São João Bosco, este povo, bom e solidário, hospitaleiro e trabalhador, que é o povo brasileiro, suplica que Dom Bosco venha em seu socorro, porque os brasileiros de todas as idades estão completamente perdidos e essa quadra de miséria, de violência, de corrupção, e de muitos outros males parece estar muito longe de chegar ao fim. É, Dom Bosco, nem esse tal de livre-arbítrio, que aparenta dar aos humanos condições e poder de impedir que a determinação divina seja concretizada, pode ser mais forte e estar acima da sua profecia de 1858.

Jorge Béja é Advogado.

Lula e a Super Lua Azul de Sangue Vermelho


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

País doido?! A Polícia Federal recomenda a quebra dos sigilos fiscal e bancário do Presidente da República, “para uma completa elucidação” de suspeitas de que Michel Temer tenha favorecido empresas do setor portuário. Será que foi por isso que Temer andou se reunindo, fora da agenda, pelo menos duas vezes, com o Diretor-Geral da PF sem a presença do Ministro da Justiça – superior hierárquico dele?

País doido!? A máquina policial-judasciária investiga, julga, condena, porém não prende um ex-Presidente réu em 7 processos de corrupção? Por isso, torna-se “justo” que a defesa de Lula recorra à Organização das Nações Unidas para denunciar que o Brasil pratica um “estado de exceção” que viola os direitos humanos? Então a Petelândia quer provar ao mundo que estamos sob uma ditadura institucionalizada, porque o rigor seletivo permite de a Lei valha para um e uns, mas não para outros?

País maluco!? A presidente do Supremo Tribunal Federal adverte que não vai recolocar na pauta a reavaliação sobre o alcance da prisão em segunda instância, para que Lula não seja casuisticamente beneficiado. Mas como o STF conseguiu rasgar a Constituição – que tem como cláusula pétrea a presunção da inocência até o longo trânsito em julgado de um processo criminal? Como se aprovou, por maioria apertada de 6 a 5, que a prisão possa ocorrer em segunda instância colegiada? E como, agora, alguns supremos magistrados querem empurrar a prisão após uma decisão de terceira instância, pelo STJ?

Marcianos não conseguem entender o que acontece no grande hospício a céu aberto chamado Brazil – com z de zorra. Os deuses da guerra também têm muita dificuldade de entender como os comandantes militares da Nação afirmam que tudo funciona dentro da maior normalidade institucional e democrática... Só falta recebermos um atestado dos cientistas Inca-venusianos justificando que tanta loucura acontece em função dos efeitos colaterais da Super Lula Azul de Sangue Vermelho - que hoje brilhará no céu onde não houver nuvens atrapalhando...

Definitivamente, não é tarefa para amadores entender o País dominado pelos armadores. Já que o carnaval se aproxima, o jeito é dançar um samba do crioulo doido, mesmo correndo o risco de ser enquadrado por racismo, enquanto sente a coisa cada vez mais preta... O mais seguro, no entanto, é tomar um banho de lua azul para ver se você fica branco como a “neve” – que caiu, em forma de granizo, em pleno sertão calorento do Ceará...

Lula não quer ser preso? Nas penitenciárias também tem muita gente querendo ficar solta... No Brasil, quem não tem caríssimo advogado acaba encarcerado. Por isso, é melhor Lula já ir se acostumando com a cadeia ou, no mínimo, com a tornozeleira eletrônica... Presidenciável ou presidiável? Eis a questão...

Do jeito que a coisa desanda, na guerra de todos contra todos os poderes, o “sistema” já decidiu que é melhor a Lua Azul que a Maré Vermelha. Portanto, Lula já era... E os brasileiros se ferram antes, embriagados por uma solução milagrosa que não virá pela via eleitoreira...

Concluindo: Se o Lula é "onesto", sou eu que não presto. Assim, vou fugir para bem longe do quartel, porque no Brasil quem manda é Cartel... Em ritmo de carnaval, já tirei a Cristiane da minha lista, pois não quero levar um processo trabalhista... Vou rasgar a fantasia e tomar um goró com o amigo Mantiqueira... Só para ver se paro de escrever tanta besteira...






Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 31 de Janeiro de 2018.

Lá vem o Zé Pereira!


“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira                  

Aproximam-se os folguedos momísticos. No atual estágio de esfacelamento nacional, na verdade retrocedemos ao entrudo.

Diversos blocos já se ataviam para o grande desfile! “Unidos do urubuzário” promete rodar a baiana pra safar o safardana.

“Devotos de São Cosme” sob o comando dos irmãos gosme.

“A boneca mecânica” saída dos Contos de Hoffmann já está quase sem corda. Come o que dá; afinal o que não mata engorda!

“O Bloco da grande paura” cantará o “Tal de Capim Gordura”. Tudo em nome do “Papa Luiz 51!“

“Discípulos do Marquês de Rabicó” cederão o próprio para escapar quando a Onça rosnar.

“Atravessadores do samba” do cão egresso, estão na corda bamba.

“Admiradores do Vampiro” se assustam com qualquer traque; acham que é tiro!

“O que se esgoela maduro” está como briga de foice no escuro.

A Cãomissão julgadora terá dificuldades na apeciação do quesito: Bloco mais esquisito.

O desfecho tem como prenúncio o seguidor de São Pafúncio.

Cão fúcio, o poodle chinês, já manjou que não tem vez.

Na terra dos vira-latas, tu ó Onça, não atas nem desatas.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador; não tatu

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Lula será condenado à “ineleição” sem prisão?


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Toda ideologia é uma legítima putaria. A falsa tese ideológica é um engana-bobo. Sua missão consiste em tirar o foco do debate sobre as coisas realmente relevantes. Seduz os fantoches radicais para gerar conflitos artificiais permanentes. A bronca gerada se torna ferramenta de otário.

A discussão ideológica tem o peso da torcida futebolística. Ou seja, leva a lugar algum, a não ser a uma verborragia sem razão que manipula a emoção. Atitude irracional perfeita para os tempos eleitoreiros. Idéias e soluções concretas perdem lugar para mentiras e muita pregação de conceitos errados e falsos.

O PT (Partido da Traição) e suas variações PMDB, PSDB & cia promovem um jogo de enganação ridículo. Os discursos radicalóides ou as falas pregando uma falsa conciliação não enganam mais ninguém. A maioria que consegue pensar com mais de dois neurônios já constatou a petelândia e seus ex-comparsas desgovernistas encenam apenas o roteiro previsto pelos “donos do poder”.

Agora, a bola da vez para ocupar o troninho de marionete do Palhasso do Planalto é alguém do tucanistão. O sistema quer Luiz Inácio Lula da Silva fora da jogada. Ou seja: ele ficará inelegível para disputar a Presidência da República. Em compensação, não deverá ser preso nas seis ou sete condenações que tende a sofrer.

A dúvida é se irá realmente vingar tal “acordo espúrio” firmado nos bastidores do Judasciário e da politicagem. Para isso acontecer, Lula não pode cometer o erro de exagerar na verborragia de desafiar as decisões judiciais. O companheiro $talinácio deveria recomendar o mesmo aos seus porta-vozes, principalmente Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias.

Se houvesse Segurança do Direito no Brasil, ambos seriam candidatos a perder o mandato por flagrante quebra de decoro parlamentar. Ultimamente, o casal petralha de senadores vem cometendo o crime de incitação à violência. Imperdoável para qualquer cidadão e inaceitável para um (mesmo suposto) representante do povo no legislativo.

No retorno do recesso parlamentar, “Narizinho” e “Lindinho” correm o risco de serem denunciados por quebra de decoro parlamentar. Ambos têm exagerado no ato falho de falar besteira, além da incitação criminosa à violência, radicalizando ainda mais um clima eleitoreiro previamente tenso e dominado pela “fúria ideológica”.

O regime Capimunista rentista e corrupto tupiniquim caminha para a completa desmoralização. O modelo esgotou-se moralmente. Porém, segue se reinventando para manter o poder. O lamentável é que tem chance de perdurar. O foco no Lula moribundão – e não na construção de um projeto democrático-liberal de Nação – é o desvio de atenção que o “sistema” deseja.

Se os segmentos esclarecidos continuarem caindo, feito patinhos, no conto da radicalização ideológica, o “vencedor” da disputa no cassino eletrônico do TSE será uma marionete de “centro”. É isso que a Oligarquia Financeira Transnacional deseja para a colônia de Bruzundanga.

Quem cai na armadilha ideológica é peru de Natal: morre de véspera!



Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Janeiro de 2018.

Turismo no Brasil


“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira                  

Dizia um sábio, já falecido, que turismo no Brasil é ver um dar com o tacape na cabeça do outro.

Em uma cidade do litoral paulista, a prefeitura instrui os agentes de transito a multarem por qualquer pretexto, especialmente veículos com chapa de São Paulo.

Não sou especialista em legislação de trânsito, mas me disseram que as multas não têm vinculação orçamentária, e, portanto, os recursos por elas gerados, podem ser gastos livremente pelos burgomestres. Verba extraorçamentária não tem fiscalização direta pelo “Tribunal” de Contas...

Assim sugiro aos paulistanos que evitem viajar. “Capitalista fica na capital!”

Horas em congestionamentos nas mal conservadas estradas, calor, chuva, pedágios escorchantes, etc... Tudo é um bom programa apenas para masoquistas profissionais.

É verdade que aguentar um domingo na paulicéia desvairada não é fácil.

As “ciclovias” inconstitucionais privam milhões de seu direito de ir e vir. Se o desgraçado morar em bairros divididos pela Avenida Paulista, então lixou-se.

O único consolo é saber que os ciclistas homens ficarão estéreis com o tempo; no futuro teremos menos idiotas pedalando.

Quanto às mulheres, afirma-se que lhes aumenta a bunda.

Mas elas não se importam; afinal:

“Quod abundat non nocet!”

Tradução Tabajara: “O que abunda encanta e seduz”.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

O PT tem um Cristo


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gaudêncio Torquato

Não poderia haver evento mais útil aos propósitos do PT do que o julgamento do recurso de defesa de Lula pelo TRF-4, que manteve a condenação por 3 a 0 e elevou a pena para doze anos e um mês na última quarta-feira. O partido carecia de um grande motivo para reanimar a militância, nos últimos dois anos afogada na borrasca provocada pela Operação Lava Jato.

Lula se compara a Tiradentes ou Mandela, sem rubor na face, para assim embalar o partido, temeroso da própria existência por ocasião do mensalão. Lula era e continua a ser o elo que une as alas do partido, pelo carisma e por ser o principal puxador de votos do país.

Apesar da punição severa, ele seguirá na trilha da candidatura, vestindo o manto de vítima das elites, agora engrossadas pela elite de toga do Judiciário. Só assim o PT ganha um Cristo caminhando ao Calvário.

A campanha se desenvolverá sob um clima de alta tensão, fomentada por contingentes barulhentos, entre os quais os exércitos da CUT e do MST, este último com disposição de fechar rodovias e invadir propriedades, na esteira de recomendações de quadros petistas, com destaque para a presidente do partido, Gleisi Hofmann, e o senador Lindberg Farias, incitando a militância a pegar em armas contra os inimigos e a tomada do poder pela violência. 

Consiga ou não virar candidato até 17 de setembro, data limite para a garantia de presença nas urnas, Lula preencherá a planilha de necessidades que o PT planejou: reacender as fogueiras do petismo, puxar um cordão de candidatos proporcionais nos Estados e, quem sabe, até voltar a eleger governadores.

Se Lula for impedido de ser candidato, seu eventual substituto acabará entrando na tuba de ressonância construída pelo julgamento dos juízes de Porto Alegre e poderá puxar razoável baciada de votos, principalmente nos rincões do Nordeste, região que detém 27% dos votos do território.

Sem Lula como candidato, a tão esperada polarização entre ele e Bolsonaro, pela extrema-direita, perde força, sendo provável o impulso a ser dado ao candidato do centro, principalmente se o governador de São Paulo Geraldo Alckmin canalizar as forças encasteladas nas áreas de centro-direita e centro-esquerda. Alckmin teria de ganhar uma boa avaliação em São Paulo, que detém mais de 33 milhões de eleitores, o maior eleitorado do país. E ainda sentar praça no Nordeste, onde é pouco conhecido.

Esse cenário não abrigaria, portanto, outras candidaturas centrais, como a de Henrique Meirelles ou a de Rodrigo Maia, situação que produziria dispersão de votos. Maia é um bom articulador político e Meirelles poderia canalizar os feitos na economia, mas sua figura não empolga.  Álvaro Dias, que habita também o centro, não teria votos suficientes para se tornar o principal protagonista do terreno. Nessa condição, poderia estar Luciano Huck, caso induzido a entrar na arena. Sabe-se que esconde uma carta nas mangas, a soltar lá pelos meados do semestre.

De qualquer maneira, voltando ao PT, é possível concluir que não será desta vez que o partido PT será batido fragorosamente. Lula, mesmo não sendo candidato, será o responsável pela sobrevida do petismo. Se vier a ganhar os recursos jurídicos, o clima de polarização reacenderá a fogueira entre “nós” e “eles”. Ainda assim, a vitória do PT seria a alternativa menos provável.


Gaudêncio Torquato, jornalista, professor titular da USP é consultor político e de comunicação. Twitter: @gaudtorquato

O Partido dos Trabalhadores e a Democracia


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Osmar José de Barros Ribeiro

Em janeiro de 1979, no Colégio Salesiano de Lins/SP, um congresso de metalúrgicos convocou os trabalhadores brasileiros à formação do Partido dos Trabalhadores (PT), concretizada em janeiro do ano seguinte. Na ocasião, Luiz Inácio Lula da Silva já pontificava como líder dos sindicalistas e depois do próprio Partido, resultado da união de operários da indústria automotiva, professores e intelectuais marxistas, religiosos ligados à Teologia da Libertação, comunistas de distintas linhas ideológicas e outros.

O PT tem, como norte, a transformação da sociedade utilizando todos os meios de pressão: da atividade parlamentar à agitação nos meios rurais e urbanos. Após uma primeira fase, quando se apresentava como paladino da moralidade e da ética na política, o PT adotou os princípios orientadores do gramscismo, muito embora não abandonasse os da “violência libertadora” preconizados pelo MST e MTST, organizações sem existência legal, mas que nem por isso deixam de receber vultosas verbas dos cofres públicos.

Em 1989 caia o Muro de Berlim e, dois anos mais tarde, deixava de existir a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Os próceres do comunismo, prevendo tal desfecho, trataram de buscar uma solução. E ela estava bem à vista: Cuba que, sem o declinante apoio soviético, via-se em palpos de aranha para continuar existindo, além de ser dominada por alguém que gozava de prestígio junto aos partidos de esquerda nas Américas Central e do Sul. Havia que encontrar uma organização que pudesse e desejasse colocar-se às ordens de Fidel Castro. E ela também já existia, o PT, dirigido por Lula, gozando de prestígio junto a círculos políticos do Brasil.

Fidel, em 1990, encontrou-se com Lula na cidade de São Paulo e traçaram as linhas mestras do que viria a seguir. Naquele ano, o PT convocou uma conferência de partidos políticos e organizações de esquerda das Américas, inclusive aquelas ligadas ao narcotráfico. Foi o pontapé inicial para a criação do que logo seria conhecido como Foro de São Paulo (FSP) e que hoje se define como sendo uma organização empenhada em alcançar o controle das instituições governamentais em todos os níveis e a criação de uma “opinião pública” que se contraponha à orientação moral e intelectual em vigor na sociedade.

Diferentemente do comunismo soviético, o Foro aceita tanto os meios financeiros (que ele denomina de “mercado”) quanto a democracia representativa, sem que isso exclua uma estratégia própria que objetiva superá-los, de forma a “democratizar a democracia burguesa” e fazê-la funcionar a favor dos seus interesses.

O PT, durante seus 13 anos de poder, não descurou da busca de transformações sociais. Internamente, defende que a soberania pertence ao povo, segundo um processo no qual setores organizados exerceriam a gestão da política, da economia e da cultura, buscando superar a “democracia liberal burguesa” através a criação de Conselhos Populares, verdadeiros Sovietes. Externamente, juntamente com Cuba, Venezuela e Bolívia, os governos petistas não perderam de vista a busca da integração latino-americana e a difusão das ideias comunistas, o fortalecimento das relações com países africanos, mediante incremento de trocas bilaterais e acordos de ajuda mútua. Tais providências, aliadas a uma corrupção desbragada, levaram ao desastre a economia brasileira.

Os fatos resultantes do julgamento de Recursos de Lula no TRF-4, com ameaças de baderna caso venha a se concretizar a prisão do ex-presidente, são a prova do amor petista pela democracia.


Osmar José de Barros Ribeiro é tenente-coronel reformado do Exército.

Comigo não tem perhaps


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Ana Paula Henkel

Na minha luta inglória para explicar para os gringos aqui nos EUA o que acontece do lado debaixo do Equador, meu último desafio ainda é responder o que se passou na última semana no julgamento da alma mais honesta do Brasil. “Como assim, investiga, julga, condena e depois não prende?”. É assim, darling. É uma justiça que fuma mas não traga.
Eu deveria mencionar de leve que nós temos “jeitinho”, mas que a lei é para todos, até para Marcelo Odebrecht, Eike Batista, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral, Joesley Batista, Geddel Vieira, mas não para Lula. “Ele não vai ser preso?”, questionam. Pra quê tantas perguntas, meu Deus?!

Respondo então que, na verdade, ele está em campanha, o que é crime também, lidera as pesquisas e pode ser eleito presidente novamente em outubro. Silêncio, olhares incrédulos e depois mudam de assunto porque, enfim, melhor não tentar entender mesmo.

Para ser justa, tivemos também por aqui na América recentemente oito anos de ataques às instituições democráticas do país, o que agora começam a emergir aos poucos, já que a grande imprensa não parece tão interessada. Os americanos estão chocados com as recentes revelações do aparelhamento do FBI para beneficiar a fracassada campanha de Hillary Clinton enquanto dava credibilidade a um dossiê tão fajuto contra Donald Trump que até para prevaricar o governo anterior se mostrou incompetente. Mentindo bem, que mal tem? Cada país tem o Lula que merece.

Minha dificuldade, confesso, é contextualizar tudo sem parecer que estou relativizando moralmente a questão, que somos assim mesmo, mas ao menos nossas praias são lindas, jogamos bem o tal do soccer e ganhamos décimo terceiro salário no final do ano. “Ué, mas não tiram esse salário extra do valor mensal durante o ano e apenas devolvem depois?” Ah, esses gringos racionais, haja paciência, perguntam demais.

Por conta do ensinamento e exemplo do meu saudoso pai, acredito que verdade é verdade, crime é crime, sentença é sentença. Como ensina a diva Elza Soares, “comigo não tem perhaps”, a lei é para todos, inclusive para políticos protegidos por certa elite que nunca lucrou tanto quanto no governo Lula e com a estatização da caridade do socialismo de butique. A conta da bondade, no entanto, está sendo paga hoje pelos brasileiros que não são “companheiros”.

Uma das histórias mais inspiradoras que ouvi quando cheguei por aqui foi a do julgamento do “Massacre de Boston”, ocorrido em 1770, poucos anos antes da Declaração da Independência. Em resumo, um punhado de soldados britânicos, encurralados e ameaçados por uma turba de arruaceiros da colônia, acabou disparando contra o grupo matando cinco deles e ferindo outros seis.

Boston era o epicentro da resistência aos colonizadores naquele momento e a cidade entrou em pé de guerra ao saber das mortes dos rapazes pelos invasores britânicos. Não custa lembrar que três anos depois, no mesmo local, houve a famosa Boston Tea Party, protesto que inspirou o movimento popular homônimo de renovação da política americana iniciado em 2009. A América deve muito ao espírito de resistência de Boston e sabe disso.

O povo da capital de Massachusetts queria vingança e sangue contra os “red coats” que tiraram a vida dos rapazes. Treze militares britânicos envolvidos no massacre foram detidos e levados a julgamento, mas os advogados da colônia sabiam que era um caso incendiário e ninguém queria ser o defensor dos réus. Um advogado de 35 anos aceitou o desafio porque considerava que todos merecem um julgamento justo e, ao final, conseguiu seis absolvições.

O jovem defensor poderia ter se tornado o homem mais odiado da América, mas acabou sendo seu primeiro vice-presidente, segundo presidente e ainda fez seu filho presidente. John Adams é merecidamente reconhecido como um dos pais fundadores da nação e figura de destaque na luta da independência americana mesmo tendo, poucos anos antes, conseguido absolver soldados britânicos pela morte de compatriotas. Entre o aplauso fácil e a lei, optou pela segunda e seu exemplo ecoa até hoje na nação que ajudou a criar.

Como qualquer outro país, a América tem uma história complexa e repleta de erros e acertos, mas celebrar criminosos ou colocar narrativas acima das leis não é um dos seus erros mais comuns. Quando a lei é para todos, especialmente para os mais poderosos, uma mensagem de respeito às instituições e à ordem é enviada para todos, solidificando as bases civilizacionais que servem de alicerce para que continuem avançando. A confiança nas instituições americanas e na aplicação das leis é um dos pilares mais sólidos da maior potência mundial.

Outro ícone recente da defesa da Constituição americana foi Antonin Scalia, juiz da Suprema Corte falecido em 2016. Sobre o respeito à letra fria das leis, disse: “a Constituição não é um organismo vivo, é um documento legal.  Não há interpretações para a Constituição, não há flexibilidade legal, há rigidez e ordem. Um juiz que sempre fica feliz com o resultado das suas sentenças é um mau juiz”.  Declarações como essa tirariam o sono de muitos ministros do STF, companheiros cada vez mais criativos nas suas decisões.

Que o espírito de Scalia paire sobre a guardiã das leis, a presidente do STF, Ministra Carmem Lúcia, e que ela não interprete, mas aplique as leis do país, medida que qualquer nação séria tomaria. O povo não quer flexibilidade legal, o povo quer ordem. O Brasil precisa amadurecer ou seremos a eterna nação do futuro.

Tenho John Adams, vivido por Paul Giamatti numa série inesquecível da HBO de 2007, como um dos meus heróis. Adams é o autor da célebre frase “somos uma nação de leis e não de homens” porque conhecia a natureza falha e imperfeita do homem e acreditava no império das leis como antídoto na luta contra o crime e a desordem.

Enquanto o brasileiro de bem tenta fazer as pazes com o patriotismo e começa a andar de novo de mãos dadas com algumas instituições, o STF não pode continuar flertando com o tal “jeitinho brasileiro” de interpretar as leis de acordo com o réu. John Adams deveria servir de exemplo a todos que estão relativizando as leis por conta de agendas políticas, passando uma das mensagens mais corrosivas e erradas para as futuras gerações que se pode imaginar, minando por tabela a já baixa credibilidade das instituições brasileiras. Com Adams, também não tinha perhaps.


Ana Paula Henkel é jogadora de Vôlei. Originalmente publicado no Estadão em 29 de janeiro de 2018.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Os “onestos” roubam e você paga a conta


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

“Agradeça” a Dilma Rousseff, José Sarney, Eduardo Cunha & Cia que dividiam um “condomínio” nos negócios da Eletrobrás, gerando prejuízos. “Agradeça”, especialmente, ao Presidente Michel Temer, que incluiu no projeto de privatização da “estatal energética”, enviado ao Congresso, uma punição a você, consumidor de energia elétrica.

Todos pagaremos, por 30 anos, a indenização por redução na conta de luz, realizada em 2012. E quem reclamar já morreu de véspera... O desgoverno instituiu o prejuízo de longo prazo para o consumidor. Por que o Ministério Público Federal não ingressa com ações judiciais para impedir a safadeza econômica promovida pelo governo da União? `Pergunte ao Papa Francisco que talvez ele responda...

Sofremos mais um golpe do modelo Capimunista rentista tupiniquim, no qual o Estado-Ladrão faz besteira e “rouba”, porém socializa o pagamento do desastre, inteiramente, com o sacrifício do “contribuinte”. Quando Dilma editou a Medida Provisória 579, em 2012, determinou que a antecipação das concessões de geradoras e transmissoras de energia daria direito a indenizações por investimentos realizados, mas que não foram amortizados.

Na prática, Dilma nos enganou com a redução de 20% na conta de luz, que já foi ultrapassada por aumentos de 50% só em 2015. A coisa pode piorar com a crise hídrica – que força a aplicação das “bandeiras tarifárias”, subindo ainda mais as contas de luz.

Também “agradeça” aos ladrões da Lava Jato pelo desastre na Petrobrás. O consumidor segue pagando combustíveis caríssimos. Pior ainda: os reajustas da gasolina, álcool e diesel acontecem de repente. Estudos prevêem que a energia elétrica e o preço da gasolina devem ter alta superior a 10% no ano eleitoreiro de 2018.

Como os preços dos alimentos devem subir de 4% a 5%, a previsão concreta é que os brasileiros e brasileiras gastarão mais para pagar contas inevitáveis. Tudo fica pior e mais tenso com a persistente ociosidade na economia que dificulta a geração de empregos.

Tarifas subindo, certamente, vão impactar uma subidinha da inflação. O chamado “risco eleitoral” – repleto de previsíveis incertezas este ano – tem tudo para gerar uma desvalorização do Real. Turbulência política, insegurança jurídica para os negócios e uma empacada na “reforma” (de araque) da Previdência devem gerar impactos negativos no bolso do consumidor e do louco-empreendedor brasileiro.   
Deu para entender por que brasileiros e brasileiras estão perdendo a paciência com os poderosos de plantão no Executivo, Legislativo e Judiciário? Tal insatisfação só precisa de um rastilho de pólvora para se transformar em explosão de revolta. Povos sacaneados no bolso e pressionados, além do limite tolerável, pela violência e insegurança, tendem a gerar as pré-condições psicossociais para profundas mudanças estruturais.

É por isso que a Intervenção Institucional é inevitável e inadiável. Já estamos pagando (caro) para ver. Só falta o negócio acontecer... Os donos do poder que se cuidem... O Brasil não vai se transformar na Petelândia e nem no Tucanistão, apesar da vontade temerária...

Trama Sinistra

Releia o artigo de domingo: “Súmula Lulante” será um “Golpe Supremo”?


Grito de Intervenção


Vale ouvir o discurso do Mário Madrigano em frente ao Comando Militar do Sudeste, em São Paulo, sábado passado: Intervenção, já!



Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 28 de Janeiro de 2018.

Metrópoles e Mercados


“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira                  

Um homem brilhante me explicou o que é cidade grande. É aquela em que se você quiser vender gato morto tem quem compre; se você quiser comprar, tem quem venda.

Recentemente um jovem, também brilhante, disse que para construir um patrimônio de vulto e sólido é melhor comprar ativos reais. Os financeiros são voláteis e sujeitos a confiscos pelos poderosos de plantão.

Concordo em parte. Só é rico quem é líquido. Assim, um volume de moeda para viver pelo menos dois anos sem baixar o padrão, é essencial.

Obviamente em diferentes espécies (dólar, euro, libra esterlina, etc.). Um belo percentual em “dinheiro vivo” guardado perto de seu possuidor, em diferentes locais. Montantes maiores, em diferentes bancos e países.

Como sabemos, dinheiro é um conceito amplo que engloba o de moeda.

Na crise argentina de 2001/2002 o país ficou mais de vinte dias sem o funcionamento de bancos. O peso, antes cotado a um dólar americano, sofreu uma desvalorização de 75%. Voltou a ser negociado por 25 cents de dólar (Um dólar = a quatro pesos).

As pessoas de bem, conhecidas pelos comerciantes locais, usaram o dinheiro “confiança”. Compravam bens e serviços por anotação apenas de quantidades. O preço seria acertado quando as coisas voltassem ao normal.

No Brasil de hoje não há confiança nem no desgoverno nem nas instituicães. É preciso ter em casa, uma quantidade de reais, EM NOTAS PEQUENAS, para viver pelo menos um mês.

No mundo atual as crises são cada vez mais violentas e seu desfecho, cada vez mais rápido. Vergonha é a Onça não ter ainda deposto Maduro. Seria um bom “sustinho” na putada local. Líder regional tem que agir.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.