domingo, 18 de fevereiro de 2018

Estado Imprevidente x Reforma da Previdência


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

O Brasil numa verdadeira encruzilhada e no enfrentamento do fogo amigo se depara com o estado imprevidente e traz como pano de fundo a urgência da reforma previdenciária,para encher os bolsos de tantas risadas dos fundos de previdencia privada. Que chegamos ao fundo do poço ninguém duvida,com rebaixamento rating, mas com sinais contrários e favoráveis na balança comercial, na arrecadação e notadamente na surpreendente alta das bolsas proximas de 85 mil pontos o que seria incogitável no final do ano passado.

A imprevidencia estatal é a nossa maior marca, não temos planejamento, possuímos legislação de responsabilidade fiscal mas não a obedecemos, não conseguimos superavits nos fronts primários e o maior desastre é nosso desemprego que atinge 13 milhões de brasileiros, chaga nacional. O que foi constatado ao longo de mais de uma década quisemos privilegias programas sociais, sendo imprevidentes, não tínhamos noção dos gastos e aproveitamos a deixa das eleições e demos dinheiro público à vontade já que não nos acostumamos a ter controle de caixa e a respondermos às consultas do TCU.

Estados perdulários, imprevidentes e sem o rosto da seriedade e da completa transparência levaram ao caos, fazendo com que não pudéssemos auferir transporte,segurança e saúde,além do fundamental que é a educação. Estados literalmente falidos e sucateados, os governantes, aqueles que não estão viajando usufruem do encarceramento justo pelo surrupio da máquina pública e perguntamos quantos bilhões desperdiçados à toa na copa do mundo e jogos olímpicos.

Não existindo solução outra, eis que a União interveio na segurança do Rio de Janeiro e colocou tropas federais para combater o crime organizado e o desassossego da população, afujentando turistas, e reprimindo investimentos. A cidade maravilhosa se transformou na cidade criminosa, tamanho o descalabro, seria essencial um plano de médio prazo para o fim das habitações desumanas, processo de desfavelização e o aumento gradual da renda.

Mas é igualmente importante que as tropas deslocadas não esmoreçam nas fronteiras. São Paulo,Minas e Espírito Santo com razão se preocupam com a corrente migratória marginal para outras cidades e com isso não opcionaríamos maiores aglomerações de comunidades criminosas. O trabalho do exército deve ser de sufocar a macrocriminalidade, combater o narcotráfico e não deixar que os cabeças fujam para outras cidades e estados vizinhos.

Problema de monta também é aquele da corrente e do fluxo migratório da Venezuela, com o novo estatuto desde já em vigor a proteção é maior mas não estamos habilitados a receber milhares de estrangeiros e com doenças endêmicas e epidêmicas. O estado imprevidente secular dá espaço à reforma da previdência, necessária ou não,é tida com a menina dos olhos para que o governo não sucumba e as instituições funcionem azeitadas na desoneração da máquina e na melhoria das finanças públicas.

As esperanças não podem ser sepultadas e a renovação do quadro eleitoral é inadiável com políticos do ramo e não artistas, jogadores de futebol e animadores que são desanimadores em termos de conhecimento e ambiente político partidário. Saiamos do estado imprevidente e mergulhemos na reforma da previdência sem nenhum dos dois conquistarmos, ao menos tentamos sair do subdesenvolvimento e mostrarmos ao mundo que tomamos vergonha na cara e amadurecemos se não tanto ao menos o necessário para que internacionalmente não sejamos mais o País da violência, da irresponsabilidade, do jeitinho, da corrupção e do suborno.

Temos compromisso com a história e essa é implacável com a cidadania, ou mudamos já ou continuaremos a marcha das mazelas, falcatruas e rombos estratosféricos nos orçamentos, tornando o estado imprevidente, cambaleante e desorientado. Sem o entrelaçamento entre os poderes e a conscientização democrática patinaremos numa nau insensata e nas vicissitudes de estarmos muito longes das Nações desenvolvidas.


Que a intervenção militar nos alerte todos para o perigo da ruptura e as repercussões negativas do desgoverno. As eleições de 2018 soam como único caminho da reconstrução do estado e múltiplas reformas voltadas para o aprimoramento da democracia.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores no Tribunal de Justiça de São Paulo.

Um comentário:

Anônimo disse...

UM PODER INCOMPETENTE E CORRUPTO, CAPACHO,SABOTADOR,DITADOR,CRIMINOSO,TORTURADOR,ASSASSINO,ESCRAVAGISTA E QUE EM TODOS OS GOVERNOS ESTEVE PRESENYE SEM SER INCOMODADO OU INVESTIGADO,SEMPRE ESTEVE NO COMANDO,JUNTO DA MAÇONARIA O JUDICIARIO EXECUTA UMA ORDEM DE DEGRADAÇÃO DESDE 1964, DENTRO DESSE PODER O MAIS SANTO É PREVARICADOR, O JUDICIARIO ESQUENTA AS COSTAS DE TODO TIPO DE BANDIDOS E IGUAL NA MAFIA,VEREADORES, PREFEITOS,DEPUTADOS,GOVERNADORES,PROMOTORES,JUIZES, DESEMBARGADORES,MINISTROS,POLICIAIS,DELEGADOS E TODO FUNCIONALISMO PUBLICO E O EMPRESARIADO,IGREJA CATÓLICA E TEMPLOS RELIGIOSOS ESTÃO LUCRANDO ATRAVÉS DA DESGRAÇA DO POVO... TENTEM UMA DENUNCIA CONTRA QUALQUÉR UM DESSA RAÇA PRINCIPALMENTE DO JUDICIARIO,VOCÊ FICA PRESO E O BANDIDO SOLTO... MAÇONARIA A MAFIA MALDITA JUNTO COM O JUDICIARIO, O NARCOTRAFICO,CONTRABANDO E JOGOS ILEGAIS SÃO O CARRO CHEFE,ESSAS ATIVIDADES ESTÃO A TODO VAPOR EM TODOS OS MUNICIPIOS DOS ESTADOS E POR TRÁZ SEMPRE UM MEMBRO DO JUDICIARIO...