terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

O Fim do Carnaval


“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira                  

O Carnaval tende a desaparecer. Até os anos sessenta do século passado, nossa sociedade era repressiva. Ele, então, era uma válvula de escape permissiva.

Atualmente, a sociedade vem perdendo os conceitos de moral, bons costumes, honra, etc. Em grande parte por obra do Instituto Tavistock de Londres que procura minar os valores das populações que a Nova Ordem Mundial quer subjugar.

Há outras causas derivadas do avanço tecnológico. O rádio, a televisão e a internet tiveram o poder de derrubar até o Muro de Berlim.

A juventude foi massacrada com a “música” atonal, sem melodia, sem ritmo, sem letra, sempre tocada num altíssimo volume de som, que impede a conversa e destrói os tímpanos. Regredimos aos tempos das caverna. Só instinto e adrenalina.

A intenção dos dominadores é borrar Mozart, Beethoven e todos os grandes músicos do passado. Theodor Adorno, usando os experimentos de Schoenberg, foi o iconoclasta número um.

Talvez ainda surja uma maravilha musical, mas sem apoio oficial; pelo contrário, combatida ferozmente pelos desgovernos fantoches.

O patrulhamento do “politicamente correto” procura proscrever as antigas marchinhas tais como: “O teu cabelo não nega, mulata”, “Olha a cabeleira do Zezé”, por exemplo.

Até a música infantil, “Atirei um pau no gato” foi alterada pelos vermelhos.


Enquanto dona Onça não virar dona Chica, ainda há esperança nesta república da lambança.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um comentário:

Loumari disse...

Quando pus esta música infantil, “Atirei um pau no gato" a tocar estive com junto ao meu lado os meus dois gatos, que por suposto são gatos que me escolheram a mim, pois, tanto um como o outro veio sozinho e se instalou aqui em casa. Um veio em início de 2015 e o outro chegou aqui no início do mês de Dezembro de 2017, quando os dois escutaram logo a primeira letra da música, retesaram as suas orelhas e ficaram muito bem atentos e se mostraram muito curiosos e bem quietinhos a escutar a bela melodia. Deduzo que lhes encantou e muito. MERCI DE LA PART DES CHATS.