sexta-feira, 30 de março de 2018

Prendam Barrabás e soltem Jesus


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

A pirotecnia do modelo governamental nacional inspira o mote de soltem Jesus e mantenham Barrabás detrás das grades, mas hoje se formos levar em conta o raciocínio quem seria um e o outro, no diletante cenário que nos impele ao sistema tragicômico de polemização sem um mínimo de razoabilidade e qualquer critério.

Dentro desse ângulo a corrupção poderá ser chamada de Barrabás, sinal das trevas, e a luz que limpa e higieniza tudo e todos é o Senhor que vem para acabar com toda sujeira, imundice e despudor que estão infectando literalmente  todos os aspectos da vida pública.

No entanto,como se torna difícil prender e manter preso o Barrabás. As pressões são tantas e as cortes não tem uniformidade, donde os julgamentos nos dão a impressão que tudo é um momento de mudança, e reflexão sobre o que nos espera nas urnas em 2018.

Conseguiremos superar a radicalização e separar os males do Estado penal que apenas comete crime e nos enxota para a vexatória posição de simples contribuintes. Falham nossos governantes, não conseguem combater os principais problemas, a falta de remédios nas farmácias populares, os serviços de segurança,saúde e transporte,além das chuvas que castigam todo o Brasil.

Apenas a febre amarela registrou mais de 500 mortes em todo o País, algo impensável e inaceitável na conjuntura do século XXI. Teremos o dever de
votar, nosso voto é obrigatório, para escolher aqueles que vão nos crucificar e tirar nosso sossego nos próximos anos, que sucatearam mais a máquina pública e colocarão escuridão na vida da Nação.
candidatos profissionais, há Países nos quais ser político é doação e vocação, cujo salário é simbólico e o eleito precisa comprovar ter ocupação profissional que se lhe assegure uma vida digna. Combateremos o estado marginal o estado malfeitor que nunca privilegiou o welfare state, mas simplesmente cobra tributos e nos ameaça. Se não passar a reforma, a tributação subirá.
pagar as próprias despesas e repor perdas salariais.



Há poucas boas opções. O essencial é que não repitamos os votos nos

Que tipo de político nossa Pátria identifica? Os espertalhões de plantão, os que assumem os cargos mas viajam e não querem apenas uma plataforma porém preconizam o topo e assim nos mostram que todos são muito iguais. E a criminalização da política não é novidade, posto que os representantes do povo são representantes deles próprios. Criticam todos e com muita enfase, mas não há autonomia do judiciário que sequer tem verba para

Vivemos numa estranheza capital, e na semana santa devemos lutar para a mantença da prisão de Barrabás, o culpado e soltura de Jesus o inocente que veio em defesa da sociedade e da libertação não apenas do pecado mas da escravidão pelo cultivo de bens materiais e transitórios. O quadro político é avesso e divorciado do anseio da sociedade, os chefões dos partidos se organizam,as esperanças não se renovam, mas o barulho das ruas é inadiável para que no dia 4 de abril no julgamento do habeas corpus que de preventivo nada mais tem, se tome a decisão em prol da Nação.

Continuaremos a lutar pelo sonho do amanhã, renovação de cada dispersão da cidadania e implementação de medidas que reduzam o tamanho e peso do Estado brasileiro, o úncio e exclusivo responsável pela calamidade de milhões de brasileiros abandonados e jogados à própria sorte.


Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Nenhum comentário: