domingo, 22 de abril de 2018

Dona Onça e as Urnas


“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Por incompetência ou má fé a tal de justiça eleitoral (que não é judiciária, porém meramente administrativa) não quer cumprir a lei que determina a impressão dos votos registrados em urnas eletrônicas.

Especialistas em informática afirmam que as urnas atualmente utilizadas no Brasil são vulneráveis (para alguns, são imprestáveis).

Por mais que a campanha oficial gaste o dinheiro do contribuinte para fazer propaganda no sentido contrário, o risco de manipulação existe.

Países avançados em tecnologia de informação ainda utilizam cédulas de papel em suas eleições.

Só as “democracias” exemplares têm urnas eletrônica; v. g. Cuba, Venezuela e Brasil.

Sugiro que nosso Exército, que possui um Centro de Guerra Eletrônica, assuma o processo eleitoral e não permita qualquer dúvida na lisura dos resultados. Caso contrário estará compactuando com a fraude.

A classe política, desmoralizada e desesperada, busca nas eleições fajutas sua tábua de salvação.

Para garantir o foro privilegiado, a roubalheira sem fim e sua própria vaidade, fará “o diabo”, conforme foi despudoradamente dito por uma antiga “presidanta” de triste memória e que agora deseja ser senadora por Minas Gerais.

Na era do poder moderador via twitter, será fácil explicar à nação a necessidade da medida moralizadora.

É também de rigor permitir candidaturas independentes, sem o cerceamento dos “cafetões donos de partidos”, que “escolhem sem paixões” os ungíveis.

O resto é conversa mole para boi dormir, ou para enganar eleitor incauto.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Nenhum comentário: