quarta-feira, 18 de abril de 2018

Falido Modelo Brasileiro


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

As operações deflagradas Brasil afora somente demonstram e comprovam, com transparência e lisura, que o modelo representativo está falido, e nossa classe política vive uma simbiose entre recursos público e privado. Essa imoralidade chegou a tal ponto de serem criadas as  campeãs nacionais turbinadas com o maior volume de recursos públicos, e com inúmeros escandalos além de processos locais e no exterior frente às violações de governança corporativa e regras de compliance.

O diagnóstico revela um tumor em estado de metástase,já que temos centenas de políticos e empresários sendo processados e a gama de trabalho para a justiça nos permite acreditar que antes de uma década não serão encerrados os processos abertos contra os responsáveis pelo descalabro institucional do Brasil.E como se altera a realidade hospedada no regime sistemático e rotineiro de favorecimento, é bastante simples cortando o intercambio e a interface,sugerindo fiscalização e transparência nas licitações, e eliminando as gorduras e sucessivas prorrogações de contratos.

Não se faz possível que as cortes de contas permitam obras por anos a fio e não responsabilizem o gestor,cada uma delas deveria ter o nome estampado do responsável,início,prazo de término e volume de dinheiro gasto. Hoje o Brasil se transformou num canteiro de obras,a pretexto da operação lava jato muitas empresas perderam suas regalias e benesses e passaram a enfrentar problemas na justiça ou em procedimentos de recuperação judicial.
A mudança deve ser a tônica de um novo amanhã para o País, já que consolidamos os piores índices de uma democracia incipiente, degradante e que abalará gerações,pelo número de desempregados e o caos social na segurança, na saúde e nos transportes,sem falar na educação de péssima qualidade, e na programação da imprensa que explora o que de mais nefasto se encontra na sociedade.

Muitos anos jogamos a sujeira para debaixo do tapete e o STF em grande parte foi co responsável dessa realidade,pois que não julgava ou quando o fazia levava tanto tempo que acabava por reconhecer a prescrição. A mudança da forma de nomeação no STJ e STF é inadiável, evitando-se sentimentalismo de indicações político partidárias. E o CNJ deve reconquistar seu espaço e terreno sem impor metas fora da circunstância de uma infraestrutura que padece dos mais graves desserviços ao jurisdicionado.

A terrível situação experimentada somente poderá ser superada com a reforma do estado, enxugamento da máquina, redução do número de municípios e cargos públicos. Vitaminamos a corrupção quando colocamos mais de 5 mil comunas e 27 estados, além da União, na França de Macron se projeta reduzir em 1/3 o quadro político e por fim às benesses de empresas centenárias. Quem ousará tocar na ferida no Brasil?

Enquanto estamos de olho nos inúmeros candidatos as preocupações são gigantescas,pois quase nenhum deles reúne capacidade, espírito público de governar e aparar as arestas, afora o déficit público que se torna um monstrengo de proporções incomensuráveis. A terceira guerra mundial pode ser deflagrada através da Siria por meio das mãos sujas de americanos e russos, a ONU perdeu seu papel, esvaziou a sua função, enquanto milhões de refugiados perambulam em direção à Europa e outros países sedentos e famintos.

Verdadeiramente a globalização desumanizou a sociedade,nos robotizou a ponto de nos tornar escravos digitais e de celulares, ao passo que as relações interpessoais são reduzidas e o tempo nos consome num materialismo de dimensões galáticas. Não temos uma imprensa séria que discuta nossos problemas, entidades de pesquisa e conhecimento,a mediocridade nos governa e impera em todos os segmentos.

A falência é moral ,ética e acima de tudo pelo apego aos bens materiais,pois perdemos o foco e não olhamos para o bem coletivo ou comum da sociedade, e a rotina das eleições, do voto obrigatório e da propaganda nos tornam reféns de um modelo falido e dominado pela selvageria da burrice secular.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do  TJ São Paulo.

Um comentário:

Anônimo disse...

BURRICE BI SECULAR, É ISTO MESMO,2 SÉCULOS DE UM JUDICIARIO INCOMPETENTE,CORRUPTO,SABOTADOR,ESTE NOSSO JUDICIARIO ESTEVE PRESENTE EM TODOS OS GOVERNOS E REGIMES,PERMITIRAM,A ESCRAVIDÃO,TORTURA, ASSASSINATO E A CONSOLIDAÇÃO DE UMA MAFIA POLITICA EM NOSSO PAIS,EM TODOS OS MUNICIPIOS DOS ESTADOS O JUDICIARIO COMANDAM CÉLULAS DESSA MAFIA E NÃO ACEITAM DENUNCIA ALGUMA CONTRA OS SEUS PROTEGIDOS... SEM UMA POLICIA ESPECIALIZADA E SEM A MODIFICAÇÃO NA LEI DA MAGISTRATURA O JUDICIARIO CONTINUARÁ JOGANDO AREIA EM TUDO... COMUNISMO É O QUE O JUDICIARIO PRATICA ENTRE ELES,TODOS COM O MESMO TETO, SALARIOS E PREVILÉGOS MILIONARIOS MAIS OS ENVELOPES DO NARCOTRAFICO,CONTRABANDO, JOGOS ILEGAIS,VENDAS DE SENTENÇAS,ETC.ETC.ETC... MUITOS DO JUDICIARIO QUE NÃO INTEGRAM ESTE ESQUEMA MAFIOSO, SÃO OBRIGADOS A PREVARICAREM PARA NÃO PAGAREM COM A PRÓPRIA VIDA...