domingo, 1 de abril de 2018

Saídas para Michel Temer



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

A saída mais fácil para Michel Temer? Renunciar à Presidência da República, pegar a bela esposa, o filho, e pedir asilo político. Tentar a reeleição? Só se for maluco... O jeito será apoiar a candidatura do Henrique Meirelles – que nesta segunda-feira se filia ao MDB. Temer não tem mais condições morais de continuar no Palácio do Planalto. O terceiro processo contra ele, envolvendo denúncias de corrupção, deve ser aberto brevemente. Isto não é especulação de 1º de abril.

Uma segunda saída para Temer, antes de entregar o cargo, seria arranjar um motivo (existem vários) para decretar Estado de Defesa. Na prática, seria uma espécie de intervenção militar branda, só que constitucionalmente convocada pelo Presidente. Seria instituído um governo militar provisório? Sim, esta seria a novidade... A medida extrema poderia adiar a eleição de outubro. O Congresso permaneceria aberto, mas ficaria impedido de legislar. Os donos do poder não querem isto...

Ainda nesse caso, Temer também poderia criar as condições para a renúncia, com direito “legítimo” a uma fugidinha legal do Brasil, via asilo. Dizem que essa jogada interessaria ao General Sérgio Etchegoyen – ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional... Os outros oficiais generais das Forças Armadas estariam divididos sobre a hipótese de segurar a bucha temporariamente. Esta também não é fofoca de 1º de abril...

Terceira saída temerária? Renunciar, antes, porém fechando um acordo com Rodrigo Maia para que ele assuma o troninho palaciano e a canetinha mágica do Diário Oficial até dezembro. Embora Rodrigo reclame que se sente traído, este megaacordo interessaria aos “onestos” do MDB. Também é excelente para o filho de César Maia – que poderia virar Presidente e ainda disputar a reeleição dele mesmo. Esta jogada também interessa à esquerda em tempos de Lula candidato à presidiário. Rodrigo e seu DEM compõem muito bem com a sinistra canhota tupiniquim.

Quarta saída para Michel Temer? Simplesmente não sair. Não entregar a rapadura... Resistir até quando der e o quanto puder, mesmo se tornando um mero Presidente de fantasia, brincando de disputar a reeleição, em uma chapa com Henrique Meirelles de vice. Neste caso, os inimigos deles, rapidamente, abrirão um processo de impeachment – cuja resolução ultrapassará o tempo previsto do mandato. Caso Temer consiga o milagre de se reeleger, e acabar derrubado igual ao que aconteceu com a Dilma (lembram dela?), Meirelles assume do mesmo jeitinho que o Temer assumiu dois anos atrás... Tal golpe baixo também não é fake news de 1º de abril.

Ainda na hipótese de Temer resistir, ele pode usar a força do cargo para uma ofensiva truculenta contra aqueles emedebistas que articularam todo esse imenso desgaste de agora, com a denúncia e prisão dos principais amigos pessoais e aliados de negócios. Os alvos de Temer seriam Renan Calheiros e José Sarney (ambos petistas eméritos que controlam a facção nordestina do MDB). Junto com Gilmar Mendes (sempre ele), Renan e Sarney foram apontados como padrinhos da indicação de Raquel Dodge para a Procuradoria-Geral da República. Temer aceitou, e Raquel agora é sua algoz? Nada disso... Ela até pediu ao ministro Luís Barroso para soltar os amigos do Presidente...

Na prática, a capacidade de governar de Michel Temer se esgotou (no sentido sanitário do termo, inclusive). Se depender de Rodrigo Maia, a Câmara não vota mais nada de interesse do governo. Eunício de Oliveira, presidente do Congresso e do Senado, joga no time do “fogo amigo” contra Temer no MDB. Os pragmáticos emedebistas estão apertadinhos. O objetivo deles era concluir grandes negócios. O tempo (ainda bem) joga contra eles...

Temer não deve estar curtindo uma Páscoa muito feliz... Paciência... Que tire melhor proveito, então, do 1º de abril, já que o governo dele é um engodo. A guerra de todos contra todos vai ficar ainda mais desleal. Terça chega a vez de Lula... Se o STF salvá-lo, teremos mais uma prova legal de que o Brasil só tem salvação via Intervenção Institucional. Se o STF detoná-lo, Temer ganhará um tempinho para respirar, porque a galera vai se concentrar na desgraça do $talinácio...






Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 1º de Abril de 2018.

2 comentários:

Anônimo disse...

Estao vendo algum povo na rua pedindo Fora Temer? Não! O povo nao quer a saída do Presidente por frutricas palacianas. Faz um bom governo , não permitindo a volta da inflação que é o que interessa a população. Qualquer hipotese para antecipar eleições trazendo insegurança é golpe. De insegurança ja basta os Supremos Picaretas. Generais estao aí servindo a corruptos ha mais de 30anos, bateram até palminhas pra Dilma que antes os explodia nos quartéis.

Jayme Guedes disse...

A TV Globo, através do Fantástico, está exibindo a canção O Bêbado e o Equilibrista, uma joia da música brasileira, criada na onda do protesto contra os militares. Revisitando essa obra prima, letra e melodia, me dei conta que a esquerda não produziu nada semelhante para protestar contra a corrupção. Por que será? Não dá tesão quando são os representantes da esquerda a roubarem? É estranho, muito estranho. E aí, Chico Buarque, por que o silêncio? O Brasil foi destroçado e vocês não falam nem cantam nada? Fica parecendo que o negócio de vocês não é o Brasil, é outra coisa...