quarta-feira, 23 de maio de 2018

Futuro Não Vejo


Poesia no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Denoir Souza
Não vejo o futuro! Não vejo!
Vejo o futuro esfacelado,
árvore sem folhas,
sem frutos,
sem sombras.
Não vejo o futuro!
Não vejo!
Vejo o presente agonizando,
ferido pelo punhal do passado
que insiste em não passar,
sobrevive com o leite da corrupção,
eterna. Eterna corrupção
desde o primeiro
e o segundo Cabral.
A corrupção é eterna!
O futuro, um sopro;
uma esperança,
uma criança.
O presente:
um velho passado/corrupto/autoritário.
Não vejo futuro!
Não vejo!
Vejo blindados!
Vejo trincheiras!
Vejo urubus
banqueteando crianças,
adultos e velhos
vítimas de governantes corruptos.
Não vejo futuro!
Não vejo!
VEJO A REVOLUÇÃO
NO SOL DO AMANHÃ!
Vejo paredões e fuzilamentos.
Corruptos e corruptores
( vampiros inocentes?)
julgados /condenados / executados.
Agora vejo!
Agora vejo!
VEJO O FUTURO
forjado com sangue,
flores e porradas.
(O FUTURO É UMA CRIANÇA NO ÚTERO
DO PRESENTE ENGRAVIDADO PELO PASSADO)

Denoir Souza é Poeta. Fundador do lendário Grupo Uivos.

Nenhum comentário: