sexta-feira, 11 de maio de 2018

Genealogia da Onça


“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

O pai de nossa querida felina era um tigre de bengala branca. Não via o contrabando de nióbio, nem a “invasão” de ONGs estrangeiras na Amazônia.

A mãe, uma suçuarana de nobre estirpe. Filha de um gatopardo e de uma musa do príncipe de Lampedusa.

Nas gerações anteriores acham-se jaguares e jaguatiricas.

Mais atrás havia uma gata (daquelas que não ata nem desata).

Nos tempos do antigo Egito, sua antepassada Bastet era a divindade protetora das mulheres e da fertilidade.

Também há guepardos e leopardos. Não gostam de chá de boldos como os primos leopoldos. Leonardos são contra parentes do ramo piemontês ou sardo.

As onças originárias do rio grande, falam um dialeto vêneto e só fazem o que lhes dá na veneta. Que se lixem os aflitos; anônimos ou mitos.

O segredo que mais enfurna: como evitar fraude na urna ?

No país do vira-bosta tem também “parentes” voadores; um tal de gaturamo. Não descende de felino ramo mas pela beleza de suas cores naturais (as do Brasil) é tratado como primo.

No momento dona Onça está catatônica. Assiste a tragicomédia de mais alto grau. A corte eleitoral, nega-se a cumprir a lei do voto impresso aprovada pelo cão egresso ! A quem interessa a barbaridade essa ?

Agirá dona Onça ou só dirá “Homessa”?



Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um comentário:

Anônimo disse...

Lula estava usando a esteira para sair malhado, na semana que vem, mas... não deu certo.