terça-feira, 22 de maio de 2018

Petroconta



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

Enquanto muitos esperavam dias melhores, eis que o câmbio subiu e decolou nas nuvens até aí teríamos condições de controle via Banco Central. Mas a pior conta será paga pelos contribuintes. Referimo-nos à chamada petroconta. Significa dizer que o aumento diário dispara e os preços sobem encadeados por uma mola propulsora referente ao transporte rodoviária.

Eis a grande armadilha de nosso Brasil. Não temos transporte eficiente multimodal, o transporte ferroviário há meio século está sucateado, não conseguimos fazer uma linha de trem até o aeroporto ou numa determinada estação rodoviária. Pagamos o preço da falta de concorrência e o domínio das sete irmãs, as quais impuseram sempre as regras do jogo para que fossemos incivilizados no trânsito e dependentes do petróleo.

A Petrobrás praticamente nos libertou tempos antigos do pesadelo e atingimos a nossa autosuficiencia, mas isso é bem relativo. A capitalização da Petro saiu cara e muitos bilhões jogados no ralo com as refinarias no País e fora do Brasil. O que poderemos fazer exceto mudar a política de preços da petro e aumentar a construção de malhas alternativas, com o transporte ferroviário e a redução da carga tributária.

Num só dia de aumento o fisco arrecadou dez bilhões. Essa situação é uma grave mazela e não nos dá competência. Pagamos muitos tributos sobre os combustíveis e mais ainda no querosene de aviões o que aumenta o bilhete aéreo e nos torna dependentes de uma irracionalidade tributária gritante.

Quando muitos duvidavam que o preço da gasolina chegaria a um dólar ficaram calados, pois hoje já bateu o correspondente a um euro, a disseminar o total pessimismo e a falta de visão a médio e longo prazos do nosso governo. Dizem que a Petro saiu do buraco, mas enfiou o contribuinte nele e deu um nó.

Se o diesel subir vertiginosamente como acontece diariamente teremos um choque grave, pois que aumentarão os fretes e a inflação poderá disparar, e a taxa selic subirá inescondivelmente. Mergulhamos numa tempestade perfeita, somos autosuficientes, mas não produzimos os derivados precisamos importar o refino e isso é inexplicável, a Petro vende a 1,50 e no posto encontraremos o valor de um litro acima de 4 reais, a solução seria o carro elétrico, onibus elétrico e também meios alternativos?

Não podemos desconfiar que as armadilhas estão estruturadas e ninguém será capaz de desmontar a bomba relógio, pois que governos antigos manipularam os preços e congelavam com demagogia e espírito de ganhar eleição. Quando um País todo é dependente do transporte rodoviário bilhões são queimados nos congestionamentos, nas doenças pulmonares e nas doenças que chamam atenção da saúde pública.

Quem nunca sonhou com o preço do combustível nas nuvens hoje enfrenta o pesadelo e coloca-se em risco a própria saída da recessão e a redução do numero de desempregados e subempregados. A matriz energética precisa ser alterada imediatamente e se pagamos uma conta de luz absurda e um combustível inflacionado diariamente. São preocupações constantes das políticas públicas dos candidatos rever essa situação o mais depressa possível e mediante reengenharia findar o sonho de Brasília dos carros que simplesmente nos trazem um deslocamento único, de um só passageiro e nos demonstra nossa irresponsabilidade.

Ao mesmo tempo o preço das passagens de ônibus e de metrô, além do trem, também já alcançou 4 reais, mais do que um dólar ou quase próximo, pois ninguém saberá a cotação no day after. Estilhaçados pelas crises de confiança e de governabilidade, patinamos e corremos o sério risco de não avançarmos se a petroconta for enviada para os cem milhões de brasileiros, enquanto os prejudicados no exterior vão receber 3 billhões de dólares.

Há algo de muito errado e inaceitável nessa plataforma que o ministério público, o tribunal de contas da união e todas as autoridades não podem e nem devem se omitir, sob pena de uma colisão sem sobreviventes

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Um comentário:

Anônimo disse...

O NUMERO DE ACESSORES,OS SALARIOS INCOMPATIVEIS COM AS FUNÇÕES MAIS A DESCULPA DE DIREITOS ADQUERIDOS,AS APOSENTADORIAS DOS POLITICOS,MILITARES QUE SE ACUMULAM A VONTADE,OS SALARIOS E PREVILÉGIOS DO JUDICIARIO E OUTROS FUNCIONARIOS PUBLICOS,FALA SÉRIO... UM COBRE AS COSTAS DO OUTRO... EXEMPLO DO QUE ACONTECE... O PROMOTOR PEDE A DIMINUIÇÃO DO NUMERO SE ACESSORES DOS VEREADORES,O PEDIDO NÃO É ACEITO POIS O NUMERO DOS ACESSORES DOS PROMOTORESAINDA SÃO MAIORES... SECRETARIAS DISSO OU DAQUILO QUE NÃO PASSAM DE CABIDES DE EMPREGO OS TAIS DEPUTADOS ESTADUAIS E TODA AS SUAS PARAFERNARIAS DE QUE NÃO SERVEM PRA NADA, TANTO QUE NINGUÉM OS PERCEBEM,ENTÃO QUANTO MAIS ARRECADAM,MAIS CARGOS SE CRIAM,UM CIRCULO VICIOSO DA MAÇONARIA COM AS BENÇÃOS DO JUDICIARIO... E ASSIM POR TODOS OS MUNICIPIOS O NARCOTRAFICO,CONTRABANDO E JOGOS ILEGAIS AINDA ENCHEM OS ENVELOPES DESSA MAFIA E NINGUÉM VÈ... NO JUDICIARIOO MAIS SANTO É PREVARICADOR...