sábado, 9 de junho de 2018

Instituicães


“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

A esquizofrenia nacional chegou ao ponto de confusão cognitiva.

Teremos eleiCães? A mais alta corte urubúsica caga na cara do legislativo e do exeCutivo.

Cumpriremos só as leis boazinhas”. As malvadas, que atrapalham escolhas de favas contadas, serão sumariamente descartadas. Afinal de contas não vivemos um conto de fadas ?

E os versos de Camães? Não põe o desgoverno os pés pelas mães?

Terão os melancias esquecido de ler a “Ilustre Casa de Ramires”?

O anti-herói, por covarde, sabe que seu rabo arde e diz : “De que me valem vossas armas se não tenho vossa alma ?”

No entanto, não percamos a calma.

Se vivemos um tempo de senões, que mal há se veados se fingem de leões ?

Dona Onça tem nossos coraCães e mentes. No momento certo afastará Cãomandantes e outros traidores, como nunca na história deste país já se viu antes.

É tempo de jaburu. Os Cãonalhas tomarão na rima.

A classe polititica é a nova saúva. Ou o Brasil acaba com ela ou nosso defunto ninguém vela.

No passado formicida Tatú; hoje leopardo e aratu.

Da cobra a maior peçonha é de seu povo a vergonha.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

5 comentários:

Anônimo disse...

Esperar decência de uma comunista é o mesmo que torcer para que o diabo se redima.
Afinal, os petralhas não roubaram a Petrobras ou o Brasil, eles saquearam em favor de Cuba, seu país de adoção.
Por isso merecem ser empalados na Esplanada e que levem junto seus comparsas, todos traídos do mais alto grau da Pátria.

Anônimo disse...

Texto brilhante, Carlos Maurício. Amei e ri muito, apesar da desgraça pela qual estamos passando. Você definiu com perfeição o nefasto momento de nossa nação. Parabéns!
Esther

jomabastos disse...

A URNA ELETRÔNICA viola o direito e o dever básico de afiançar a máxima segurança em uma eleição pública.

Uma eleição para os representantes do povo, por ser um ato oficial, público e coletivo, tem como objetivo prioritário, salvaguardar a democracia em um estado de direito. Por isso, essa eleição tem que garantir a máxima transparência, segurança e correção, antes, durante e depois do procedimento eleitoral. Esta imprescindível certificação, não acontece com a utilização de uma urna eletrônica em uma assembleia de voto, em que o cidadão simplesmente carrega num botão, sem poder no momento conferir sua escolha e posteriormente não ter o poder de auditar seu voto.

Um voto em urna eletrônica, sem ter um meio de confirmar sua escolha e posteriormente não poder usufruir do poder e do direito de seu voto ser auditado publicamente, é um ato público não transparente e inconstitucional

Anônimo disse...

Ora, quem diz o que vai fazer para nos tirar do buraco jamais será eleito pelas oligarquias e cartéis que reinam no Brasil.

Anônimo disse...

Os militares não são mandantes, mas comandantes. YouTube - O governo nos rouba inclusive aos domingos (Durval Ferreira - 10-06-18).