segunda-feira, 18 de junho de 2018

País pobre, mas obstinado



“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

A Suíça, até o fim do século XV, era um país agrícola. A pobre economia era causada pelo acidentadíssimo território e uma precária situação política.

A fonte de renda mais relevante era, então, exportar seus soldados, que sabiam estar expostos aos perigos da guerra, mas que assim podiam enviar recursos para suas famílias distantes.

Como os espartanos de Leônidas, lutavam não por odiar os que estavam a sua frente, mas por amor aos que estavam atrás.

Nem Hitler teve coragem de invadi-lá na Segunda Guerra Mundial.

Por sua bravura e lealdade, compunham a guarda pessoal de diversos poderosos de então.

A lógica é clara. Se houvesse uma rebelião popular contra o príncipe, uma “garde du corps” local seria inútil. Dificilmente um soldado lutaria eventualmente contra um parente na multidão enfurecida.

A Suíça não entrou na União Européia nem no Euro. Sabe que uma união política é como tentar misturar óleo e água. A união monetária foi no passado tentada e fracassou. A chamada União Latina, ainda que baseada no padrão ouro, causava uma perda de soberania aos países membros.

A União Européia está fadada a desintegrar-se.

A Itália, país jovem, (conseguiu sua união política apenas entre 1.861 e 1.870) até hoje não superou as diferenças internas.

Áustria foi império; depois desapareceu, anexada à Alemanha; escapou do comunismo por um triz. Não obstante tem um povo cultíssimo e amante da Música.

Ambas nacionalidades não se sujeitarão por mais muito tempo à mediocridade de Bruxelas e às ordens de Berlin.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

7 comentários:

Loumari disse...

Moçambique: Ataques armados do islamismo

17 de Junho 2018

No norte de Moçambique, enfrentando o terror de um grupo islâmico.

A província de Cabo Delgado, localizada no extremo norte de Moçambique, vem sofrendo diariamente, desde o final de Maio, a violência causada por um grupo extremista islâmico que fez sua aparição e se deu a conhecer publicamente em Outubro de 2017 naquela região destinada a se tornar uma capital de gás.

Pânico na região causado pelo terror, os habitantes de Cabo Delgado, milhares e milhares de indivíduos forçados ao êxodo devido a violência. Alguns tomaram a direcção da costa para buscar refúgio em algumas ilhas do arquipélago das Quirimbas, geralmente reservados para turistas ricos. Outros se refugiaram em Macomia, a capital do distrito de mesmo nome, onde o exército foi enviado em força, ou fugiram para Pemba, a capital da província, a 200 quilómetros ao sul.

Havendo surgido em 2014 nesta região predominantemente muçulmana, o grupo se tornou realmente activo desde Outubro de 2017 dando-se a conhecer com o ataque à esquadra da polícia e quartéis no centro da cidade de Mocimboa da Praia (a polícia força-os a retirar-se para as florestas após dois dias de luta). Os membros do Ahlu Sunna Wal Jamaa são descritos pelos moradores como jovens que "estudam" no exterior, na Tanzânia ou na Somália, e retornam ao país para promover uma versão estrita do Islão. "Eles são jovens socialmente marginalizados, sem emprego formal, sem uma educação sólida", disseram à AFP o xeque Habibe Saide, João Pereira e Salvador Forquilha, da Universidade de Maputo, que vêm investigando nos últimos meses.

Esses "moradores locais" foram acompanhados por "jovens imigrantes à procura de oportunidades", "líderes religiosos educados no exterior" e "comerciantes locais", acrescentam académicos. Eles são diferentes dos muçulmanos ditos moderados da província usando turbante branco, cabeça raspada e barba.

"O nascimento da Al Sunnah wal Jama'ah é muito semelhante ao que vimos com o Boko Haram na Nigéria, o movimento começou como uma seita religiosa e depois se transformou em um grupo guerrilheiro. Estima que agora tem entre 350 e 1.500 membros, que seriam organizados em dezenas de células ao longo da costa do extremo norte de Moçambique, de acordo com Éric Morier-Genoud, professor sénior de história da África na universidade. Queen's Belfast, em um artigo publicado no The Conversation.

Objectivo deles: Impor a Sharia como o único poder absoluto.

Nenhum de seus ataques foi, até agora, objecto de qualquer reivindicação ou exigência "política". Sua única ambição declarada é de "impor a lei da sharia, que é perfeitamente consistente com seus repetidos ataques às estruturas do governo", diz Nick Piper, director da firma de consultoria Signal Risk.


Dans le nord du Mozambique, faire face à la terreur d'un groupe islamiste - France 24

http://m.france24.com/fr/20180616-mozambique-nord-cabo-delgado-attaque-terreur-groupe-islamiste-ahlu-sunnah-wal-jamaa

Loumari disse...

Quran Surat Al-Anfal 8:12, eu provocarei terror nos corações daqueles que não crêem, assim que golpeiem-lhes nos pescoços e ataquem-lhes todos eles. " (na tradução literal em árabes vem escrito: decapitai-os todos)

8:13 Isso é porque eles se opõem a Allah e ao Seu Mensageiro. E quem se opuser a Allah e ao Seu Mensageiro - de facto, Allah é severo em pena.

8:14 "Isso [é seu], então deguste-os". E de facto, para os descrentes, é o castigo do fogo.


Quran 9 Surat At-Tawbah
9:73 Ó Profeta, lute contra os descrentes e os hipócritas e seja duro com eles. E o refúgio deles é o Inferno e miserável é o destino.

9:14 combate-os; allah os castigará por tuas mãos e os desgraçará e te dará a vitória sobre eles e satisfará os peitos de um povo crente.

9:68 Allah prometeu aos homens e mulheres hipócritas e aos incrédulos o fogo do Inferno, onde permanecerão eternamente. É suficiente para eles. E allah os amaldiçoou e para eles é um castigo duradouro. De facto, Allah comprou dos crentes suas vidas e suas propriedades [em troca] para que eles tenham o Paraíso. Eles lutam na causa de Allah, então eles matam e são mortos. [É] uma promessa verdadeira [ligação]. E quem é mais verdadeiro ao seu pacto do que a Allah? Portanto, alegre-se em sua transacção que você contratou. E é isso que é a grande realização.



OBS: Posso continuar a tirar todos versículos do alcorão que são incitações ao ódio, violência e ordens dados aos muçulmanos para matar a todos os não muçulmanos, e vão ver que é todo o livro com escrituras das mais diabólicas que pode haver. Todo muçulmano que for a ler o alcorão dele mesmo é certo que vai passar ao acto e cometer assassinato. Porque, allah ordena que, se lhe é fiel e devoto, deve matar a todos aqueles que se opõem a allah. Os próprios muçulmanos ditos moderados, lhes serão também decretados Fatwa (morte por decapitação se não aceitarem obedecer a sharia).

Allah's Pride

Um dos nomes dados a Allah no Alcorão é "o mais orgulhoso":

The Most Powerful, the Most Proud (al-mutakabbiru). O nome Al-Mutakabbir implica o significado que Allah é o mais arrogante e o mais prepotente.
El-Mutakabbir - O orgulhoso. Esta palavra, quando usada para um ser humano, sempre implica arrogância, e Zamakhshari a define (Surat 59:23), “Supremo em orgulho e grandeza ou aquele que é soberbo acima da maldade de seus escravos”.

Loumari disse...

Hamas in their own words - Children are taught to value violence, hatred, and Islamic supremacy

https://www.youtube.com/watch?time_continue=1&v=0YP3P_q0vYw

Loumari disse...

Son's death was "best day of my life," says Palestinian mother

https://www.youtube.com/watch?v=5Vi9oNs42hs

Two interviews with mothers of Martyrs expressing their joy over the Martyrdom of their respective sons, one broadcast on the Hamas website, and the other on Arab News Network TV.
In the first interview with Um Nidal, she says that today is the best day of her life as her son becomes a Martyr, and if she had 100 children like her son, she would offer them to Allah as well. She states that while there is nothing more precious than children, for the sake of Allah, what is precious becomes cheap.
The second interview is with a mother of a Martyr. She says that Jihad is a religious obligation and that it would have been wrong to try to change her son's mind. She put her motherly feelings aside for a greater cause because she wanted the best for her son, and she chose eternal bliss in the Afterlife for him. As much as her living children honor her, she states that they are incomparable to the honor that her martyred son showed her.

Transcription:
Um Nidal, mother of terrorist, before sending her son to carry out a terror attack:
"How do I feel, as I promise my son Paradise, and as I offer something (my son) for Allah? By Allah, today is the best day of my life. I feel that our Lord is pleased with me, because I am offering something (my son) to His sake. I wish to offer more [sons] for Allah's forgiveness, and for the flag [of Islam], "There is no god but Allah," to fly over Palestine. That's what we want. We want the rule of Islam. I'm not parting from him [as he goes] to his death, but rather I'm parting from him as he goes to a better life, the Afterlife, which our Lord has promised us. By Allah, if I had 100 children like [my son] Muhammad, I would offer them with sincerity and willingly. It's true that there's nothing more precious than children, but for the sake of Allah, what is precious becomes cheap.
[Hamas website, January 1, 2006]

Another mother of a terrorist, in an interview after her son murdered four Israeli teenagers:
"I gave my son to Jihad for Allah. It's our religious obligation. If I wanted to have compassion for him, or to make him change his mind, it would be wrong, a mistake. I don't want to be guided by my feelings, a mother's feelings. I put them aside for a while for something greater, although a mother's feelings are involved. Why? Because I love my son, and I want to choose the best for him, and the best is not life in this world. For us there is an Afterlife, the eternal bliss. So if I love my son, I'll choose eternal bliss for him. As much as my living children honor me, it will not be like the honor that the Martyr has given me. He will be our intercessor on the Day of Resurrection. What more can I ask for? Allah willing, the Lord will promise us Paradise. That's the best I can hope for. The greatest honor [my son] gave me was his Martyrdom."
[Arab News Network TV, March 2002]

Loumari disse...

https://www.youtube.com/watch?v=sTEpO5annm0

Papa Francisco: as ditaduras adulteram a comunicação

Para destruir instituições ou pessoas, se começa a falar mal. A esta “comunicação caluniosa”, o Papa Francisco dedicou a homilia na missa na Casa Santa Marta, esta segunda-feira (18/06).

jomabastos disse...

O Sr mantiqueira tem que curar-se da sua alergia à União Europeia. A melhor resposta é nem visitar a UE, para não ter conhecimento da evolução social e econômica, da não violência e da qualidade de vida dos seus cidadãos.
O Sr Mantiqueira que olhe à desintegração socioeconômica, à violência, à corrupção e à sujeira política que vivemos neste Brasil e deixe de preocupar-se com a UE. É por se preocupar em demasia pelo outros que não avançamos no nosso Brasil. Apresente soluções para este país!
Década após década entramos em recessão profunda e não conseguimos desenvolver-nos. Se não fossem os recursos minerais e de terras agrícolas que definem a nossa riqueza, não teríamos 60 milhões do Bolsa Família extremamente pobres, mas sim muitos mais.

Anônimo disse...

Ao observar a o efeito desintegrador do globalismo sobre a riqueza cultural dos países europeus, podemos antecipar os riscos da Pátria Grande para o Brasil, mas receio que a formação escolar coletivista de nossas crianças e jovens e as tecnologias digitais facilitarão a homogeneização.