segunda-feira, 4 de junho de 2018

Quanto mais eu rezo, mais assombração me aparece



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por H. James Kutscka

Título deste artigo vem de uma expressão que minha avó usava com certa frequência, quando de minha infância   no Rio Grande do Sul. Getúlio Vargas ainda não havia atirado no próprio peito, envergonhado pelo mar de lama em que chafurdavam os políticos que o rodeavam. Segundo suas próprias palavras escritas na carta   suicida, “deixando a vida para entrar para a história”.

Sem dúvida, eram outros tempos.

Por mais que eu seja humanista e não acredite em orações, me é impossível deixar de lembrar suas palavras no atual momento que vive nossa nação.

Se não, vejamos:

Enquanto tramita no senado um projeto para que os presidiários paguem por suas despesas, seja em dinheiro ou em trabalho, o Juiz Federal,  Haroldo  Nader, (guarde esse nome), autoriza o “Muar de São Bernardo”, embora encarcerado na Polícia Federal, a manter motorista, segurança e assessores, pagos pela União, ou seja, nosso dinheiro.

O ministro “Bagre cego” do STF, autoriza a soltura de Paulo Preto, menos de doze horas após à sua segunda detenção pela Polícia Federal.
Em São Paulo, o senador Suplicy, ou “Kumbaya” lidera as pesquisas de intenção de voto para mais um mandato no senado.

Em Brasília, o “vampiro” acuado vai tentar sugar mais sangue da classe média, para cobrir os quarenta e seis centavos que perdeu no diesel, subindo o preço da gasolina.

Afinal, como todos nós, viu na televisão o povo pagando até dez reais o litro, sem reclamar. 

É espalhado pelas redes sociais, boato de uma nova greve dos caminhoneiros, a pergunta é: interessa a quem nesse momento?
Pedro Parente deixa a Petrobrás.  Podemos especular que sentiu a pressão do “controlador” ao perceber, e comunicar-lhes, de que estava a cada minuto mais difícil cumprir suas determinações, afinal o “vampiro” acuado, seria capaz de qualquer loucura para não largar  o pescoço           

Por outro lado, chegam aos meus ouvidos informações (verdadeiras ou não, mas muito prováveis de o serem) de que o General Mourão, volta a exortar ao povo, que vá às ruas pedir a intervenção Cívico Militar, isso depois de onze dias de greve dos caminhoneiros, apoiada por esse mesmo povo cansado da imobilidade das Forças Armadas.

Só me resta exclamar surpreso, como Caio Julio César o fez, com grande propriedade e em bom Latim, quando esfaqueado pelas costas pelo seu filho Brutus: “Tu quoque  fili mi” , que entrou  para a história  como “Et tu Brutus” - (até tu  Brutos) simbolizando  a maior  traição  que pode haver.

H. James Kutscka é Escritor e Publicitário.

3 comentários:

Anônimo disse...

permita-me ajudar .
O mencionado juiz federal em Campinas cortou as mordomias e quem as restabeleceu foi o desembargador André Nabarrete do TRF 3 .

Anônimo disse...

São ridículos. Declararam que não iriam criar mais impostos. Vão já ressuscitar a CPMF, camuflada. Corta das verbas fáceis dadas aos partidos e das mordomias, nem pensar? para que tantos carros e motoristas? Se uma autoridade andar em um carro ano 2017, vai um ataque cardíaco? E para onde vão os carros substituídos, algum leilão ou para amigos? São tantas as possibilidades...

Anônimo disse...

Os militares não são mandantes, mas comandantes. Se 10 a 20 milhões de brasileiros forem para a porta dos quarteis (não para a Avenida Paulista ou Copacabana, como convocam os desinformantes), os militares atenderão.