segunda-feira, 16 de julho de 2018

O maior espetáculo da Terra é aqui



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por H. James Kutscka

Lá pelo final do século dezenove, um sujeito que enriquecera armando fraudes, era um dos proprietários do Ringling  Bros and  Barnum & Bailey Circus .

Ali, segundo seus proprietários, e a publicidade do espetáculo, podia-se presenciar “O maior espetáculo da terra”.

Atrações circenses ocorriam simultaneamente em três picadeiros, tirando o folego dos espectadores.

Uma espécie de espetáculo multimídia, muito antes de o termo ter sido inventado, mas como na piada do imigrante que enriqueceu montando um prostíbulo no Brasil, os primeiros tempos haviam sido muito difíceis.
Eram somente ele, sua mulher e sua filha.

Seu nome: Phineas Taylor  Barnun ( o do circo, não  do imigrante). 
Começou na área de espetáculos apresentando coisas bizarras, que o público pagava para ver, como a mulher mais velha do mundo, com cento e sessenta e um anos, que teria sido babá de George Washington.

Quando sentiu que o interesse por ela começava a declinar, e a venda de bilhetes para vê-la diminuía, foi ao jornal local de maior circulação e declarou ser tal mulher uma fraude.

Não passava de um boneco, (antepassado dos animatrônics que hoje podemos ver nas atrações “Piratas do Caribe e “Hall dos Presidentes”  no Disney World), feito de ossos, pele falsa e engrenagens para simular sutis movimentos.

Tal fato chamou ainda mais atenção para a fraude, que voltou a ser um sucesso de bilheteria.

Na época, George Hull, um arqueólogo que também vivia de fraudes, apresentava o esqueleto do que dizia ser “o gigante. de Cardiff”, que encontrara em uma de suas escavações. Nada mais era que uma escultura em gesso salpicada com ácido.  Barnum não perdeu tempo. Rapidamente passou a apresentar o que chamava de “o verdadeiro gigante” em seu teatro de criaturas bizarras.

Fato que rendeu a frase que muitos atribuem a Barnun, mas é de Hull:  Nasce um trouxa a cada minuto.

O que nos leva finalmente à razão deste texto.

A mais de trinta anos, estamos assistindo de camarote ao “Verdadeiro Maior e Mais Abjeto Espetáculo da Terra”

Um espetáculo com a performance de inúmeros artistas da fraude e dissimulação, além de raros animais, apresentando-se em três picadeiros para uma plateia de mais de duzentos milhões de palhaços.  Os três picadeiros são conhecidos pelos nomes de: Executivo, Legislativo e Judiciário.

O espetáculo que tem como fim, bater a careira da plateia incauta, já vem sendo apresentado a mais de trinta anos.

Pelo picadeiro chamado executivo:  Passou uma anta falante.  Ninguém entendia o que ela falava, nem mesmo ela; durou quase duas temporadas inteiras.

Antes dela, um espécime conhecido como “Muar   de São Bernardo, fez enorme sucesso. Era praticamente analfabeto, mas para um muar, não o ser totalmente é uma enorme distinção, foi premiado com títulos honoríficos além de nossas fronteiras, por palhaços internacionais. 

Ainda antes dele, o famoso boneco “boca de sovaco”, sociólogo manejado pelo Instituto Tavistock de Direitos Humanos (nome bonito para o “Controlador” da economia mundial em Londres).  Durante todo esse tempo, no picadeiro chamado Legislativo, bandos de tucanos em revoada.

No “chorus  line”   desse balé aéreo ,os  chamados “ Sereia de Fiji“  (assim nomeados em homenagem  ao ser bizarro criado por Barnum, que  costurou um torso de macaco  em  um rabo de peixe), composto   pelos participantes de uma espécie de sindicato  de atores fraudadores, compromissados com o encobrimento do roubo, (sempre que esse seja praticado apenas contra os palhaços), são chamados  genericamente  de medebistas ou simplesmente políticos, quando não pertencem ao  ramo maior da organização.

No terceiro picadeiro, uma verdadeira maravilha, nove urubus negros, mais um bagre cego e uma múmia, todos com o dom da fala prolífica, inventam histórias para boi dormir, colocando a plateia em um profundo estado de sonolência, enquanto   falsos palhaços infiltrados, lhes roubam a carteira.

Todo mês de março tem atração especial, um leão que se alimenta de dinheiro, (somente o dos palhaços, é claro).

Toda essa “troupe” do mal, gosta do que faz e não vai abandonar o palco se imediatamente, nós “palhaços”, não encenarmos um outro espetáculo, esse com o nome de: Intervenção Cívico Militar.

Nos três picadeiros:  o Exército a Marinha, a Aeronáutica, e os palhaços menos palhaços, que os apoiarão com aplausos, porque estão cansados de seu papel.
No Brasil será encenado então, o verdadeiro e definitivo: “Maior Espetáculo da Terra”.

H. James Kutscka é Escritor e Publicitário.

2 comentários:

jomabastos disse...

Os nove urubus negros, mais um bagre cego e uma múmia, não deveriam representar o Judiciário, mas sim simplesmente o Constitucional.
Mas como vivenciamos na terra de Bruzundanga, em que não existe regra nem lei, o Supremo Constitucional virou Supremo Judiciário - com "ministros" em que alguns nem Juízes são - para libertar os bandidos bons das garras do verdadeiro Judiciário. Esta é uma desregra habitual nos regimes socialistas latinos e africanos.

Anônimo disse...

Serrão, assim não dá!...e o cara assina "escritor":

ASSASSINOU o Português assim:
A mais de trinta anos, estamos assistindo de camarote ao “Verdadeiro Maior e Mais Abjeto Espetáculo da Terra”

o CERTO É

Há mais de trinta anos, estamos assistindo de camarote ao “Verdadeiro Maior e Mais Abjeto Espetáculo da Terra”...

ou já aboliram os verbos?

Sinal da decadência cultural de um povo....pito nele Serrão!