terça-feira, 21 de agosto de 2018

A Caixa-Preta do Criança Esperança


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

A  mensagem midiática  em torno do Programa “Criança Esperança”, patrocinada  pelo GRUPO GLOBO, em parceria com a UNESCO - uma agência da ONU - à primeira vista pode deixar  uma ótima impressão de “benemerência”, devido ao objetivo declarado  de socorrer a vulnerabilidade social das crianças e do adolescentes em projetos previamente selecionados.

O Programa “Criança Esperança”, iniciativa ”encampada” pela Globo, teve origem  numa ideia do comediante Renato Aragão, o “Didi”, principal protagonista  do programa televisivo “Os Trapalhões”, em 1985, que na época levou  a denominação de “SOS Nordeste”. Os recursos arrecadados deveriam beneficiar a população prejudicada com a “seca” no Nordeste, especificamente no Ceará, terra  natal do Didi.

A iniciativa teve tanto sucesso que mais tarde passou a integrar a programação anual da Globo. Mas na  última versão , de 2018,o criador do Programa  foi jogado para “escanteio, ficando num segundo plano.

Apelando para a sensibilização dos corações das pessoas, o citado Programa solicita doações financeiras, que  podem ser feitas por telefones 0800, de R$ 7,00, R$ 20,00 e R$ 40,00,ou pelo “site”, em qualquer valor, a partir de R$ 1,00.

Sem dúvida, nada mais nobre, à primeira vista, que o objetivo declarado do “Criança Esperança”. Aparentemente seria bondade “puro sangue”.
Mas como se trata de lidar com “dinheiro”, e muito dinheiro, sempre está presente o risco de alguém, ou alguma organização qualquer, estar lucrando ilicitamente com tão nobre mobilização, ludibriando o povo ,com apelos à “bondade” dos doadores. Muitos famosos, artistas, cantores e mesmo “celebridades” diversas  emprestam seus nomes e colaboram  para dita campanha, participando dela ativamente.

O que sempre é divulgado com grande estardalhaço é o valor arrecadado pela campanha. São muitos “milhões” em jogo. Mas enquanto o Programa “versão” 2015 arrecadou cerca de 22 milhões de  reais, o de 2018 parece que não vai chegar a tanto, apesar do “desespero” da atriz a apresentadora da Globo, Regina Casé, em aumentar essa “renda”.

Mas qual o destino desses “milhões”?  Qual o montante ou percentual que é destinado ao objetivo declarado do “Programa”? Quanto cada entidade beneficiada recebe realmente. Uma parte seria reservada para ressarcir as despesas com as mobilizações havidas? O que seria até justo?

Sem dúvida o povo tem o direito de saber qual a destinação exata e esmiuçada da quantia total arrecadada nas doações , uma vez que ele é o doador de fato ou potencial. Não poderia ser “segredo-de-estado” o BALANÇO desse Programa, como parece ser.

Mas como se trata de uma campanha que com seus apelos acaba mexendo  com o “bolso” do povo, com a  economia popular, e considerando o disposto na lei  que regula os “crimes contra a economia popular”, ou seja, a lei Nº 1.521,de 1951,parece que seria o caso do Ministério Público tomar a iniciativa de fazer uma investigação sobre o destinos de tais recursos, considerando o eventual enquadramento  do infrator no artigo 2º,IX,da referida lei, que define como crime contra a economia popular “obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas ou processos fraudulentos”.                             

Mas considerando que quase todo o mundo tem “medo” da Globo (só o Brizola não tinha e o Bolsonaro agora também não tem), será que o MP teria “culhões” suficientes para uma iniciativa desse “magnitude”?

As seguintes questões, o mínimo, teriam que ser esclarecidas: (1) Qual o total da arrecadação do Programa ,versão 2018 ? (2) Qual o montante efetivamente distribuído às entidades donatárias? (3) Qual a participação da UNESCO nessa arrecadação ? (4)  Idem do Grupo Globo? (5) Quais as despesas e o custo desse Programa ? (6) A Globo “empatou”, teve prejuízo ou lucro? (7)  Em que quantia? (8) Poderia ser apresentado um “balanço” esmiuçado do “Criança Esperança” 2018?

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

2 comentários:

William Riga disse...

O que ninguém percebe é que esse programa tem patrocinadores oficiais, que chegam a pagar mais de 100 milhões no total. A quantia arrecadada é irrisória perto dos patrocínios. Para a Globo, isso é dinheiro de pinga. O que precisa verificar é para quem realmente vai esse dinheiro arrecadado.

Anônimo disse...

Comentarista disse que o excesso de roupas, arrecadadas em campanhas de doação em calamidades públicas, são vendidas.