domingo, 16 de setembro de 2018

A inconsistência do Senador Paulo Paim



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Renato Santana


Se quem cala consente, então o senador Paulo Paim (PT-RS) assume que é no mínimo omisso diante da corrupção lulopetista. Em dois momentos do debate entre candidatos ao Senado pelo RS, promovido pela Federasul em 13/09/18, ele foi cutucado por Mário Bernd (PPS), que chamou Lula de ladrão. Bernd ainda o acusou de silenciar frente à corrupção do governo petista. Mas, a todas as acusações, o valente senador só se calou!



E quando cala, Paim é mais sincero do que falando. Em 19/03/2015, ele falou que poderia sair do PT. E na Veja de 16/11/2015, numa entrevista cheia de autoelogios, dada a Robson Bonin, Paim afirmou: "Vou sair do PT. Isso é certo. Mas ainda não sei com certeza para onde vou." E soltou uma pérola: "Eu não tinha como conhecer as malandragens da política porque não atuo nessa área."

Aos repórteres Débora Bergamasco e Germano Oliveira (revista Isto É, 04/11/2016), ele disse: "Estou ameaçando sair do partido desde dezembro do ano passado." E foi categórico: "Agora, vou esperar até o final do ano. Até março quero estar em um novo projeto." Saiu? Não saiu!

Paim, que nunca demonstrou indignação diante da grossa corrupção do PT, não perde ocasião de proclamar a coerência que não tem, o que, somado a um discurso salvacionista, compõe a sua farsa de "defensor das minorias". Na entrevista à Veja, ele diz: "A política tem de ser humanitária, e não um negócio para alguns." Bem coerente...

Mesmo possuindo uma casa no Lago Sul, bairro de alto padrão em Brasília, Paulo Paim recebe auxílio moradia, conforme matéria recente do repórter Fábio Marçal da rádio Guaíba. "(...) concepção transformadora da política que sempre defendi", seu autoelogio na Veja.

E como esquecer que foi por "coerência" que Paim figurou como único senador gaúcho a guindar o multiprocessado Renan Calheiros à Presidência do Senado? A jogada rendeu dividendos ao PT, claro.

Na entrevista a Bonin, ele admitiu o mensalão. E até disse: "Quem roubou tem de responder pelo que fez." Só que, vendo Lula condenado por corrupção na Lava Jato e na iminência de ser preso, deu sinais de mudar de ideia com uma heresia dita ao site de Veja (27/12/2017): "Se Lula for preso, ele vira um novo Nelson Mandela".

Notório populista, Paim está no Congresso Nacional há 32 anos, sempre jogando para a torcida: quando o governo petista contrariou suas promessas de campanha, ele se curvou aos interesses do partido e mandou às favas o que prometera. Mas, se essa é a política que lhe garante uma vida burguesa, por que haveria de fazer diferente?

O que se terá passado no íntimo de Paulo Paim, quando se encolheu e calou ao ser confrontado com a realidade por Mário Bernd? "Entre a vergonha e a tristeza, fico com o sentimento que é mais grave, a tristeza", disse ele na entrevista a Bonin. Ora, se Bernd estava denunciando uma farsa, alegre é que Paim não ia ficar...

Renato Sant'Ana é Psicólogo e Bacharel em Direito.

Um comentário:

Fábbio da Luz da Luz disse...

EU VOTEI NO PAIM, POR ACREDITAR NAS SUAS PROPOSTAS E POR NÃO PARECER VINCULADO AO DISCURSO POPULISTA DO SEU PARTIDO, CUJA RETÓRICA EU CANSEI DE OUVIR E O BRASIL TAMBÉM, MAS O EX-SENADOR TÁ NA HORA DE PARAR E IR DESFRUTAR DE SUA APOSENTADORIA