terça-feira, 18 de setembro de 2018

A Pacificação Nacional é viável?



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Eis a grande dúvida brasileira para depois da eleição: será possível a tão sonhada e desejável pacificação nacional? O radicalismo persistente da esquerda sinaliza que estamos longe da paz. A políticagem hedionda e o discurso raivoso dominam o ambiente eleitoreiro. A banda hegemônica da mídia também presta seu desserviço colocando fogo na guerrilha pelo voto. O perigo é quando a direita embarca na estratégia equivocada da esquerda que não aceita ficar de fora do poder.

O Brasil vive um momento institucional delicadíssimo, com a guerra de todos contra todos os poderes. A irresponsabilidade política nos coloca próximos de um conflito civil sem precedentes. É concreto o risco de rompimento do tecido social. Pior e mais grave ainda: O País pode acabar dividido de verdade, com o processo de desintegração nacional em curso adiantado. Alguns militares, principalmente na reserva, chamam a atenção para o problema. Porém, a sociedade brasileira, em sua maioria, prefere ignorar a realidade. E a esquerda não quer saber de pacificação, pois ela só sobrevive na base da permanente luta de classes.

O comportamento politicamente responsável exige que se trabalhe para unir o Brasil com segurança, ordem, fraternidade e, principalmente, muita liberdade de direitos e deveres. Não podemos cair na armadilha irresponsável de reeditar o clima pré-1964. É preciso viver o momento presente olhando para frente. No passado, a interpretação verdadeira da História mostra que todos erramos. Quem vencer a eleição deve estar preparado até para “anistiar” os adversários de campanha. O Brasil necessita de uma espécie de Pacto de Moncloa. É fundamental deixar a esquerda isolada em seu irresponsável discurso de confronto permanente.

A tal Direita e os autodenominados conservadores devem explicar que, se a maioria acredita na Democracia, agora é o momento de aceitar e respeitar o rodízio de poder. A centro-esquerda que vem governando (ou desgovernando) o Brasil desde 1985 precisa aceitar a previsível derrota. Faz parte do processo democrático respeitar quem pensa diferente e deseja mudanças constitucionais e institucionais. A luta é por um futuro de estabilidade, geração de emprego e renda. Lembremos do passado, principalmente dos erros primários. Porém a única saída é olhar para frente e vislumbrar que o sucesso brasileiro depende da união por um Projeto Estratégico de Nação.

A centro-esquerda já demonstrou que não tem competência para tamanho desafio. Por isso, só lhe resta respeitar o princípio básico da alternância de poder. Soa ridículo e vergonhoso assistirmos a candidatos presidenciais que pautam sua campanha por ordens emanadas por um presidiário condenado por corrupção. É como se Fernandinho Beira-Mar e Marcola estivessem participando, diretamente, da eleição 2018. Imperdoável é que os poderes constituídos sejam coniventes com a ação criminosa na campanha.

O Brasil tem que mudar para melhor. A prioridade máxima é a pacificação nacional. A Democracia não se constrói com facadas covardes e muito menos com discursos ideológicos retrógrados, raivosos e sem compromisso com o real desenvolvimento civilizatório do País. Por tudo isso, vale insistir, a direita e os conservadores não podem cair na armadilha fácil da esquerda. A tática correta para o momento é defender e trabalhar pela pacificação, com soluções democráticas.

Não existe mais espaço para incompetência, intolerância e corrupção no Brasil.



Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 18 de Setembro de 2018.

13 comentários:

Jayme Guedes Filho disse...

Não subestimemos o poder da palavra.Quando você afirma que o Brasil tem que mudar a mensagem não chega ao destino pois o Brasil é um ente abstrato. O apelo correto é aquele que fala diretamente à maioria que elege: O ELEITOR TEM QUE MUDAR. O mesmo se aplica à expressão crise. O desemprego é culpa da crise. Na cabeça da maioria que elege a pergunta é: por que ainda não prenderam essa tal de crise. A comunicação correta é: o resultado da escolha do eleitor do PT. O eleitor brasileiro, principalmente o da maioria que elege, tem baixíssima escolaridade.Quando se trata de falar para a maioria que elege a imprensa, de modo geral, usa o idioma da minoria que não elege e o que transmite não é novidade alguma. Eu já sei que na cabine eleitoral eu não escolho a pessoa de quem gosto - o Romário, por exemplo - na cabine eleitoral eu escolho o futuro que quero para mim. Enquanto isso não for aprendido, não avançaremos.Divulgue, Serrão. Abra essa discussão.

jomabastos disse...

"E a esquerda não quer saber de pacificação, pois ela só sobrevive na base da permanente luta de classes."

Existem duas espécies de esquerda, a esquerda radical pró-comunista e a centro-esquerda.

A esquerda radical pró-comunista - compreende todos os partidos políticos que querem ver o país debaixo de um tapete comunista, subjugados a um estado ditatorial e em que uma verdadeira democracia não exista. Os seus eleitores partidários, muito raramente mudam de lado político, por viverem doutrinados por um extremismo pró-comunista próprio de esquerda radical e em uma pretensa e infindável luta de classes.

A esquerda centro-esquerda - compreende os partidos de esquerda que são em larga maioria de centro-esquerda. Em uma democracia, os seus eleitores mudam-se frequentemente para o centro-direita e direita, quando os políticos dos partidos de centro-esquerda e esquerda não os satisfazem politicamente.

Então podemos dizer que em uma democracia madura, os eleitores dos partidos de centro-direita/direita e centro-esquerda/esquerda, movimentam-se tanto para a esquerda como para a direita, conforme os políticos os satisfaçam ou não politicamente.
Politicamente, é assim que funcionam os países social e politicamente desenvolvidos, em que as forças políticas partidárias de esquerda e de direita alternam seus mandatos conforme a satisfação ou insatisfação política da população, por pesarem muitas vezes na tendência de voto dos eleitores.

jomabastos disse...

O Bolsonaro tem que esforçar-se para baixar a sua taxa de rejeição. São os eleitores centro-esquerda e centro-direita, que o Bolsonaro tem que convencer a votarem nele no segundo turno.

Augusto disse...

veja a verdadeira pesquisa eleitoral

http://www.urnadigital.com

jomabastos disse...

"É fundamental deixar a esquerda isolada em seu irresponsável discurso de confronto permanente.".

Deixar a esquerda radical isolada, é fortificá-la.
A esquerda pró-comunista irá pouco a pouco voltar-se para o centro-esquerda, à medida que o país se desenvolve e prospera.
Há que comprovar com progresso e prosperidade aos eleitores seguidores da esquerda comunista, que o comunismo é algo maléfico para a democracia e para o desenvolvimento do país. E assim muitos deles irão abandonar os partidos pró-comunistas, o suficiente para a democracia se ir consolidando na Nação.

jomabastos disse...

Neste momento existem duas forças partidárias no Brasil, o PCU - partido dos corruptos unidos - e os partidos comunistas. Mas como a maioria dos comunistas caminha de braço dado com a corrupção, uma larga maioria pertence ao PCU.

Esperemos que o Bolsonaro traga um futuro anti-corrupção para o Brasil.

Loumari disse...

FASCISMO. O QUE É O FASCISMO?

O fascismo é um sistema político autoritário que combina populismo, nacionalismo e totalitarismo em nome de um ideal colectivo supremo. Como movimento revolucionário, opõe-se à democracia parlamentar frontal e ao estado liberal que garante os direitos individuais.
Vindo de vários componentes da filosofia europeia do século XIX, o fascismo encontrou nas circunstâncias económicas e históricas do pós-guerra o contexto que lhe permitiu obter poder, primeiro na Itália nos anos 1920 com Mussolini, então sob uma variante acentuada, militarista, na Alemanha nos anos 1930 com o nazismo e Hitler.

O termo fascismo (pronunciado [fa.ʃism], calca diferentes forma de pronúncia italiana [faʃizmo], ou mais raramente [fa.sism], aplica-se de forma estrita ao período de Mussolini da história italiana e em sentido amplo, a um sistema político com características inspiradas no exemplo italiano, mas que pode ter assumido diferentes aspectos em diferentes países. Há debates entre historiadores sobre a qualificação de certos regimes (regime Vichy na França e o regime Franquista na Espanha) Ambos foram regimes militaristas, fascistas e opressores.
A diferença entre fascismo e totalitarismo é assunto de muito debate.
FASCISMO significa o que, em termos modernos, pode ser definido como um movimento ou organização sectária; uma ditadura que impõe sua ideologia pela força do terror. (para ter a certeza disso basta observar os discursos e procederes dos da extrema-direita no Brasil e o Islam).
O TOTALITARISMO é um sistema de domínio aplicado por governos ou partidos fascistas, racistas e segregacionistas.
O QUE É SEGREGAÇÃO? SEGREGAÇÃO é, ou, são actos que são aplicados pelos fascistas para dividir as pessoas. Primeiro pelas ideias, e quando o bicho pegar e verem que conseguiram conquistar número considerável de aderentes a sua causa e abraçar a regime, eles passam pela velocidade superior que consiste já em separar as pessoas por raça, classificando os indivíduos não de raça branca como espécie inferior. E é quando começa o extermínio da população não de raça branca.

O regime fascista rejeita o indivíduo e a democracia em nome da massa encarnada em volta de um chefe providencial. O fascismo abraça grupos sociais com discursos surrealistas com promessas de paz eterna se a humanidade se livrar das raças inferiores (não branca). Com este discurso de superioridade alienígena, vão facilmente induzir nas mentes incautas o sonhar com um mundo ideal, perfeito, só composto pela elite alienígena (raça branca com olhos azuis, na visão Nazis). E, com este ideal muita juventude se portará voluntária, e uma vez endoutrinados se transformarão em máquinas de matar.
E vão justificar a violência estatal contra os oponentes que serão assimilados a inimigos internos, que o antagonismo (oposição ao sistema deles) é incompatível com a unidade da nação. E se outorgarão o direito de violar as leis, abolir a constituição e concentrar a sua luta no combate ao adversário que cujas ideias e acções são contrárias a ideologia deles. (ideia fascista)
Se ampararão das classes sociais para uni-las em um só e único partido.

No campo económico, o estado vai aplicar uma política dirigista com o controle absoluto nas actividades.

Há que considerar que, ao mesmo tempo, o fascismo rejeita a noção de igualdade em nome de uma ordem hierárquica natural: define um "novo homem", um ideal de pureza nacional e racial que alimenta, em particular, o anti-semitismo, a homofobia, a exclusão de pessoas com deficiência e exalta os corpos regenerados, bem como as virtudes da terra, do sangue e da tradição, assim como afirma uma hierarquia entre os povos fortes e os povos fracos que devem ser submetidos.

Em geral, o fascismo exalta a força e confia nos valores tradicionais da masculinidade, relegando as mulheres ao seu papel materno. Nesse espírito, ele celebra virtudes bélicas desenvolvendo uma estética heróica e grandiosa.


Continua

Loumari disse...

O fascismo se apresenta como espelho revelador de uma humanidade que vive uma crise de modernidade e se apresenta como solução contra o sentimento de decadência da civilização. O fascismo, também se apoia no misticismo romântico do passado que provoca nas pessoas o género de emoção colectiva que é posto em cena de maneira teatral e dinâmica e de forma meticulosamente religiosa (líder de culto, uniformes, comícios, propaganda) e assim desperta fascínio ideológico e estética, coisa comprovada pela nossa própria história.

Na sua ascensão o fascismo concentra sua luta no combate a toda sorte de ideologias, pois para o fascista não pode haver alguém por cima dele, nenhum mortal superior a ele e nem igual a ele, e todas armas são perfeitas para serem usadas para desqualificar o inimigo político, combatê-lo e exterminá-lo da superfície da terra. O fascista não pode tolerar que haja concorrentes nem opositores.

O fascismo é hoje reivindicado como culto civilizatório nos movimentos da extrema-direita (neofascistas).

Vou terminar o meu estudo com estas citações de Adolf Hitler:


* "Toda propaganda tem que ser popular e acomodar-se à compreensão do menos inteligente dentre aqueles que pretende atingir.
" (Adolf Hitler)


* "A natureza é cruel; então também estamos destinados a ser cruéis. Ao enviar a flor da juventude alemã para a chuva de metais da guerra sem o menor remorso pelo precioso sangue deles que está sendo derramado, eu deveria ter o direito de eliminar milhões de uma raça inferior que se multiplica como verme. " (Adolf Hitler)


* "Ao educar a geração jovem com as premissas da direita, o Estado do Povo terá que ver que uma geração da humanidade está formada e será adequada para este combate supremo que decidirá os destinos do mundo." (Adolf Hitler)


* "A arte da liderança consiste em consolidar a atenção das pessoas contra um único adversário e cuidar para que nada divida essa atenção. " (Adolf Hitler)


* "A grandeza de toda poderosa organização incorporando uma ideia neste mundo repousa no fanatismo religioso e na intolerância com a qual fanaticamente se convencem de seus direitos, impondo com intolerância contra todas as outras." (Adolf Hitler)


* "O primeiro quesito essencial para o sucesso é o emprego eternamente constante e regular da violência." (Adolf Hitler)


Uma mentira dita cem vezes, torna-se verdade um dia.
(Adolf Hitler)


"Que sorte para os ditadores que os homens não pensem (Adolf Hitler)


*PS: Pois é gente, como deixou dito e escrito o nobre intelectual Francês François Rabelais (1494 // 1553)*
*"A ignorância é a mãe de todos os males."*

Anônimo disse...

As denuncias do Paloff,(Palocci), deveriam ser logo divulgadas antes das eleições,para enterrar de vez os partidos envolvidos e os mais onestos do mundo".
É o que espera o Brasil.
Quero ver o mar pegar fogo pra comer peixe assado.
Palocci, joga bastante MERDELÊ, no ventilador dos corruptos.
Bolsonaro 2018, para colocar o Brasil no rumo certo.

Anônimo disse...

Nobre jornalista.
No jornal local, em São Luis Maranhão,um comentarista afirmou, que o Sarney, declarou que se o Bolsonaro for o vencedor, será "impichimado", em até 6 meses, igual à Dilma, porque não teria a maioria no Congresso.
E aí FORÇAS ARMADAS? Vão continuar sendo humilhadas com os dirigentes "canhotos"?
Parece que nas Forças Armadas tem café no bule.A maioria dos OFICIAIS GENERAIS, que juraram defender o Brasil com a própria VIDA, não vão deixar.

Jorge disse...

Parabens pelo texto.Verdadeiro e esclarecedor.

Almanakut Notícias - São Paulo - SP - Brasil disse...

Se o Brasil tiver que chegar às vias de fato
Nas noites de frio será melhor nem nascer
Nas de calor, se escolherá, matar ou morrer
E assim voltaremos a ser brasileiros

Quando o Brasil se livrar dos seus parasitas, A Verdade Sufocada será contada pelos melhores historiadores da imprensa assepsiada!

Feitos do governo militar

Nega-se que a base do desenvolvimento do país, a infra-estrutura de hoje, foi criada e implantada durante o Regime Militar.

https://averdadesufocada.com/index.php?option=com_content&view=article&id=3085:2903-feitos-do-governo-militar&catid=16&Itemid=34

Anônimo disse...

Para começar não existe sociedade brasileira, o que existe é uma esquerda radical sem limites ou melhor um comunismo ortodoxo que os que atrapalham, são exterminados, como o que aconteceu com o Bolsonaro.e anteriormente com o Celso Daniel, Eduardo Campos e Teori Zavaski. Do outro lado o que existe é uma direita raivosa chamada de Centrão que insiste em se eternizar no poder.mesmo porque sempre comandou este infeliz país desde o golpe da proclamação da república em 15 de novembro de 1889 e deu no que deu. Quanto as ex gloriosas FFAA estão completamente neutralizadas e não existe a menor possibilidade que venham a ocupar o poder novamente, embora alguns militares da reserva venham ameaçando intervenção militar, mas até as crianças sabem que cachorro que late não morde e avisar o inimigo que vai atacar não existe nem nos jogos de botão.