segunda-feira, 17 de setembro de 2018

O Prisioneiro de uma campanha presidencial



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

A campanha eleitoreira de 2018 entrará para a História pelo surrealismo dos acontecimentos e discursos. A loucura vai desde a facada no candidato Jair Bolsonaro até a apologia criminosa feita pelos petistas. Fernando Pimentel, governador candidato à reeleição em Minas Gerais, só pode ter endoidado ao afirmar: “Vamos eleger Haddad presidente da República, e eu tenho certeza que, eleito, o Haddad irá assinar no seu primeiro dia de governo um indulto para o presidente Lula, irá tirá-lo desta prisão injusta e arbitrária”.

A conversa parece mais que maluquice, pois foi repetida pela Presidenta do PT. A senadora Gleisi Hoffmann, agpora candidata a deputada federal, também afirmou ter certeza de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será solto tão logo o Brasil eleja um novo governante. Mais piração? Gleisi prega que Lula só segue preso em Curitiba por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá, "só para não participar da eleição". Gleisi é um gênio...

Mais barbaridade? Reportagem do jornal O Globo relata que toda a estratégia da campanha de Fernando Haddad (PT) à Presidência está sendo traçada pelo ex-presidente Lula, de sua cela, em Curitiba. Lula define aonde Haddad deve ir, a quem deve atacar e até a postura nos debates. Credenciado como suposto advogado do condenado na Lava Jato, Haddad visitou Lula seis vezes nos 37 dias em que ocupou o posto de vice-fake.

Pior que um prisioneiro por corrupção coordenando campanha de dentro da sala improvisada como cela privilegiada é a injusta revolta de integrantes do Tribunal Superior Eleitoral com parte dos 20 minutos de discurso do paciente Jair Bolsonaro, diretamente do “Hospital de Campanha” Albert Einstein. Ministros eleitoral não teriam gostado do ataque de Bolsonaro à insegurança do sistema de votação, sem direito ao voto impresso para recontagem.

O TSE prega que fez uma série de testes públicos de segurança das urnas, com especialistas e peritos da Polícia Federal, para garantir a inviolabilidade dos votos. Mas Bolsonaro não quis saber e alfinetou: “A narrativa agora é que eu perderia para qualquer um no segundo turno. Não é perder no voto, é perder na fraude. Então, essa possibilidade de fraude no segundo turno, talvez no primeiro, é concreta”.
Loucura completa é isso: você sobreviver em um País dominado pelo Crime Institucionalizado, sendo obrigado a acreditar, piamente, no dogma de uma eleição totalmente honesta, mesmo sem o direito elementar a uma conferência de voto, porque a “Justiça Eleitoral” decidiu descumprir a Lei do Voto Impresso...



Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 17 de Setembro de 2018.

Nenhum comentário: