quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Calma... Não haverá golpe... A não ser de esquerda



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Um Corpo de Bombeiros simbólico já foi acionado para apagar, previamente, um incêndio criminoso na relação entre a cúpula do Judiciário e o futuro Presidente Jair Bolsonaro. Tanto que uma reunião com o presidente do Supremo Tribunal Federal, José Dias Toffoli, será uma das primeiras conversas institucionais a serem agendadas por Bolsonaro, tão logo seja proclamado o resultado final da truculenta eleição 2018.

Estigmatizado por ter advogado e feito parte da cúpula petista no passado, Dias Toffoli planeja reconstruir sua imagem pessoal durante a gestão no STF. O plano dele é restabelecer o diálogo com a sociedade, a fim de reduzir ou reverter o desgaste de imagem do Judiciário. Toffoli promete investir em um ousado programa de modernização tecnológica para dar celeridade aos trâmites processuais, para acabar com a impressão de lentidão e impunidade.

Politicamente, Toffoli não tem o menor interesse em provocar brigas inúteis com o Poder Executivo. Por isso, muita gente pode se surpreender com a relação fraterna que Toffoli tende a estabelecer com Jair Bolsonaro. Nos bastidores do Supremo, Toffoli já sinaliza que atuará como bombeiro e não como incendiário. Os outros 10 ministros do STF se dividem entre a pacificação necessária e uma ojeriza ideológica, infantil e preconceituosa contra Bolsonaro.

A temperatura tende a baixar. Por enquanto, a banda raivosa ainda joga pesado. Ontem, o Supremo Tribunal Federal pediu que a Procuradoria-Geral da República investigue um vídeo com ofensas à ministra Rosa Weber e outros integrantes do STF. Ontem, o ministro mais antigo do Supremo, Celso de Mello, rebateu as ofensas feitas pelo coronel da reserva Carlos Alves contra alguns ministros, especialmente Rosa Weber, que preside o Tribunal Superior Eleitoral. O recado do Celso de Mello bem que vale para todo mundo, inclusive para muitos magistrados:

“O primarismo vociferante desse ofensor da honra alheia faz-me lembrar, senhor presidente, daqueles personagens patéticos que, privados da capacidade de pensar com inteligência, optam por manifestar ódio visceral e demonstrar intolerância radical contra os que consideram seus inimigos, expressando, na anomalia dessa conduta, a incapacidade de conviver em harmonia e com respeito pela alteridade no seio de uma sociedade fundada em bases democráticas”.

Corporativamente, de modo combinadinho, outros ministros surfaram na mesma onda. Cármen Lúcia proclamou: “Tudo o que atinge um de nós, atinge todo o tribunal como instituição, que é muito mais importante do que cada um, mas, principalmente, que se preserva pela atuação ética, correta, honesta e séria de cada juiz desta casa, que tem tentado exatamente agir de acordo com lei e espera isso de cada cidadão brasileiro”. Luiz Edson Fachin complementou: “A agressão a um juiz é a rigor uma agressão a toda magistratura”.

Recado dado, agora é hora de baixar o fogo. Não deve ocorrer “terceiro turno”. O Brasil não agüenta tamanho golpe... Não adianta seguir na briga permanente contra Bolsonaro, cuja vitória é dada como certa. O candidato do PT precisa conseguir o milagre de conquistar 1,5 milhão de votos por dia, até domingo, para vencer a eleição. Especialistas avaliam que só um fato novo de muita repercussão possibilitaria a reviravolta.

Assim, só falta o eleitorado confirmar o triunfo de Jair Bolsonaro no segundo turno. Depois da eleição, a maioria do povo brasileiro só precisa provar que, realmente, cansou de ser conivente com a combinação explosiva entre extremismo, incompetência administrativa e corrupção. 

O culto ao que está errado e ilegal é um dos vícios que o Brasil precisa superar culturalmente. No entanto, o nível de ignorância e falta de Educação (base moral familiar + ensino de qualidade) indicam que a tarefa civilizatória não será fácil. A esquerdomania reforça os antagonismos inúteis e os conflitos artificiais. O radicalismo extremista sabota o diálogo civilizado e democrático.

A esquerda burra insiste no discurso golpista. Não existe mais espaço para uma oposição irracional e destrutiva. Também não dá para desviar o Brasil do caminho da Democracia (a plena segurança legal, jurídica, institucional, política e individual).

É hora de parar de dividir a sociedade brasileira. Como bem prega Jair Bolsonaro, que promete e precisa trabalhar pela pacificação do Brasil, "somos um só povo embaixo de uma só bandeira, um só coração verde e amarelo".

Releia a segunda edição de ontem: “Atacar o Judiciário é atacar a Democracia”






Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 24 de Outubro de 2018.

Um comentário:

Anônimo disse...

HAVERÁ UMA TENTATIVA FAKE DE AGRESSÃO?

Estaria, a “Sofisticada Organização Criminosa”, prevendo um ato de agressão ao seu candidato, com o protagonismo de um suposto simpatizante do Bolsonaro? É o que nos permite supor o vídeo divulgado ontem pela indefectível Gleisi Hoffman, na companhia de Roberto Requião, Lindbergh Farias, Paulo Pimenta e Wellington Dias. Suponho, então, apenas suponho. Nele, a petista, pasmem!, responsabiliza Bolsonaro por qualquer coisa que venha acontecer com o Haddad até domingo.

Aliás, Gleisi é a mesma que discursou no Congresso, com candentes acusações à campanha do candidato Bolsonaro pela utilização do WhatsApp, feitas no dia anterior à publicação da reportagem-fake da Folha de São Paulo denunciando a existência de contratos milionários entre empresas que apoiam Bolsonaro e fornecedores de pacotes de disparos de mensagens anti-PT, sem que apresentasse uma miserável prova sequer que corroborasse tal denúncia. Uma farsa, portanto, até os dias de hoje.

Assim, sendo, toda cautela com essas “previsões” da Gleisi Hoffman, pois elas podem estar prenunciando, isto sim!, na minha suposição, o sinistro propósito de disparar aquela que seria, numa possível urdidura da ORCRIM, a bala de prata contra a campanha, vitoriosa até agora, de Jair Bolsonaro à presidência. Note-se, inclusive, que o noticiário dos últimos dias, reverberando incessantemente, em especial na maior rede de televisão do país, o episódio em que Eduardo Bolsonaro se valeu de uma frase - cunhada, décadas atrás, por Jânio Quadros -, para responder, hipoteticamente, a uma provocação acerca do que aconteceria se o seu pai, Jair Bolsonaro, uma vez eleito, fosse impedido de assumir por causa de uma denúncia fake. Isso contribuiu para criar um ambiente de terrorismo eleitoral que é inteiramente desfavorável ao candidato que vem liderando as pesquisas e muito propício para a temerária atuação daqueles a quem interessa tumultuar o processo que está para se encerrar no domingo.

Note-se, também, que várias e importantes figuras do PT (Zé Dirceu, Damous, Benedita Silva...) - inclusive o próprio Lula, em áudio grampeado e numa audiência como Moro -, fizeram, nos últimos meses, graves ameaças às instituições do país, o STF entre elas, sem que isso merecesse igual destaque por parte da mídia ou da toga, o que revela, claramente, uma indignação seletiva que é, a meu ver, altamente suspeita. E vejam que nem me referi à hedionda tentativa de assassinar Jair Bolsonaro, executada por um “lobo solitário” (?) de esquerda, mas de um possível mando ainda não esclarecido. Refiro-me a coisas bem mais simples, por exemplo: quem se indignou, de fato, com o HC de ofício que libertou o Zé Dirceu da prisão a tempo de funcionar nos bastidores da campanha do “Poste” ou com a indústria de de HCs, com direito a senha, em certos gabinetes do STF, segundo denúncia do ministro Barroso? Com a palavra, o decano Celso de Mello, para que expresse a sua indignação, sempre tão veemente e oportuna.

Enfim, patriotas, estejam atentos aos sinais, pois a escumalha da esquerda ainda não conseguiu, desta vez, destruir o oponente com o clássico assassinato de reputações, em que detém inegável maestria. É justo esperarmos, então, que os derradeiros e mais dramáticos lances da “Sofisticada Organização Criminosa” ainda estejam por vir. Ela não vai, como já era sabido desde o início, largar facilmente do osso. Já pensaram, por exemplo, se o Bolsonaro abre a caixa preta do BNDES, como andou prometendo fazer? Será ou não o Big One de Bruzundanga? Bolsonaro que se cuide, então, uma vez que se encontra, desde já, na alça de mira de gente que não teme a justiça dos homens, nem tem medo da justiça de Deus. E estejam de olho vivo, de hoje até domingo, em possíveis "eventos-fake", pois o cenário já foi armado.