quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Patrulhamento Ideológico vira Politicamente Correto




Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

O Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico cumpre sua missão mais canalha nesta eleição 2018. Desconstruir imagens verdadeiras, abusando dos conceitos falsificados para corromper a realidade se tornou um vício praticado pelo extremismo esquerdista. Na era das comunicações digitais instantâneas, vivemos um fenômeno interessante e perigoso: o velho patrulhamento ideológico precisou se disfarçar de “politicamente correto”. É a pura contravenção da moral.

O fenômeno é fácil de explicar. As expressões usuais e corriqueiras, que todos nós usamos no dia-a-dia, com familiares, com amigos ou que vemos em telenovelas e filmes, quando atribuídas a uma figura pública, têm sido utilizadas contra ela, para distorcer o real significado do que foi dito ou praticado. Em se tratando de um político considerado adversário/inimigo, o patrulhamento difunde rótulos falsificados que arrasam com a imagem pública do indivíduo.

O Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico joga muito sujo e distorce a verdade e a realidade. A perseguição é tão eficaz que nenhuma figura de vida pública pode mais fazer uso de expressões usuais como qualquer cidadão. Tudo que é dito acaba explorado pelo Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico. Qualquer cidadão pode se referir ao torcedor de um time famoso como “mano”. Se algum político o fizer, será chamado imediatamente de racista, preconceituoso e mais 500 adjetivos de uso exclusivo do Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico.

Se este mesmo político adversário se referir ao sexo oposto, seja homem ou mulher, com alguma expressão de uso corrente, que todos usamos diariamente, tipo TPM, Corno, Mal Amado(a), ele será trucidado pelo Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico. Acabará acusado de Homofobia, Fascista, Nazista e mais 500 adjetivos similares e completamente fora do contexto verdadeiro em que foi originalmente empregado.

Nos barzinhos da vida, é fácil testemunhar pessoas chamarem amigas de “assanhadas”, apenas pelo prazer de promover uma brincadeira com a figura mais tímida que ousou olhar para um rapaz de outra mesa. Se um político adversário for flagrado apenas participando da brincadeira, o Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico se encarregará do seu linchamento público. O sujeito será transformado em “inimigo das mulheres”.

Mas quando se trata de uma figura política “amiga” dos patrulheiros, o entendimento é diferente. O Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico informa a todos os leitores, telespectadores e cidadãos que o político utiliza as mesmas expressões chulas que o “povo”, porque suas origens são as mesmas, “populares”.

Se esta figura política amiga disser que foi até o Nordeste comer buchada de bode e que tem um pé na cozinha, ele será considerado um sociólogo militante. De tanto ler livros sobre a população brasileira, ele, metafisicamente, se consolida como uma figura “amiga” da população mais humilde e carente do Brasil. Ou seja, os patrulheiros inventam um personagem que não existe. Se for aliado, ele é lindo. Se for adversário/inimigo, acaba descrito como um monstro.

Um povo se expressa de acordo com sua cultura, sua história, seus usos e costumes. O Patrulhamento Ideológico disfarçado de Politicamente Correto ignora tal princípio e pratica uma grande hipocrisia. Aqueles que defendem ostensivamente o autoritarismo do politicamente correto deveriam atentar muito mais para o conteúdo do que à forma. Só que eles não têm compromisso com a Verdade – definida como “a realidade universal permanente”.

O Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico promove uma censura a todos que deseja combater. E para obter sucesso, eles distorcem as palavras quando lhes interessa. Essa é a grande canalhice. E ela vem disfarçada de ares do Politicamente Correto. O que é permitido ou não é definido, artificialmente, pelos intelectuais orgânicos, os falsos deuses da sabedoria.

Ainda bem que existe uma “vacina” social contra tais ditadores pretensamente democráticos. O Alto Comissariado do Patrulhamento Ideológico, tão presente nos veículos tradicionais de mídia, está com os dias contatos. A população, interligada nas redes sociais, consegue checar, em tempo real, se de fato existe ou não conotação pejorativa na atitude ou discurso praticado pela vítima dos patrulheiros.

Os patrulheiros são fáceis de identificar. Não querem mudanças estruturais no Brasil. Desejam mais poder estatal para subjugar e tutelar as pessoas. Só defendem a Liberdade quando ela lhes favorece. Do contrário, recomendam e praticam a repressão contra seus alvos de perseguição. Enfim, essa é a essência do verdadeiro fascismo dos companheiros patrulheiros.

Eles foram os grandes derrotados no 1º turno eleitoral. Apesar da insistência na canalhice, também serão os grandes perdedores no 2º turno.

Três Neurônios






Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 10 de Outubro de 2018.

Nenhum comentário: