sábado, 13 de outubro de 2018

PT disfarça com “fatalidade” da derrota


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Além das inúmeras outras características marcantes do seu mau-caratismo, a coligação “Brasil Feliz de Novo”, liderada pelo PT, que carrega a candidatura presidencial de Fernando Haddad, conseguiu desenvolver mais a DISSIMULAÇÃO e o DISFARCE como sórdidos recursos para vencer a eleição presidencial do 2º Turno, a se realizar dia 28 de outubro próximo.

O “papo” deles agora ,disseminado  na mídia , é que a vitória de Bolsonaro seria irreversível.  ”Favas contadas”. E que, portanto, não haveria mais o  tempo necessário  para reverter essa tendência. Mas apesar desse “anúncio” ,na verdade eles já estão certos dessa vitória. E certos não pelos números que serão digitados  pelos eleitores nas urnas eletrônicas da Smartmatic ,porém nos resultados finais que aparecerão lá na “ponta”.                                                                                                                                           
Com isso, é evidente, a dita “coligação” está dizendo, muito “malandramente”, que não haveria qualquer possibilidade de haver fraude nas eleições, pró-Haddad, livrando ao mesmo tempo a “cara” do TSE, e  escondendo  o prévio acordo havido dentro da  “organização criminosa” integrada por esse tribunal, porquanto estariam reconhecendo a “derrota” antecipadamente.

Mas apesar desse “teatrinho” barato, é evidente que caminha célere e intacto o “acordo” feito dentro da  “organização criminosa”, composta pelo “Mecanismo”, pela  “esquerda”, pela  Grande Mídia (Rede Globo, ”Estadão”, Folha de S.Paulo, et caterva) , pelos  principais Institutos de Pesquisa (Ibope ,Datafolha, e outros),e finalmente pelo  Tribunal Superior Eleitoral-TSE, pelo qual a liderança de Haddad nas pesquisas eleitorais finais e na eleição apurada pelas urnas eletrônicas e computadores centrais do TSE,  deverão se equivaler, resultando na vitória final  do candidato esquerdista.

Com essa estratégia demoníaca, quase reconhecendo  antecipadamente a vitória de Jair Bolsonaro, é claro  que “eles” pegariam a defesa do adversário completa ou parcialmente “desmobilizada”, quando fosse anunciado pelo  TSE, para “surpresa” e “espanto” de todos, a vitória de Haddad no 2º Turno das eleições. E a culpa será descarregada na “democracia”.

Que “democracia”?                                                                                             
Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

Nenhum comentário: