domingo, 18 de novembro de 2018

Cãoselhos



“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira
O ditado reza: “Se conselho fosse bom ninguém daria; venderia”.
Vindo de seu melhor amigo, o cão, talvez seja aproveitável pelo homem.

Batizá-lo-emos de sugestões.

Que o “imperador” da economia jamais leve o pequeno felino para uma caverna de eco. Motivo: eco não mia!

Que o futuro chanceler tome posse de barba feita. A pilosidade removida poderá ficar de molho. Por melhor tratada que seja, a barba não faz o filósofo. Pior, é símbolo do partido dos escrotinhos ! Tenha em mente que o hábito não faz o monge mas ajuda a identificá-lo.

Que o querido Mito acerte no atacado ainda que cometa erros no varejo.

Só o exemplo arrasta. As palavras, desde as maviosas até as rudes, voam. Entram por um ouvido e saem pelo outro.

Um saudoso amigo que montou um Banco de Negócios instruía seus executivos dizendo: “Tudo por escrito; nada de graça e mostre o negócio aos interessados como a minisaia: o suficiente para interessar, escondendo o principal!”

Que o presidente eleito se aconselhe com seu ilustre vice sobre como se desenrolam as batalhas.

Atrevo-me a dizer, em meu dialeto caipirês: Igual que nem a primeira briga de recém casados. O melhor vem após a reconciliaCão!

O chefe pode abater ou elevar um grande; só não pode mudar de povo.

Melhor conselho não ouço, não ouso ou não “ovo”.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Anônimo disse...

🇧🇷 Como sempre humor poético que retrata o presente.

Anônimo disse...

Homens conservadores percebem a barba como símbolo da masculinidade (mas os gays também a usam} e ainda não entenderam que as mulheres conservadoras não os querem com barba, que lembra Che Guevara, Fidel Castro e terroristas muçulmanos. Até mesmo o capitão Durval Ferreira equivocadamente adota a barba porque um general de tradicional família militar que ele admira foi o último autorizado a usar barba, como o Duque de Caxias. Atualmente a barba é associada a quem precisa se camuflar como terrorista na selva.