terça-feira, 20 de novembro de 2018

Dia da Consciência...



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por H. James Kutscka

Seria para rir não fosse realidade.

Nesta terça-feira, dia 20 de novembro comemora-se o Dia da Consciência Negra em nosso país, factoide criado por Martha Suplicy data escolhida a dedo por algum gênio petista (dia esse o da morte de Zumbi dos Palmares) e aprovada pela anta do planalto em 2011.

Vamos começar pelo nome do dia em questão: Alguém aí já usou a expressão “estou com a consciência negra, suja ou pesada”, depois de ter feito algo errado? Para evitar interpretações não favoráveis aos portadores de epiderme mais escura, talvez fosse melhor mudar para dia do Afro- descendente.

No entanto mesmo mudando o nome, não vamos fugir do fato que tal dia somente existe, graças a uma estratégia dos governos populistas para manter-se no poder, agradando às “minorias” com afagos que acreditam, se transformarão em votos quando se fizerem necessários.

A esparrela continua; 54% dos brasileiros são negros, o que significa que não são minoria.

O herói dos Palmares cultuado pelos socialistas de plantão, segundo o escritor e sociólogo José de Souza Martins, professor emérito da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, era escravagista. Talvez o advogado sem diploma, Luiz Gama merecesse ser lembrado mais que Zumbi. 
Já para Luiz Mott, antropólogo, historiador, pesquisador, professor titular do Departamento de Antropologia da UFBa e defensor da pedofilia, o distinto (Zumbi dos Palmares, ele mesmo) era gay e conhecido pelos “bofes” como “a Sueca”.

O animal citado é autor de um artigo onde defende suas práticas, o nome da obra que no meu entender não escreveu, obrou é: “Meu moleque ideal”, se tiverem curiosidade e estomago podem encontrar no Google.  

Dito isso, não seria de espantar que se a esquerda seguisse no poder, em breve poderíamos ter o “dia da Consciência da Mandioca, tanto no sentido literal do tubérculo como no sexual figurado.

O Dia do Consciência do Estuprador Inconsciente, proposto pela ex-deputada Maria do Rosário, o dia da Consciência do Médico Cubano proposto por Raul Castro e aprovado por Aloysio Nunes, dia da Consciência do “Di Menor” Assassino, dia da Consciência do Juiz Canalha do STF, dia do Presidente Mitômano Consciente, dia do Funkeiro Desconhecido, todos é claro declarados feriados nacionais.

Em meio ao frenesi estabelecido, este humilde autor se atreveria a também propor um feriado:

-Levando-se em consideração cientistas que afirmam ser um em cada duzentos habitantes desse planeta descendente do imperador Gengis Khan (aproximadamente 19 milhões de indivíduos) seria legal reconhecer essa minoria desconhecida, em um abraço abrangente no dia da Consciência Mongol, tanto no sentido geográfico como psicológico (eximindo é claro, nossos irmãos com síndrome de Down do sentido perverso da brincadeira).

Os novos feriados propiciariam mais uma oportunidade para esse nosso povo bronzeado mostrar seu valor enfrentando congestionamentos gigantescos para alcançar as praias onde tentarão manter sua cor.
É hora de pensarmos nos verdadeiros problemas que afligem nosso país e esquecer as bobagens que nos foram impostas nos últimos pelo menos 30 anos.

H. James Kutscka é Escritor e Publicitário.

2 comentários:

Daniel Camilo disse...

Artigo puramente racista e homofóbico. Se Zumbi era gay ou não, isso é irrelevante. Eu sou negro e já que comemoras-se esse dia, eu o aproveito para conscientizar nossos negros e negras a lutar por nosso ideal; que é estudar e lutar "por um lugar ao sol" disputando as vagas oferecidas de igual para igual, sem necessidade de cotas.

Anônimo disse...

Olavo de Carvalho comenta que as inúmeras datas comemorativas (que ensejam a ridicularização) fazem parte do calendário maçônico, estratégia usada para se contrapor ao calendário litúrgico da Igreja Católica Apostólica Romana.