sábado, 24 de novembro de 2018

Feudalismo na Administração Pública



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Fábio Chazyn

Essa história de disputa por feudos na administração pública merece reflexão.

Se não é por mero interesse espúrio, aceita uma conotação que a história explica.

A palavra “vilão” tem origem no personagem entre o escravo e o colono livre na época do “manor” (fazenda no período medieval). O vilão tinha o direito de explorar, ou seja, “fodder” (inglês) ou “foderum” (latim) ou “forrar” (português), uma área para a alimentação dos seus cavalos.

Os atuais funcionários públicos não vão largar o osso pacificamente, a risco de verem minguar a saúde de seus “cavalos”...

Se o paralelo é pertinente, convém também refletir sobre como a nova administração da dupla Bolsonaro-Mourão pode enfrentar a briga de cotovelos que ora está sendo travada entre os postulantes aos “Manors” (na origem, “Mansões”) dos ministérios e empresas públicas.

Como fazia o rei para cobrar reciprocidades dos “senhores dos manors”? Exigia competência. Em aparato bélico e produtos móveis (origem da palavra “feudo”) originários na “Fazenda”.

Então fica fácil responder como escolher os ocupantes dos “ Manors” da administração pública. É só exigir um “Business Plan” de cada pretendente com objetivos, metas e meios para realizá-los. Os critérios de julgamento continuariam nas mãos do rei, digo Presidente, cuja discrição continuaria intocável.

E os “vilões” do funcionalismo público que continuem puxando o saco dos novos “senhores do manor” sub judice.

No país do “Mais Brasil e Menos Brasília”, duvido que a prática do “fodder” ainda funcione.

Viva o futuro do Brasil!

Fabio Chazyn é Empresário.

Um comentário:

Anônimo disse...

Nenhum empresário entende de administração pública.