sábado, 17 de novembro de 2018

Que tal começar o governo irritando velhinhos?



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

Existe pelo menos um motivo fortíssimo para que a “Reforma da Previdência” não seja realizada “a modo cacete”, sem um amplo debate, apenas sob a motivação de que as contas públicas estão arrombadas pela gastança, pela corrupção ou pela péssima gestão. Os idosos – cuja renda principal é a aposentadoria ou pensão – são os principais sustentadores dos lares brasileiros. Mexer no bolso deles impacta as famílias – o que pode gerar efeito político imediatamente negativo. Jair Bolsonaro e Antônio Mourão deveriam lembrar isto ao Super Paulo Guedes...

Nada menos que 91% dos idosos no Brasil contribuem com o orçamento da residência. Em 25% dos casos colaboram com a mesma quantia que os demais membros da família. Pelo menos 43% dos brasileiros acima de 60 anos são os principais responsáveispelo pagamento de contas e despesas da casa. O percentual é ainda maior (53%) entre os homens. Só 9% não ajudam com as despesas. Os números são de uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Foram entrevistados 612 consumidores com idade acima de 60 anos de ambos os gêneros e de todas as classes sociais, nas 27 capitais brasileiras.

A pesquisa constatou que 66% não recebem ajuda financeira de parentes, amigos, pensão ou programa social. Há 34% de idosos que contam com algum tipo de ajuda. Muitos acabam emprestam seu nome para outros realizarem compras. Pouco mais de um quarto (26%) dos idosos brasileiros já fez empréstimo pessoal consignado em seu nome para emprestar o dinheiro a terceiros. Na maior parte dos casos (17%), o empréstimo foi um pedido de filhos, conjugues ou outros parentes, enquanto em 9% dos casos o idoso se ofereceu para ajudar a pessoa.

De modo geral, 39% dos idosos brasileiros até conseguem pagar suas contas sem atrasos, mas fecham o mês sem recursos excedentes. Outros 14% nem sempre conseguem pagar as contas e algumas vezes precisam fazer esforço para administrar o dinheiro que recebem e 4% nunca ou quase nunca conseguem honrar os compromissos financeiros. Os idosos em situação financeira confortável, ou seja, pagam as contas e ainda sobra dinheiro, são 42% da amostra.

Só que tem um dado preocupante: mais da metade (51%) dos idosos costuma fazer empréstimos, utilizar cartão de crédito ou cheque especial para pagar as contas e conseguir cumprir compromissos mensais. Apenas 48% dos idosos fazem controle sistemático das finanças. Nos últimos seis meses, 37% deixaram de pagar alguma conta.

A pesquisa verificou que a situação de aperto financeiro, em diversas ocasiões, acaba levando a inadimplência. Nos últimos seis meses, em cada dez pessoas acima de 60 anos, quatro (37%) deixaram de pagar ou atrasaram o pagamento de alguma conta e 21% ficaram com o CPF negativado no último ano. Os atrasos foram, principalmente, com as contas de luz (15%), água (11%) e telefonia (9%). Os que garantem ter pagado todas as contas em dia no último semestre somam 57% da amostra. Para quem deixou de pagar alguma conta, os motivos mais alegados foram a diminuição da renda (18%), esquecimento (16%), falta de planejamento dos gastos (15%) e problemas de saúde (9%).

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, analisou o fenômeno: “Há muitos casos em que a renda do aposentado é a única maneira para sustentar o lar de uma família que perdeu emprego, mas o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e suas atitudes nesta fase da vida também são fatores importantes. Hoje, os idosos são mais ativos, têm mais autonomia financeira e trabalham por mais tempo, seja por necessidade ou porque se sentem dispostos”.

Todos esses números sobre os idosos confirma que não se pode cometer erro primário de comunicação ao não debater, exaustiva e cuidadosamente, o tema “Reforma da Previdência” – que não era prioridade na campanha de Bolsonaro e Mourão, porém se tornou prioridade na fase de “transição” (na verdade, fim de governo Michel Temer, que já consegue a façanha de emplacar muitos de seus importantes colaboradores na futura gestão Bolsonaro/Mourão).

Antes de mexer na previdência, com a colaboração ou sabotagem do Congresso Nacional, é mais fácil e recomendável cortar gastos inúteis e criar um sistema de combate à corrupção no setor público. Para isso, é fundamental, primeiro, debater e definir qual modelo de Estado desejamos. As coisas só mudarão com um choque de Transparência que exponha os males estatais. O Capimunismo (ou Capitalismo de Quadrilhas) não serve para desenvolver o Brasil.

Não é politicamente recomendável colocar os velhinhos (aposentados e pensionistas) na frente (para puxar) o carro de boi da máquina pública. Eles não são os culpados pelos rombos na Previdência. Por isso, antes de deixá-los pts da vida, seria mais sábio revelar o real impacto das aposentadorias e pensões, de alto valor, pagas aos “Barões do Serviço Público”. Além disso, endeusar “Regime de Capitalização” é para país com segurança jurídica e econômica – o que ainda não é o caso do nosso...

Lembrai-vos do Ultimato das Urnas e cuidado com a praga dos velhinhos enfurecidos... Reforma da Previdência, a toque de caixa e sem debate, é putaria (não tem outra palavra para definir). Será que Bolsonaro e Mourão vão cair no conto dos banqueiros e rentistas – que hoje ditam a pauta dos legitimamente eleitos? Tomara que não...

Baixe a íntegra da pesquisa em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas




Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 17 de Novembro de 2018.

5 comentários:

jomabastos disse...

Ótimo Texto!
Para Avançar com o Brasil, fazer crescê-lo e desenvolvê-lo, é necessário reestruturá-lo, alicerçá-lo com muita robustez.

Cida Marino disse...

O que eu acho que não deveria acontecer é político que trabalha poucos dias na semana, tem mais de uma férias por ano, tem auxílio isso, auxílio aquilo, muitos tem mais de uma pensão inclusive pensão por viuvez, mas acham que o que vai tirar o Brasil do vermelho são os velhinhos. É muito descaramento.

Cida Marino disse...

O que eu acho que não deveria acontecer é político que trabalha poucos dias na semana, tem mais de uma férias por ano, tem auxílio isso, auxílio aquilo, muitos tem mais de uma pensão inclusive pensão por viuvez, mas acham que o que vai tirar o Brasil do vermelho são os velhinhos. É muito descaramento.

Anônimo disse...

Parece que Paulo Guedes só fala o que os banqueiros querem.

Anônimo disse...

BOLSONARO DEVERIA ABRIR A CAIXA PRETA DA SEGURIDADE SOCIAL, QUE É O MAIOR ORÇAMENTO DA UNIÃO E COMPREENDE A PREVIDENCIA SOCIAL FALIDA SUSTENTADA POR PATROES E EMPREGADOS, A ASSISTENCIA SOCIAL QUE ATENDE AOS INCAPAZES ETC. E A SAÚDE QUE É O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) ESSE TRIPÉ É COBERTO EM PARTE, PELOS IMPOSTOS QUE INCIDEM SOBRE TODOS PRODUTOS PRODUZIDOS NO BRASIL. SERIA SUPERAVITÁRIO SE UMA GRANDE PARTE, DESSE GIGANTESCO ORÇAMENTO, NÃO FOSSE DESVIADO PARA COBRIR OS ROMBOS DO GOVERNO.ESPERAMOS QUE BOLSONARO NÃO SEJA LUDIBRIADO E CONSULTE OS ECONOMISTAS INDEPENDENTES, PARA CONFIRMAR TUDO QUE AQUI ESTÁ ESCRITO. PT SAUDAÇÕES.