quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Bolsonaro deveria se orientar pelo “CIGEMAC” para governar?



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Se porventura  o Presidente eleito Jair Bolsonaro fosse “Capitão” da Força Aérea Brasileira, ao invés de “Capitão” do Exército, como é, talvez ele  tivesse acesso mais fácil a  uma “bússola” auxiliar que poderia lhe ajudar a montar um governo bem sucedido, sem os empecilhos que certamente serão lançados sobre a sua gestão por uma oposição “feroz” que lhe aguarda, e que inclusive já antecipou essa predisposição, com  as suas “garras afiadas”, assentada não só nos Poderes Executivo e  Legislativo, mas  também no Judiciário.

Bolsonaro não pode perder tempo. Deve tomar medidas drásticas já nos primeiros dias do seu governo. Caso contrário, a sua gestão já nascerá “falida”.

Os pilotos de aeronaves, tanto os militares da FAB, quanto os “outros”, aprendem nas suas primeiras aulas  teóricas e práticas, dentre outros ensinamentos, a fazer a inspeção de “pré-voo”,seguindo depois um determinado “checklist”, para o tido de aeronave, que basicamente pode ser  representado pela sigla “CIGEMAC” , usada para instrução inicial de  piloto, para que o “aluno” ou piloto  lembre  a ordem dos testes quando se encontra no “Ponto de Espera” da pista para decolagem.

A grande maioria dos pilotos  se “envergonha” de usar esse método simples, de “memória”, após ter o domínio da ciência e arte de voar aeronaves e domínio dos  respectivos manuais. Mas dita sigla poderá ser usada sempre, mesmo que em caso de emergência, e na  eventual ausência do  respectivo “checklist”.

Mas no que o “CIGEMAC” poderia ser um auxiliar , um “ministro” gratuito, do futuro Presidente?

“Decodificando” a referida sigla: (C) = inspeção dos comandos da  aeronave; (I) = inspeção dos instrumentos de voo; (G)=verificação do nível  do combustível; (E)=posição do estabilizador p/ decolagem; (M)= observação  se ambos os magnetos estão acionados; (A)= ÁREA DE APROXIMAÇÃO LIVRE; e ,finalmente,(C)= cintos de segurança em posição adequada.

No exato momento em que Bolsonaro assumir o Governo, certamente a “luz vermelha” de alerta no seu “CIGEMAC” será acionada. Bolsonaro não verá  na letra “A” dessa sigla a condição  de “área de aproximação livre” para “decolar” a sua gestão presidencial.

O único recurso, não só legal, como também “constitucional”, que  ele teria para “decolar” o seu governo ,ver a ”área de aproximação livre”, está literalmente  previsto no artigo 142 da Constituição Federal, que admite  a INTERVENÇÃO - constitucional, ou militar, nem importa a preferência - para “garantir os poderes constitucionais”, e a “integridade  da pátria”.          

Sem dúvida, tanto os Poderes Constitucionais, quanto a direção da “Pátria”, estão  contaminados de tal maneira que somente a “eliminação” das suas causas poderia resolver essa situação. E a “intervenção” daria os poderes necessários para que se eliminasses todos os obstáculos porventura existentes.

Além de outras questões que deveriam ser tratadas , necessariamente num eventual “decreto de intervenção”, haveria que  constar a lista de “cassações”, de mandatos e cargos públicos, nos Três Poderes, ”limpando a área de aproximação” para Bolsonaro “decolar” o seu governo.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Segundo o Capitão Durval Ferreira, pelo Artigo 142, Bolsonaro teria de convocar novas eleições em 90 dias.