quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Felixxx Natauuu!



“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

A língua portuguesa, “última flor do Lácio” para os íntimos, aguenta qualquer sotaque.

Dizem os mais doutos que a maneira de falar atual dos portugueses, na santa “terrinha”, foi influenciada pelo modismo francês decorrente da invasão de 1.808.

Na terra de Piratininga, fala-se com a monotongação herdada dos índios. Dizemos “côro” em lugar de couro e “ôro” por ouro.

Já a fala nordestina (não tenho a capacidade de distingüí-la por estado ou região) é a mais perfeita gramaticalmente. O intenso calor força um quase recitativo.

Por outro lado, no Rio de Janeiro e adjacências, fala-se com uma espécie de chiado. Dizem que influência dos portugueses de Viseu.

No sul do país, grandes influências de imigrantes europeus (poloneses, italianos e alemães) deixaram sua marca indelével no falar.

Quanto a maneira de se expressar dos brasileiros do norte do país, não tenho como fazer alguma apreciação (pouco conheço a região).

A grandeza continental do Brasil não impede que nos comuniquemos todos.

Em pouco tempo, sabemos que mosquito é muriçoca; que tapete é alcatifa e assim por diante.

Já somos uma das maiores e mais importantes nações do mundo. Recebemos, de braços abertos, imigrantes de todos os continentes, com seus costumes, sua culinária e suas tradições.

Viva o Brasil!

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Anônimo disse...

Com tantos políticos em presídios e outros ainda por vir, "cadeia nacional" tomará outro significado.

Anônimo disse...

A Língua Portuguesa se origina de outra (Latim vulgar) irracional. Vide o Pai Nosso que coloca um pronome desnecessário em 'perdoai-NOS as nossas ofensas"; ou seja, a inexatidão no raciocínio está na origem da alma latina.