terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Qual lobby vencerá a reforma da Previdência?


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

Não será Dona Maria – muito menos Seu José – quem vai atrapalhar a tramitação da reforma da Previdência no Congresso Nacional. Maria e José ganham merrecas que não causam o rombo previdenciário. Por isso, quem pode criar problema, barrando a reforma, é o gigantesco lobby dos servidores públicos – aqueles que continuam com altos salários depois que deixam o serviço ativo.

O Baronato do Serviço Público não gostou de algumas propostas do projeto previdenciário que o futuro governo deseja aprovar ainda no primeiro ano da gestão de Jair Bolsonaro e Antônio Mourão. Uma delas: servidores públicos que ingressaram na carreira antes de 2003 só poderão se aposentar com integralidade (recebendo o último salário) e paridade (tendo direito ao mesmo reajuste salarial que os ativos) se atingirem idade mínima de 65 anos.

A proposta feita pela futura equipe econômica prevê a desvinculação das aposentadorias do salário mínimo e a antecipação do benefício para idosos e deficientes da baixa renda que não contribuem para o regime previdenciário e são enquadrados na Lei Orgânica de Assistência Social (Loas).

Para novos trabalhadores, a ideia é criar um regime de capitalização em que cada um contribuirá para uma conta individual de aposentadoria. A capitalização será acompanhada de mudança no regime de contribuição previdenciária, baseado atualmente na folha de pagamento, considerada deteriorada por causa da informalidade e das novas modalidades no mercado de trabalho. No regime atual, de repartição, os trabalhadores na ativa financiam a aposentadoria dos mais velhos.

O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, ganhou ontem os holofotes para explicar os planos da gestão Bolsonaro/Mourão: “O governo não tem açodamento. No caso de reformas mais profundas, como a Previdência, queremos apresentar modelo para durar 30 anos. Quem pretende que modelo dure 30 anos e seja implantado gradualmente, vontade do presidente, não pode ter açodamento. A gente não quer remendo, a gente quer uma solução de longo prazo. A tramitação congressual vai estar par e passo com convencimento dos parlamentares e da sociedade. Para conseguir isso, não dá para ser no afogadilho”.

Resumindo e até simplificando: assistiremos à luta do lobby dos servidores contra o lobby dos banqueiros e megainvestidores que desejam faturar com o regime de capitalização. No meio desta guerra, deputados, senadores e o governo. O cidadão comum, a tal sociedade, não pode ficar indiferente ao conflito. Se não arrumar um jeito de participar do debate, via pressão legítima, vai acabar dançando no final das contas...

Enquanto isso, a segunda turma do STF pode libertar hoje o tríplice aposentado Luiz Inácio Lula da Silva... Seria um indultão de Natal para o $talinácio e mais uma pancada desmoralizante na Lava Jato... Tudo dependerá de Celso de Mello, já que Edson Fachin e Cármen Lúcia querem que Lula siga preso, mas Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski desejam libertá-lo...

Grito de Campeão




Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 4 de Dezembro de 2018

Um comentário:

Anônimo disse...

Sei, não, mas essa filha do Lula tem a cara da Dilma.